São Francisco de Assis

 

Místico italiano, fundador da ordem franciscana. Filho de um rico mercador, segue a carreira das armas. Prisioneiro dos Senhores de Perugia, fica doente após ser libertado. Esta doença marca uma mudança na sua vida. Retira-se para a Igreja de S. Damião, em Espoleto, onde, segundo a tradição, um crucifixo lhe fala. Em 1207 abandona a casa paterna e recolhe-se como eremita em S. Damião.     

Inicia as suas prédicas e logo tem um grupo de seguidores. Em 1210 recebe a aprovação do papa Inocêncio III. Clara de Assis também o segue e funda a Ordem das Clarissas. Cerca de 1213 visita a Espanha, com a intenção de passar para Marrocos para pregar aos Mouros.     

Em 1215 assiste ao IV Concílio de Letrão, onde o papa aprova a regra da nova irmandade. Completa a organização da ordem e pretende pregar em França, mas, aconselhado pelo cardeal Ugolino, futuro papa Gregório IX, permanece em Itália. Em 1219 une-se à cruzada do Egipto e visita a Palestina. De novo em Itália renuncia a dirigir a obra por ele iniciada, que tem crescido de modo insuspeitável, e regressa à prédica e à vida eremita. A sua figura é característica: canta nas praças, prega aos pássaros, apazigua os lobos… S. Francisco de Assis é sempre diácono, sem alcançar a dignidade sacerdotal.     


Em 1224, no monte Verna, recebe os estigmas da Paixão de Cristo. Regressa doente e cego a Assis. Pouco antes de morrer compõe o seu Cântico ao Sol.     

S. Francisco de Assis é uma das figuras mais atraentes do cristianismo. Centra toda a sua doutrina evangélica na pobreza. É canonizado, dois anos após a sua morte, por Gregório IX.


O CÂNTICO DAS CRIATURAS
S.Francisco de Assis.

(IRMÃO SOL, IRMÃ LUA)
Excelso, onipotente, bom Senhor
a ti todo o louvor;
Somente a ti pertençam
toda a honra, toda a glória, toda a bênção.
nenhum mortal, ainda que o orgulho dome,
nenhum é digno de dizer teu nome.
Louvado sejas, meu Senhor,
com todos estes seres que criaste
a começar pelo irmão sol, engaste
da luz que gera o dia, e do esplendor
da tua glória - imagem, meu Senhor !
Louvado sejas, meu Senhor,
pela irmã lua e irmãs estrelas,
que formaste no céu com tanto amor.
Tão claras e tão belas.
Louvado sejas, meu Senhor, pelo irmão vento,
pelo ar, nuvem, orvalho... firmamento;
pelas quatro estações, com que asseguras
nutrição e saúde às criaturas.
Louvado sejas, meu Senhor,
pela irmã água, que se arrasta,
útil, humilde, preciosa e casta.
Louvado sejas, meu Senhor,
pelo irmão fogo, fonte de calor,
que aclara a noite, e afasta a morte,
belo, jucundo, varonil e forte.
Louvado sejas
por nossa irmã, a terra maternal,
cujas entranhas benfazejas
produzem o tesouro vegetal
de árvores, ervas, frutas de ouro e flores,
cheias de aroma e tintas de mil cores.
Louvado sejas, meu Senhor,
porque, por vosso amor,
há quem perdoa e sente
todos os males pacientemente.
Feliz o que na paz perseverar
porque no céu Deus o há de coroar.
Louvado sejas, meu Senhor,
a ti, todo o louvor,
porque nos deste a nossa irmã a morte,
a inevitável morte corporal;.
Infeliz o que morre na má sorte
do pecado mortal.
Ao que morre feliz em tua graça
nunca a outra morte há de causar desgraça.
louvai-o e bendizei, todos, o meu Senhor
Louvai-o e agradecei-lhe com amor
a infinita bondade,
e cheios de humildade,
louvai e bendizei o meu Senhor!





4 de Outubro: Dia de S. Francisco e Dia Internacional dos Animais