Platanus x hispanica Mill. ex Munchh

Nomes comuns: plátano

Família:PLATANACEAE

 

O plátano (Pkitanusxhispanica Mill. ex Munchh), é considerado um híbrido entre o plátano Americano (Platanus occidentalis L.) e o plátano Europeu (Platanus orientalis L.). É uma árvore de folhas são caducas, que geralmente atinge um grande porte, de ritidoma que se destaca em placas muito finas, dando ao tronco um aspecto muito característico (com manchas acinzentado-esverdeadas). As flores nascem em Abril ou Maio, em inflorescências esféricas, longamente pedunculadas e o fruto globoso.

   Actualmente é muito utilizada como ornamental, para ladear as artérias urbanas, e também para embelezar parques e jardins, ou em estacaria e ainda como suporte nas vinhas de enforcado no Alto Minho. É muito apreciado pela eficaz reprodução por estaca, fácil transplante e crescimento rápido, suportando bem as podas. A germinação não é produtiva. talvez por se tratar de um híbrido. As qualidades ornamentais desta árvore ficam muito prejudicadas com as podas excessivas que costumam sofrer nos nossos jardins e arruamentos.

 

   Sendo uma árvore de grandes proporções só devia ser cultivada nos arruamentos citadinos largos ou amplas praças. Durante muitos anos esta árvore foi plantada nos aglomerados populacionais portugueses, sem se tomar em linha de conta as enormes proporções que a árvore atinge. Assim, são podadas anualmente, de modo a tentarem “controlar” esta árvore tão majestosa. Como aguentam podas violentas, por vezes deixam-nas, frequentemente, apenas com o tronco, sem qualquer ramo. Nestes casos, em que o enquadramento urbano não foi o adequado, é preferível derrubarem esses exemplares e substituírem-nos por outras árvores com as características favoráveis ao local.

Na Escola existem três exemplares cinquentenários.

 

   Os plátanos são árvores com grande longevidade, conhecendo-se alguns exemplares do plátano Europeu (Platanus orientalis L.) com cerca de 2000 anos. Não são atacados por insectos, mas são susceptíveis a um fungo (Apiognomonia veneta). O fungo infecta facilmente os plátanos através das feridas resultantes das podas, particularmente das mal executadas provocando-lhes uma doença conhecida por antracnose, que lhes provoca a descoloração das folhas, seguida da perda das mesmas e finalmente a morte. Provoca também a morte prematura das gemas e ocasionalmente, alargada para grandes cancros nos ramos. Esta doença é mais intensa nos verões frescos e húmidos e nas árvores menos adaptadas a estas condições. Felizmente pouca vezes é fatal, pois as folhas que morrem são imediatamente substituídas por folhas novas. Apesar de existir no mercado um fungicida que dá bons resultados contra este fungo, há no nosso país, cada vez mais plátanos doentes, até árvores ainda jovens, devido ao hábito de as podarem anual­mente. A poda é pois um veículo fácil para a propagação de agentes patogénicos

 

 

Ramo de plátano

Tronco de plátano

 

 

APLICAÇÕES

A madeira do plátano é dura e muito resistente, sendo muito parecida com a da faia. Por isso, por vezes erroneamente, chamam faia ao plátano. Esta madeira, pardo-amarelada é utilizada em marcenaria e carpintaria, sendo também um bom combustível.

As folhas, casca e frutos foram utilizados em medicina popular, tendo-se perdido completamente esta aplicação.

 

 

Como esta árvore tem o tronco esverdeado e uma copa muito ampla, é considerada das me­lhores árvores no combate à poluição do ar citadino. Por isso foi uma árvore muito plantada na cidade de Londres, quando ali se deu início, há décadas, ao combate ao conhecido “smog”, nevoeiro londrino pleno de fumos, que matou tanta gente e que, praticamente, já não existe nos nossos dias,

 

 

 

O nome latino Platanus, deriva do grego “piatanos”. Este termo resulta do grego “piatys ”, que significa “largo”, numa possível alusão à ampla copa desta frondosa árvore.

 

Como os fruto dos plátanos são muito pequenos, leves e rodeados de

pêlos basilares, dispersam-se facilmente pelo vento, provocando muitas

vezes reacções alérgicas nos olhos e vias respiratórias.

 

 

 

 

Frutoxdoxplátanox