Versão word 2000 do capítulo 11.1 - "Riscos Físicos - Ruído" clique aqui.

Para ver esta página numa janela separada clique aqui.

11.1 - Riscos Físicos - Ruído.

Nota:

Esta página permite ouvir alguns sons para melhor compreender as suas características. No entanto, é necessário ter instalado no computador software que permita reproduzir ficheiros de som: Windows Media Player, Sonique, WinAmp, ou outros. Normalmente,  este tipo de software está presente no computador, por isso tente primeiro reproduzir um som e só se o seu computador não o reconhecer é que deverá tentar instalar novo software. É fácil obter este tipo de software na Internet de forma gratuita (freeware ou shareware). 

Link para um ficheiro zip com os sons em formato wav aqui.

 

O que é o SOM ?

Um som é uma vibração acústica, ou seja, um movimento das partículas de um meio elástico (por exemplo, o ar), perceptível pelo aparelho auditivo.

Fig. 11.1 - Fonte sonora produzindo um tom puro e sua propagação ao meio envolvente.

Fig. 11.2 - Propagação do som e respectiva representação gráfica.

É necessário analisar correctamente o gráfico da Fig. 11.2 uma vez que é a pressão que varia de forma sinosoidal; as partículas do meio têm um movimento longitudinal, relativamente à direcção de propagação da onda sonora, como é perceptível na Fig. 11.1.

O som propaga-se em diversos meios sólidos, líquidos ou gasosos, mas a sua velocidade de propagação varia de meio para meio e até com a temperatura. A velocidade de propagação no ar é de 340m/s (à temperatura ambiente), na água é de 1 500m/s e no aço é de 5 000m/s.

 

O que é o RUÍDO ?

"...Considera-se ruído o conjunto de sons susceptíveis de adquirir para o homem um caracter afectivo desagradável e/ou intolerável, devido sobretudo aos incómodos, à fadiga, à perturbação e não à dor que pode produzir."

(Definição CEE, 1977)

Caracteriza-se por:

Psicologicamente: - por resultar incomodo ou indesejável.

Comunicacionalmente: - por ter baixo ou nulo conteúdo informativo.

Fisiologicamente: - pelas perturbações orgânicas que pode causar.

Fisicamente: - pela sua intensidade, frequência (no caso de um som puro) e composição espectral (no caso de um som composto).

 

Grandezas Físicas e Unidades Acústicas:

Potência sonora (P) - Caracteriza a energia sonora produzida por unidade de tempo por uma fonte.

A potência sonora é intrínseca à fonte sonora.

Unidade S.I.: W (Watt).

Intensidade sonora (I) - Fluxo de energia, numa determinada direcção, através de um elemento de superfície.

Unidade S.I.: W m-2.

Pressão sonora (p) - É a diferença entre a pressão instantânea do ar na presença de ondas sonoras e a pressão atmosférica. A pressão sonora depende da envolvente acústica.

Unidade S.I.: Pa (Pascal ou N m-2).

Frequência do som (f) - Número de variações de pressão (ou de oscilações) durante um segundo.

Unidade S.I.: Hz (Hertz = 1 ciclo.segundo-1).

Fig. 11.3 - Espectro de frequências sonoras.

Para ouvir um som que percorre toda a gama de frequências audíveis clique aqui .

A frequência determina a altura do som: quanto mais oscilações houver, mais agudo é o som.

Representação da onda sonora correspondente a um som grave (150Hz) - Para ouvir clique aqui .

Representação da onda sonora correspondente a um som agudo (2000Hz) - Para ouvir clique aqui .

 

 

Representação da onda sonora correspondente a um som fraco de 400 Hz - Para ouvir clique aqui

Representação da onda sonora correspondente a um som forte de 400 Hz - Para ouvir clique aqui

 

O timbre permite distinguir 2 sons de igual frequência fundamental (altura) e do mesmo nível (intensidade), por essa razão a mesma nota em instrumentos diferentes soa de modo diferente.

Fig. 11.4 - Sons com a mesma frequência fundamental mas harmónicos diferentes.

O ouvido humano apenas tem percepção para os sons onde a frequência está compreendida entre 20 Hz e 20 000 Hz.

Fig. 11.5 - Curva de sensibilidade do ouvido humano.

Parâmetros de Medição do Ruído:

As grandezas acústicas variam em grandes proporções. A sensação sonora varia de forma logarítmica em função da estimulação. Por esta razão foi introduzida a escala logarítmica em função dos decibel.

Fig. 11.6 - Escala de pressão sonora (Pa) / Nível de pressão sonora (dB).

O decibel é a unidade utilizada para medir fisicamente os níveis sonoros.

Nível de pressão sonora: Lp = 10 log (p/po)2 = 20 log (p/po)

O limiar de audição, isto é, a mais pequena pressão audível por um ouvido normal, não é a mesma para todas as frequências. É de 2x10-5 Pa (0,000 02 Pa) entre 2 000 e 3 000 Hz e é muito superior fora desta gama de frequências (como se pode ver na Fig. 11.5).

O Ouvido Humano

Fig. 11.7 - Esquema do ouvido humano.

Efeitos do Ruído

Efeitos do ruído sobre o aparelho auditivo:

Perdas temporárias:

Perdas definitivas:

Efeitos fisiológicos extra-auditivos:

Sistema nervoso central

  • alterações do sono.
  • diminuição da memória de retenção.

Psíquicos

  • irritabilidade.
  • agravamentos de estados de depressão e ansiedade.

Sistema vestibular

  • vertigens.
  • perda do equilíbrio.

Cardiovasculares

  • constrição dos vasos sanguíneos.
  • possível aumento da tensão arterial e da frequência cardíaca. 

Orgão da visão

  • diminuição da discriminação das cores.
  • diminuição da visão na obscuridade.
  • diminuição da sensação de relevo dos objectos.

Aparelho digestivo

  • aumento da secreção gástrica.
  • transtornos digestivos.
  • hipermotilidade gástrica e intestinal.

 

Pele e músculos

  • vasoconstrição.
  • piloerecção.
  • aumento da tensão muscular.

Hormonais e metabólicos

Outros

  • alteração da diurese.
  • retenção de sódio e perda de potássio.

 

Assim o ruído pode levar a:

o que aumenta o risco de acidente.

 

Exposição Profissional ao ruído

Trabalhador Exposto - Exposição pessoal diária ao ruído durante o trabalho (LEP,d) igual ou superior a 85 dB(A), ou valor máximo de pico (MaxLPICO) igual ou exceder 140 dB.

 LEP,d

Risco Nível
80 dB(A) Nulo Segurança
85 dB(A) Reduzido Alerta
90 dB(A) Considerável Alarme
115 dB(A) Elevado Crítico

 

Níveis sonoros, em função do tempo de exposição, que indicam perigo para a audição

Duração da exposição (horas/dia) Nível máximo;
do ruído dB(A)
8
4
2
1
1/2
1/4
90
93
96
99
102
105

 

Para avaliar a exposição sonora dos trabalhadores ao ruído é necessário ter em conta o tempo de exposição.

A avaliação pessoal diária é feita com aparelhos de medida (sonómetro ou dosímetro), que medem o nível sonoro contínuo equivalente ponderado A, durante um dado intervalo de tempo - LA eq,T .

Fig. 11.8 - Curvas de ponderação normalizadas A, C, e Linear.

A malha de ponderação A é utilizada nos equipamentos de medida para simular a sensibilidade do ouvido humano.

 

Medidas de Prevenção e Controlo

Intervenção na Fonte Sonora:

Intervenção sobre a propagação:

Medidas organizacionais:

 

Bibliografia