Acesso à hierarquia superior.

Museu Municipal de Espinho - Fábrica Brandão Gomes

Edifício que subsistiu da antiga fábrica Brandão Gomes, actualmente o Museu Municipal de Espinho. Clicar para ampliar.

Recentemente tivemos a oportunidade de visitar o que subsiste da antiga fábrica de conservas Brandão Gomes, documentada em vários postais antigos de Espinho, postais cujos objectivos eram divulgar e publicitar uma das mais importantes fábricas de conservas do nosso país e, talvez, das mais evoluídas para a época. Para conhecimento dos leitores, fornecemos-lhes não apenas as imagens por nós registadas, mas também os textos que nos foram facultados e se encontram no desdobrável publicado pela CME para distribuição aos visitantes do museu municipal.
 

«A renovação funcional da antiga Fábrica Brandão, Gomes & C.ª integra uma vertente de desenvolvimento cultural e preservação da memória colectiva da comunidade local.

Entrada do Museu Municipal, antiga fábrica de conservas Brandão Gomes. Clicar para ampliar.

Nesta perspectiva, o Museu Municipal de Espinho surge como uma instituição de pesquisa e comunicação que tem como âmbito a comunidade piscatória e a indústria conserveira de Espinho. O Museu procura caracterizar o Bairro da Marinha, a Arte da Xávega e tornar compreensível o lugar da Fábrica Brandão, Gomes & C.ª no fenómeno conserveiro nacional e mundial.»
 

Vista da Fábrica Brandão Gomes de Espinho. Óleo sobre tela - 1910 - Silva & Cª, Porto. Clicar para ampliar.
Vista da Fábrica Brandão Gomes de Espinho. Óleo sobre tela - 1910 - Silva & Cª, Porto.

 

FÁBRICA BRANDÃO, GOMES E C.ª

«Em 1894, Alexandre Brandão, Henrique Brandão e Augusto Gomes constituem a sociedade Brandão, Gomes & C.ª.

A qualidade, diversidade e apresentação das conservas Brandão Gomes, proporcionada por um bom apetrechamento tecnológico, levaram a uma rápida afirmação nos mercados internacionais e, em particular, no Brasil onde tiveram grande aceitação.

Grupo fundador e fábrica de Espinho na década de 1910. Clicar para ampliar.

A necessidade de aumentar a capacidade de produção de conservas de peixe e assegurar um acesso mais regular de peixe fresco levou a empresa a estabelecer fábricas filiais nos portos piscatórios de Matosinhos (1904) e Setúbal (1911) ou em mercados abastecedores pouco explorados como era o caso de S. Jacinto (1909).»

TRABALHO


Clicar para ampliar.
Clicar para ampliar.

«Nas épocas de maior movimento trabalhavam na fábrica de Espinho cerca de 400 indivíduos, com particular saliência para raparigas menores e sem qualquer escolaridade. Em 1910, apenas 25 dos seus trabalhadores sabia ler.
 

Tinham na sua maioria uma origem piscatória e, no caso das mulheres e raparigas, a retribuição monetária era destinada a complementar os rendimentos dos respectivos agregados familiares.»

PRODUTOS

«As conservas de sardinha constituíam a principal produção das unidades fabris Brandão Gomes. Comercializada em latas de diferentes tamanhos e dimensões, a sardinha era apresentada nas mais diversas variedades.

Secção com latas deconserva prontas para expedição. Clicar para ampliar.

A introdução de novos produtos, de acordo com a divisa melhorando sempre, levou a empresa à exploração de todos os segmentos de mercado das conservas alimentícias. A sua actividade produtiva estendia-se a uma grande variedade de peixes, mariscos, carnes, aves, caça, legumes, frutas em calda, geleias, marmelada e queijo da serra.


A ampliação das primitivas instalações permitiu a produção de legumes em mostarda ou vinagre e do môlho d'Espinho. Em 1908 surgia o azeite enlatado e comercializado sob a marca Brandão Gomes.»

Clicar para ampliar.


Interior da fábrica e Museu Municipal de Espinho.

Interior da fábrica Brandão Gomes, actualmente o Museu Municipal de Espinho. Clicar para ampliar.
Interior da fábrica Brandão Gomes, actualmente o Museu Municipal de Espinho. Clicar para ampliar.
A Varina. Molde de gesso da autoria de Joaquim Gomes, cerca de 1910. Clicar para ampliar.

Dois aspectos do interior do Museu Municipal de Espinho (bloco correspondente à antiga fábrica de conservas Brandão Gomes). Clicar na estátua para ampliar.


Contactos
MUSEU MUNICIPAL DE ESPINHO
Rua 41 | Av. João de Deus
4500 ESPINHO

Telef. 227 326 258 ou 227 327 072
Fax. 227 335 867
museu.municipal@cm-espinho.pt

HORÁRIOS E VISITAS
Terça a Domingo
10:00 - 19:00 horas
 Encerra à segunda-feira

Serviço educativo e visitas guiadas para grupos por marcação

Última actualização
24-01-2012

  Acesso à página inicial   Página anterior Página seguinte