PÁGINA 1
O Ensino Recorrente
Prof. João Paulo


PÁGINA 2

Dois castigos sem ter de quê
Prof. H. J. C. O.

PÁGINA 3
Dia da Poesia
Entrevista a Teresa Castro
Profª Paula Tribuzi

PÁGINA 4 
A família há alguns anos
Odete Nogueira, 12º Turma E

PÁGINA 5
Voltar de novo a estudar?
A. Alberto Teixeira, 12º M

PÁGINA 6
Avaliação do Ensino Recorrente
Profs. Cristina Campizes e João Paulo

PÁGINA 7
Dia da África

PÁGINA 8

Literatura Africana em Língua Portuguesa
Nilton Garrido Sec. Turma SA

PÁGINA 9
O Movimento da Negritude
Nilton Garrido Sec. Turma SA

PÁGINA 10
Poetas da Casa

PÁGINA 11
Televisão - Janela aberta para o mundo? Trabalho de grupo Sec.

PÁGINA 12
Hora do Recreio

O Ensino Recorrente

O ensino recorrente surge no âmbito da formação permanente como segunda oportunidade para os que a não usufruíram na idade própria ou que, precocemente, abandonaram a escola e neste estabelecimento de ensino foi implementado nos anos lectivos 1986/87 (3º ciclo ) e 1995/96 (secundário).

Esta modalidade de ensino caracteriza-se pela flexibilidade e adaptabilidade dos ritmos de aprendizagem à disponibilidade, aos conhecimentos e às experiências dos alunos, apresentando-se estruturada em unidades capitalizáveis.

Isto pressupõe da parte dos professores e dos alunos uma nova atitude face à formação, inspirada nos grandes objectivos da educação de adultos:

Compreensão e respeito pela diversidade de costumes e culturas.

Desenvolvimento da capacidade de criar, individualmente ou em grupo, novos bens materiais, espirituais e estéticos.

Desenvolvimento da capacidade de “aprender a aprender” e de “aprender a empreender”.

Pode dizer-se que os programas e as metodologias visam a valorização de uma pedagogia diferenciada, a autonomia do formando e os elementos culturais de que é portador.

Considerando estes princípios gerais do ensino recorrente, a formação não deve ser entendida num sentido restrito (ensino/ aprendizagem desenvolvida por cada professor na sala de aula) mas sim como um processo mais amplo que contemple “a abertura da sala/ conteúdos" para actividades curriculares e extracurriculares, ambas de carácter interdisciplinar e transdisciplinar.

É certo que há diversas motivações dos formandos, sendo de realçar a da valorização profissional, e que as suas intenções, geralmente, se limitam a uma tentativa de capitalizar o máximo de unidades por ano lectivo. Claro que, legalmente, é um aspecto necessário para a certificação, mas é de referir que a formação não deve ser entendida como uma mera certificação de conhecimentos, mas também de competências e atitudes. Nesta óptica, é de louvar as actividades desenvolvidas neste ano lectivo, concretamente, a exposição dos alunos PALOP'S, o Serão da Poesia, acção sobre os métodos de estudo, a elaboração deste jornal, o dia de África... que devem servir de foco de motivação para outras futuras actividades.

É importante que se construa uma escola crítica, criativa e dinâmica... a identidade da nossa escola.

João Paulo (Assessor dos cursos nocturnos)

 

 

FICHA TÉCNICA - Colaboraram neste número: Alberto Santos; Anabela Coutinho; Ana Garcês; António A. Teixeira; Cristina Campizes; Henrique de Oliveira; Isabel Alexandra Gabriel; João Paulo; Jorge Caleiro; Lima Candeias; Manuel de Sousa; Mercedes Rodrigues; Nilton Garrido; Odete Nogueira; Paula Tribuzi; Sandra Cruz; Susana Pinto; Teresa Castro; Tomás Medeiros

         

 
         
       

Listagem geral de programas.         Página seguinte