A criança mobiliza todo o seu ser quando se entrega espontaneamente a uma actividade criadora. É um verdadeiro meio de disciplina interior que envolve processos de formas superiores de vida mental e que traz à criança, no plano geral, equilíbrio e harmonia, preparando-a ainda para a aprendizagem formal da escola.

       

        O professor deve estar preparado para estimular, promover e aceitar a linguagem gráfica da criança como factor importante do seu desenvolvimento. 

 

           

Nem sempre as palavras exprimem, em toda a sua plenitude, a intensidade de uma vivência. Por vezes são necessários meios diferentes de expressão, como os jogos, as actividades artísticas, … que permitem a realização dos desejos, a satisfação de necessidades pessoais e a afirmação do Eu.

        É através da expressão livre que a criança realiza a síntese entre a expressão do Eu e a submissão ao real.

 

 

 

 

 

 

        Para a criança, todas as experiências que conduzem à criação devem ser educativas. Logo o resultado não é importante, mas sim o processo que o originou.

          É nele que se desenvolvem a percepção, a imaginação, a observação, o raciocínio, o controle gestual … capacidades psíquicas que influenciam a aprendizagem.  

 

 

       

       

           Não é necessário dar-lhes a conhecer o valor artístico dos próprios trabalhos. Podemos, no entanto, explorar os êxitos para ajudá-las a prosseguir com confiança no trabalho. Para algumas crianças o elogio pode ter um efeito muito compensador.

 

        Não podemos esquecer, no entanto, que a criança tem uma forma própria de pensamento e sensibilidade. Logo, não podemos julgar os seus trabalhos como se fossem obras imperfeitas de adultos.

      

       

         A cada estágio de desenvolvimento, o trabalho da criança é uma obra completa, exprimindo uma visão autêntica do mundo infantil, segundo a sua maturidade perceptiva e intelectual.

  

       

 

 

 

      A criação artística favorece o desenvolvimento total da personalidade, reunindo em harmonia a actividade intelectual, a sensibilidade e a habilidade manual. A possibilidade de mexer com vários materiais dá grande liberdade e prazer à criança, ajudando-as a tornarem-se adultos completos e sensíveis.

        

 

        A criação artística liberta tensões e energias, instaura uma disciplina formativa interna de pensamento e acção e favorece a manutenção do equilíbrio necessário para que a aprendizagem se processe sem barreiras e a integração social sem dificuldades.

 

       

 

 

     Quando a criança pinta, desenha, modela, constrói, faz música, teatro… regularmente, a evolução se acelera,

     

       Esta  pode atingir um grau de maturidade de expressão que ultrapassa a medida comum.

 

     

 

      A pedagogia da arte deve ser orientada no sentido da criação, da afirmação de si mesmo pela invenção pessoal.

 

 

 

 

 

 

 

 

Voltar à página inicial