F{\3 W {FR"ĮM}0pwl>x؄TGa0E(@šԔDzE~D̋c6?5 ('9ˤn)AJ[:'}4ǖSMn&l#%g}zyW`5}'S B|L#kKZ"c7jNa$seܜN5y(,Ljd!d(@l'>NLohM (s@ݯb>;\X_"ac<Ym"s2!rוd8+8-lypJo/h&/@~#8u"]&*cERgtcuӡROщP*wM,"aUi!m< f^µ%`UtM*U kڄcTPޗ!$od \&VG\]_RӚOPLxV$YgT{$29hOJ|5~JKԎo,mا%Xns^`em5^݈bp1+dr+n Xt럵G @zݑ(y;- U=+9.Xo O|UQ;y%R=Y}Jr\03z#4]|hC1fL4Juw ћ'ݟjox?02ŠU{hصTºyyW+bqMHI(~z#Vw tB8oH#ł1f[\Atu*F cOdo iW:"4$mX"z 呸lYU/6ròAߒpz:oCJǯ{EFVF溟sI)qoR|l YMNQ4&m<\,rGiz|9(4Vj7;=gh(S>; FONT-FAMILY: "Times New Roman" } .style72 { FONT-WEIGHT: bold; FONT-SIZE: 14px; COLOR: #666666; FONT-FAMILY: Verdana, Arial, Helvetica, sans-serif } .style74 { FONT-SIZE: 9px } DIV.Section1 { page: Section1 }
Geografia 7 Ano
   
  
 
 

A TERRA: ESTUDOS E REPRESENTAES

 
 

Unidade - Meio Natural

A diversidade de climas e de formaes vegetais

 Deves ser capaz de:

- Reconhecer as funes desempenhadas pela atmosfera

-Salientar a importncia da troposfera para a meteorologia

- Distinguir estado de tempo e clima

- Referir os elementos do clima;

- Evidenciar o papel dos factores do clima;

- Caracterizar os diferentes climas da terra

-Relacionar as formaes vegetais com os respectivos climas;

Referir a distribuio dos climas existentes superfcie da Terra;

Caracterizar o clima de Portugal.


 O clima de um lugar ou regio a sucesso habitual dos estados de tempo, ao longo do ano, sobre esse mesmo lugar ou regio, ou seja, uma sntese anual do tempo.

Clima um conceito usado para dividir o mundo em regies que dividem parmetros climticos parecidos.

O termo mudana do clima, alteraes climticas ou mudanas climticas refere-se variao do clima global ou dos climas regionais da terra ao longo do tempo.

A mudana climtica pode ser tanto um efeito de processos naturais ou decorrentes da aco humana.

O estado de tempo corresponde s condies atmosfricas (temperatura, precipitao, nebulosidade) num certo momento e lugar.

Os climas distinguem-se uns dos outros, sobretudo, pelas caractersticas e variao da temperatura e da precipitao. Essas variaes so determinantes pelos factores climticos, dos quais se destacam:

Latitude

- Os climas dividem-se em quentes, temperados e frios, de acordo com a quantidade de radiao solar recebida.

- Nas latitudes ocupadas pelas faixas de altas presses, os climas so secos, ao contrrio das latitudes onde dominam as baixas presses.

As regies climticas podem ser classificadas com base na temperatura e precipitaes.

- A temperatura e a precipitao so os dois elementos principais para caracterizar um clima.

- O regime trmico permite distinguir os climas quentes , temperados e frios, o regime pluviomtrico permite diferenciar os climas hmidos e secos.

Relevo

- com o aumento da altitude, os climas tornam-se mais frios.

A altitudes muito elevadas o ar seco e quase no h precipitao.

Oceanicidade/proximidade do oceano

- Nas margens dos continentes, onde os ventos martimos so dominantes, os climas tendem a ser mais amenos e chuvosos

Continentalidade

No interior dos continentes, longe dos ventos martimos, os climas tendem a ser secos e com elevados contrastes de temperaturas.

Cada clima corresponde a um tipo determinado de fauna e flora - So os biomas. Estes adoptaram o nome da vegetao dominante ( savana, floresta mediterrnea, pradaria,…).

A maior parte da vegetao dispem-se em faixas mais ou menos paralelas, do equador para os polos, tanto no hemisfrio Norte como no hemisfrio Sul.

 

Uma das melhores maneiras de conhecer as caractersticas climticas duma determinada regio, atravs dos grficos termopluviomtricos ou climogramas. Nestes grficos podem-se analisar as precipitaes e as temperaturas dum determinado local, ao longo dum ano. Dum modo geral, apresentam os valores da precipitao em forma de barras (e so lidos no lado esquerdo), enquanto que a temperatura, que normalmente lida no lado direito, representada por meio duma linha. na parte de baixo do grfico, esto representados os doze meses do ano, assinalados pelas respectivas iniciais dos meses. H no entanto outras formas de apresentar os climogramas, mas a que foi referida, parece ser a mais correcta. Tambm normal, que a escala onde esto os valores da precipitao, apresentem valores que correspondam ao dobro da escala das temperaturas.

A vegetao um grande e precioso indicador do clima de uma determinada rea. Sendo a temperatura e a precipitao os elementos mais determinantes da cobertura vegetal, lgico que quando imaginamos um determinado tipo de clima, associamos mentalmente uma determinada paisagem vegetal, e como tambm bvio, a um determinado clima e cobertura vegetal, esto associados determinados seres vivos.

A biosfera, formada pelo nosso planeta, a Terra e por todos os seres vivos que nele existem. Na biosfera existem diversos biomas, que so um conjunto biolgico associado a uma zona climtica. So essas zonas climticas, ou melhor, so esses climas e os biomas a eles associados, que em seguida iremos ver.


Os tipos de climas e a vegetao

A distribuio e diferenciao dos vrios tipos de climas dependem do modo como se distribuem os elementos climticos e os factores que mais os influenciam. Apesar de vrias diferenas regionais, pode-se definir genericamente os seguintes conjuntos climticos e respectivos climas:

 

Zona Quente: Clima Equatorial; Clima Tropical (de mono, hmido e seco) e Clima Desrtico.
Zona Temperada: Clima subtropical hmido, Clima Mediterrnico; Clima Martimo ou Ocenico e Clima Continental.
Zona Fria: Clima Continental ou Subpolar e Clima Polar. Os climas de altitude no acompanham a distribuio latitudinal dos climas.
 

Os climas mundiais

 

 
Clima equatorial: Floresta equatorial

Clima Tropical hmido: Floresta tropical

Clima Tropical Seco:  savana, estepe e floresta galeria

Deserto: Vegetao xerfila

Clima subtropical hmido: Floreta mista

Clima Mediterrnico: Floresta mediterrnea, maquis e garrigue

Clima Martimo ou Ocenico: Floresta caduciflia  prados

Clima Continental. Pradaria ou Estepe Temperada

Clima Continental ou Subpolar:  Taiga ou floresta de conferas

Clima Polar : Tundra


Os climas quentes

Os climas quentes, num modo muito simples, podem-se subdividir em trs: clima equatorial, clima tropical, e clima desrtico (quente).

 

As regies de Clima Equatorial

 
O Clima equatorial, como o prprio nome indica, localiza-se numa faixa que envolve o Equador, limitada, sensivelmente, pelos paralelos 5 S e 5 N, podendo chegar, em algumas regies, aos 10 S e 10 N. Abrange, por isso, reas como, por exemplo, o Zaire, a bacia do Amazonas, a bacia do Congo, Madagscar e a maior parte das ilhas situadas entre os oceanos ndico e Pacfico, na zona equatorial.

Da anlise do grfico termopluviomtrico que est a servir de exemplo, verifica-se com efeito que se trata dum local perto do Equador (neste exemplo, 40 Lat. S, embora, como lgico, tambm pudesse ser de latitude Norte).

Principais caractersticas:
- temperaturas mdias mensais elevadas e praticamente constantes ao longo do ano, geralmente superiores a 20 C) – As temperaturas elevadas praticamente constantes ao longo do ano devem-se reduzida inclinao dos raios solares e ao facto de a durao do dia natural e da noite ser praticamente sempre a mesma;
- As amplitudes trmicas anuais so muito reduzidas, ou seja, a diferena entre a temperatura mdia mxima anual e a temperatura mdia mnima anual, muito reduzida, normalmente inferiores a 3 C;
- precipitao abundante e mais ou menos regular ao longo do ano, com registos superiores a 1500 mm – Os elevados valores de precipitao justificam-se pela presena constante das baixas presses equatoriais, que provocam chuvas convectivas e de conveco (chuvas provocadas pela ascendncia brusca de ar fortemente aquecido e hmido superfcie);
- No existem estaes (nem Vero, nem Inverno...), pois todos os meses so pluviosos e quentes, isto , no existem estaes diferenciadas (apenas estao hmida), j que todos os meses do ano so muito quentes, hmidos e pluviosos.
 
Ambiente biogeogrfico - Floresta equatorial.
 
 
Floresta Equatorial ou Floresta Ombrfila ou ainda, vulgarmente, Floresta Virgem. Trata-se de uma floresta muito densa, compacta e com grande variedade de espcies arbreas, devido ao calor e humidade intensos.

Trata-se duma floresta muito densa, algumas vezes chamada pelos habitantes locais (principalmente na Amaznia) por inferno verde.

A floresta equatorial constituda por um elevado nmero de espcies, muito prximas umas das outras, com troncos altos e esguios e folhas largas e persistentes. Devido competio pela luz, verifica-se, normalmente, a existncia de vrios estratos arbreos: o mais elevado, constitudo por rvores de grande porte, com uma altura de 10 a 30 metros, e, por fim, o estrato inferior, que comporta rvores com cerca de 10 metros.

Depois dos estratos arbreos, possvel observar um estrato arbustivo, mais ou menos alto e denso, com folhas muito delgadas, quase transparentes, em consequncia da grande humidade e da fraca radiao solar existente a este nvel.

Por fim, junto ao solo, possvel encontrar um manto herbceo pouco desenvolvido, devido quase ausncia de luminosidade provocada pelas copas das rvores, que compem os diferentes estratos superiores.

Na floresta equatorial possvel observar ainda a existncia de lianas e de epfitas, cuja forma de vida assume caractersticas muito particulares. As lianas so plantas trepadeiras que se enrolam nas rvores, pelas quais sobem, procura de luz. As epfitas so plantas que no tm as razes presas ao solo e vivem sobre outras plantas, que lhes servem de suporte.

Estratificao da floresta densa (equatorial)

mais informaes sobre as florestas equatoriais (em ingls):

Neste esquema, podem-se observar com facilidade os estratos da floresta equatorial. O estrato junto ao solo, o estrato herbceo, pouco desenvolvido e onde quase no existe luz, pois as plantas dos estratos superiores dificultam a passagem da luz. O estrato superior, constitudo por rvores bastante altas, cujas copas apresentam uma forma arredondada (tipo guarda-chuva), e os seus troncos, de casca fina,  so lisos, apenas ramificados na parte superior.

muito vulgar nestas florestas, alguns tipos de plantas trepadoras e parasitas, que se servem das rvores para irem subindo e alcanar a luz; muitas vezes estas trepadeiras desenvolvem-se tanto que acabam por estrangular as rvores onde se enrolam. Estas trepadeiras, normalmente lianas, atingem um desenvolvimento to grande, que quem as v, diria que se tratava de uma autentica rvore. H lianas com cerca de 200 metros de comprimento.

Com estas condies ambientais, a vida animal tambm muito abundante e diversa, mas raro haver nestas florestas animais muito grandes, pois a vegetao to densa, que os animais grandes no se conseguiriam movimentar ali dentro. Pela imagem, pode-se fazer uma ideia dos animais que existem na floresta equatorial: nas rvores, alguns mamferos (macacos, lmures, jaguares, esquilos, preguias...), imensos rpteis (cobras, lagartos, serpentes, jibias), um grande nmero de aves (quase sempre muito coloridas e de grande beleza - tucanos, araras, catatuas, papagaios, quetzal...), e uma imensido de insectos; ao nvel do solo (ou perto dele), tambm mamferos (leopardos, gorilas, mandarins, antlopes, ratos....) rpteis, batrquios (sapos e rs - muitas delas venenosas), vermes, etc.. Nos rios, quase sempre de guas muito lamacentas e turvas, abundam crocodilos, jacars, bfalos, rinocerontes, pequenos anfbios, roedores, e como lgico, muitos peixes, entre os quais, as famosas piranhas, enguias-elctricas, etc...

 

A floresta equatorial, bem como o clima equatorial, est mais ou menos distribuda nas seguintes reas a verde. Na imagem, v-se perfeitamente trs grandes reas mundiais de florestas equatoriais: na Amrica do Sul, a Amaznia, a maior floresta equatorial e a mais conhecida; no Centro de frica, a chamada floresta equatorial da bacia do Congo; e na sia, quase toda a regio da Indonsia, bem como a Malsia, Filipinas e pases vizinhos.

 


 

As regies de Clima Tropical

 
Os climas tropicais localizam-se entre os Trpicos de Cncer e Capricrnio, a seguir faixa do Clima Equatorial, sensivelmente entre os 5 e os 12 de latitude Norte e Sul (clima tropical hmido) e entre os 10 e os 12 e os 15 e os 18 de latitude Norte e Sul (clima tropical seco).
 
Principais caractersticas:
- temperaturas mdias mensais muito elevadas ao longo do ano (superiores a 20 C);
-amplitudes trmicas reduzidas, embora ligeiramente superiores s do clima equatorial;
- as chuvas so abundantes , mas concentram-se numa s poca do ano (estao das chuvas);
- apresentam duas estaes distintas: uma estao hmida e uma estao seca.

Na zona intertropical, a precipitao diminui com o aumento da latitude e a estao seca torna-se mais longa medida que nos afastamos do Equador.

Verifica-se com facilidade a existncia de apenas duas estaes: a estao seca e a estao hmida.
Se a estao pluviosa mais longa do que a estao seca, o clima Tropical Hmido. Se, pelo contrrio, a estao seca for mais longa do que a estao hmida, o clima Tropical Seco. Observando os climogramas da figura (que servem de exemplo), verifica-se que no clima tropical hmido, h cerca de cinco meses secos (mais ou menos de Junho a Outubro), enquanto no clima tropical seco, os meses secos so em maior quantidade, mais ou menos dez meses (de Setembro a Junho).

O Clima Tropical de Mono

Existe um caso "especial" de climas tropicais, trata-se de uma variante do clima tropical hmido, que se caracteriza por elevados valores de precipitao na estao hmida, sendo estes valores, muito superiores aos do clima equatorial. Nas regies afectadas pelas Mones, o clima muito pluvioso na estao hmida, designando-se o mesmo por Clima Tropical de Mono.
 

O Clima tropical hmido e o tropical seco.

O clima tropical, pode ser subdividido em dois sub-climas: o tropical hmido e o tropical seco.

O

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Principais caractersticas:

- As temperaturas mdias mensais so elevadas ao longo do ano, superiores a 240C. Embora possa ocorrer um ou dois perodos relativamente frescos, a maior parte dos meses apresenta temperaturas mdias superiores aos do clima equatorial.

- As amplitudes trmicas anuais, embora maiores do que as do clima equatorial, so pouco acentuadas, tendo um valor aproximado entre 100C e 120C.

- A precipitao distribui-se muito irregularmente ao longo do ano, concentrando-se, na sua quase totalidade, numa s estao.

Ambientes biogeogrficos: savana; floresta tropical e estepe tropical.

Nas regies de clima tropical, existem estes trs gneros de formaes vegetais, porque este tipo de clima uma transio entre outros tipos de climas, ao contrrio do clima equatorial, que no faz transio com mais nenhum outro tipo de clima. O clima tropical, consoante a latitude (e a continentalidade), apresenta valores diferentes de precipitaes e de temperaturas, pelo que pode fazer transio entre o equatorial e o o desrtico. Por estas razes (e no s), as formaes vegetais variam de acordo com a maior ou menor abundncia de precipitaes.

Vegetao caracterstica do clima tropical hmido:
 
Floresta Tropical (floresta bastante densa com rvores mais baixas que as da floresta equatorial, mais espaadas entre si e de copa mais larga);
 
 Savana (formao vegetal dominante e que constituda por ervas altas e espaadas intercaladas por uma vegetao rasteira).
Pode-se dizer que a savana uma formao vegetal herbcea (ervas) alta, atingindo nalgumas regies os 2 metros de altura, e "salpicada" de algumas rvores e arbustos. Os arbustos so quase sempre espinhosos e as rvores, so, na sua grande maioria, de folha caduca, com troncos muito duros e revestidos de casca espessa. As razes das plantas da savana so muito profundas e ramificadas, para poderem captar o mximo de gua (que lhe permite sobreviver na estao seca). As rvores mais tpicas da savana so a accia e o embondeiro (rvore de grande porte, tambm conhecido por baoba).

Figura - Savana

Figura - baoba

 

 

Os locais do bioma de savana, encontram-se distribudos nas seguintes reas do mundo:

mais informaes sobre savanas e os seus animais, clique aqui (em ingls)

 
Vegetao caracterstica do clima tropical seco
Floresta Tropical Seca, muitas vezes espinhosa, e na sua quase totalidade desprovida de folhas na estao seca; Savana (ervas e tufos de arbustos espinhosos); nas zonas mais ridas pode-se encontrar a Estepe Tropical (formao vegetal tpica e que constituda por plantas herbceas baixas; pequenas e raras rvores e tufos de arbustos dispersos). Nas regies em que a estao seca mais prolongada, a vegetao apresenta j caractersticas xerfilas (plantas adaptadas secura, isto , muito pouco exigentes em gua).
Figura- Estepe
 
 

Ao longo das margens dos rios que correm nas regies de savana aparece a Floresta- Galeria. A humidade do solo permite o desenvolvimento de uma floresta densa semelhante selva.

 No que respeita fauna (animais) do bioma savana, ela constituda principalmente por grandes herbvoros, tais como bfalos, elefantes, zebras, impalas, antlopes, girafas, cangurus (nas savanas australianas). Como os herbvoros so o alimento preferido dos carnvoros, a existncia de muitos herbvoros, faz com que existam nas savanas tambm muitos carnvoros, tais como lees, leopardos, panteras, tigres, chitas, etc... Nas savanas tambm existem rpteis (lagartos, cobras, serpentes), aves (guias, abutres, falces...) e muitos insectos, principalmente gafanhotos e mosquitos.

As regies de Clima Desrtico

 
Encontra-se a seguir faixa dos climas tropicais e, localiza-se entre as latitudes 15 e 30 Norte e Sul. Abrange, por isso, reas como, por exemplo, os desertos do Sara, da Nambia (Calari), do Arizona (Mojave), do Atacama e do Grande Deserto Australiano. Contudo podemos encontrar desertos em latitudes mais elevadas do globo em virtude de factores locais como: a continentalidade, as barreiras orogrficas e as correntes martimas.

Nas grandes faixas de altas presses subtropicais, predomina um clima quente e muito seco: o clima desrtico quente. A enorme aridez, a caracterstica principal deste gnero de climas.

Da observao do grfico termopluviomtrico, nota-se perfeitamente as fracas precipitaes. No caso que serviu de exemplo, verifica-se que os meses mais pluviosos (Maro, Agosto e Setembro), registaram, cada um deles, pouco mais que 10 mm de precipitao. Mas h locais onde a precipitao praticamente igual a 0 mm. Podem-se passar anos sem cair uma nica gota de gua, mas, repentinamente, podem-se tambm desencadear chuvadas torrenciais, de curta durao (de alguns minutos a algumas horas), que originam enxurradas que arrastam tudo sua frente. H relatos histricos, da II Guerra Mundial, em que durante algumas destas chuvadas, tanques de combate foram arrastados pelas enxurradas como se fossem rolhas de cortia. Os povos nmadas do deserto do Sara (os tuaregues) costumam dizer que "h duas maneiras de morrer no deserto: de calor e sede, ou afogados!"

 

 
Principais caractersticas:
- As temperaturas mdias mensais so elevadas. Embora no seja facilmente observvel no grfico, que do a impresso de no clima desrtico quente as temperaturas mdias mensais, no serem muito diferentes das dos climas tropicais, a verdade que so muito mais elevadas. O que se passa, que neste tipo de clima, alm de apresentar uma amplitude trmica anual relativamente acentuada (perto dos 200C), possui amplitudes trmicas diurnas (durante o dia, ou as 24 horas), elevadssimas, Que so uma caracterstica importante deste clima; durante o dia, as temperaturas chegam a atingir os 500C, mas durante a noite a temperatura tem valores prximos dos 00C e at mesmo temperaturas negativas, originando assim, amplitudes trmicas diurnas de mais de 500C.
- amplitudes trmicas anuais relativamente acentuadas, geralmente, superiores a 15 C;
- amplitudes trmicas diurnas elevadssimas, podendo ultrapassar os 30 C – Estas amplitudes trmicas diurnas explicam-se devido escassez de vapor de gua na atmosfera;
- precipitao rara e irregular (menos de 250 mm por ano);
- no existe estao hmida (podem passar-se anos sem cair uma gota de gua, mas quando chove torrencialmente, formando-se enxurradas que tudo arrastam na sua frente).
 

Ambientes biogeogrficos: a estepe e o deserto absoluto

Nos desertos existe uma grande escassez de gua e humidade, influenciada por: altas presses permanentes (altas presses subtropicais), rpida evaporao, forte insolao, continentalidade, ventos fortes e secos e barreiras orogrficas. Neste desenvolvem-se a vegetao xerfila que se adapta secura extrema e s elevadas amplitudes trmicas. Com espcies carnudas como por exemplo: os cactos, , figueira-da-ndia, agvea, tasneira, etc, que armazenam gua nos caules, adaptando-se secura.

Com tanta secura ambiental, bvio que a vegetao rara e muito rudimentar, escassa ou mesmo nula. Nos locais onde ainda consegue cair algumas chuvas, predomina a vegetao herbcea baixa e pequenos arbustos, bem como alguns cactos. Nas regies onde as chuvas so extremamente raras, a vegetao est completamente ausente: o deserto absoluto, arenoso ou pedregoso. Apenas nos Osis (espao com vegetao no meio do deserto) onde as guas subterrneas (toalha fretica) esto prximas da superfcie ou nas margens dos raros cursos de gua, surgem  reas verdejantes,  que so chamadas de osis, podendo at, nalguns deles, praticar-se a agricultura. por exemplo, as margens do rio Nilo, no so mais do que um extenso osis no meio do grande deserto do Sara.

Deserto absoluto Vegetao rala sobrevive no deserto Osis

paisagem de deserto absoluto, com as famosas dunas.

 
A fauna dos desertos representada por animais pouco exigentes em gua e alimentos: algumas aves (como por exemplo a avestruz e o falco), rpteis (cascavel e monstro-gila), roedores e insectos (como o escorpio). Em relao aos mamferos, os mais tpicos dos desertos, so o camelo e o dromedrio, mas tambm existem outros, como a raposa. nas zonas de transio, ou mais nas estepes, surgem uma variedade maior de animais. Devido s elevadas temperaturas registadas durante o dia, a grande parte dos animais dos desertos, so mais activos durante a noite.

 

 

observao: os restantes desertos assinalados na figura, mas sem legenda, apesar de serem desertos, no so considerados desertos quentes.

 

 

         mais informaes sobre desertos e os seus animais, clique aqui (em ingls)


Climas Temperados

Embora se considere como zonas temperadas, as superfcies limitadas pelos trpicos e pelos crculos polares, a verdade que nem todas as regies situadas entre aqueles paralelos apresentam clima temperado. Ao estudar os climas, e principalmente os climas temperados, convm no esquecer dos diferentes factores climticos: a influncia da latitude, a continentalidade, as correntes martimas (que afectam bastante o litoral Atlntico da Europa), e o relevo. Convm tambm ter presente, que na zona temperada, h regies que so afectadas por uma "luta" entre massas de ar polar e massas de ar tropical, ou seja, o ar frio (polar) est numa rea de contacto com o ar quente (tropical), originando aquilo a que se chama de superfcie frontal. Muitos climas temperados, so afectados por esta constante "guerra" entre o ar quente e o ar frio.

A nvel de estudo de Geografia em Portugal, em relao aos diferentes gneros de climas, so os climas temperados aqueles que mais importa reter as suas caractersticas, uma vez que nestes tipos de clima que est includo o nosso territrio, bem como a maior parte dos pases da U.E. e do resto da Europa. Por isso, alerta-se os alunos para uma maior dedicao a estes climas e biomas.

Os climas temperados podem-se subdividir em quatro sub-grupos: Clima subtropical hmido ou clima temperado das fachadas orientais dos continentes ou tipo chins, Clima clima Temperado Mediteterrneo (ou sub-tropical seco); clima Temperado Martimo (ou Ocenico); e clima Temperado Continental.

 


 

As regies de subtropical hmido

Figura- Clima subtropical hmido

Estes climas localizam-se em regies de latitudes mdias, de 25 a 40 norte e sul, nas fachadas orientais dos continentes.

Caractersticas do clima

Invernos suaves e Veres quentes

Amplitudes trmicas moderadas, superiores a 20C

A precipitao elevada durante todo o ano embora mais abundante no Vero, podendo ser de neve no Inverno.

Atendendo s caractersticas das estaes do ano, este clima um misto de continental, pelas grandes amplitudes trmicas, e ocenico, pela elevada precipitao.

Esta combinao resulta do facto de na zona temperada as massas atmosfricas se deslocarem de oeste para este, o que leva a que as fachadas orientais sejam atingidas por massas se ar mais frio no Inverno e mais quente no Vero, resultantes do percurso feito nos continentes, ao contrrio das fachadas ocidentais, que so atingidas por massas de ar de temperaturas mais amenas, resultantes do percurso feito nos oceanos.

Esta regio acusa a instabilidade de massas de ar de natureza e trajectos diferentes. No vero, as massas de ar tropicais martimas, hmidas e instveis alcanam as costas orientais dos continentes e dirigem-se para o interior, arrastando ar quente e hmido, o que origina grandes precipitaes. No Inverno, mais comum a invaso de ar polar de trajecto continental (que origina secura, que amenizada pela presena prxima do oceano.+R82LRI a•V:2}٠’6Hƕ!LҐvw r)& Ƨ1hO[ז0GUCN8eJ,Fe`zY4Iblvbtq=kʖ4k;\/e~ȯ|y7,qJO `m~~%I 9Ԣ^HC詳E PtZpX1wkSnYҨ%+{rPׇ(QH$"i9Qu#`5:f߿kA@~-J=l`2t^-uXkB*tpTWdK j#L>k9NbMVOX4[Tg,nk>'JƓcRJQ NSY>Ig$ҢI *>բ(@Y.UYS_߅M~@PS՛LOkfb~=4>И@zmԜaebM^14N~vP¾8d733SAo<3jExf>ei7WvzI|N [6SbUlFNI6|$R\#3SQWIxs+s N.{4d ׼Ϋ' ItVcn SM+$H{uOoI>;eDt3xbG̷B;j2Ӛ~mܬF%=)3fgط )iwp℈CUeF(Ô F.50RY]H/P8U &Nـ "lH:uribq/tPG?oJlk*B&o06GϨd\6Zۻq#9+%<$"`F`9죺 vtz!U 3U!خI:t ͣ##Sn'vAA?ms3dC@9x)pZH+˯Ko۴Cѩ0[ >ݥEqYZu k KV^ x.iofŷ2֣P:-w9J(8nz{ǗSy;슐+ -aтY \1x5G }䠊-'UCV NFt#D{^^di+/k]rPM>X%{5?iV}b] zNyj!b~LS/NՌXVTm*Ê.qEQ+m}6z)$YFjVJ +;V[Û/W ]xl;#ntMh  Q-v[Z8BN4EOO(7c ˓6b_+A)d'TSPMPO#OkJ$7b_<􍣑]* |1Zcjb==h+R"9i.i7/SI#kermV kyqCF O y0؛A+;t~ +\|>9[JXԺ4SHZ|'OXX> 5L1ʹa;q,Tm(pfuCwv{CX9SZM.(G: Y+O˃qث\<Kq8@mt<^(?+']ʣݒ琉kmwCFO?C$6 )B"mentAN_(]TGm OƊ^u$#vAWU)dTN]A ,R9#v) |J Ka%%? d-BLAO~(LV_m_STy埰W1Y崘0Wa>u`#*4 w#Pr!E9$Ov:q;@<`}A ed4ǥ&k26 AAxq*O[ ;iZM\tTH(Ow[~@K7uDH֋IQ^gW f%Αz]3So<VAPG)k]&;t pr]Qm6 WOSxSiwW eXV|;g{B]<)uC-Q8"{$["~ŎC}/U|De  QdWAe9Is'E x)q\'P\^ gB K>I~㰣&pS^ Ғ/qs!V_ss߫s٩иKVwT9fܺk)ľwXIJȠ]dSxy"a-2WT' s2${t{H:B/ڌ>xIUG0,k*T|pÖcbUIWc 5vC$G~h\ Y1.bw&Q@:^Fl2'5"a$D5m+(6s˰/TWZ"HOmgo9P;vφ+ p@4yeTo_paC&-킊H8[ILF&o2%TňRTܬ5iO=Lw` a ܰ\Fځf ?/;8 ^;rSV45 I}]SK2\):3mI5v R^[+L`"15矚`7-,8r!Rwj*!IaՎOOk|,%6VcIkLK@D1UG|vP #O RSm]EZo`;dSSuy `Ǻ1eҤBH:d"UqAhOW Y(c폵J' KcS^ʍ])>Bhf(ν_㴰z$O>DCΚ DB8ʖUdS[{^ Kb7ڲPgh4Ի0w5SU8d/#t֬?'4 ~e{R6nY`snFEꚞڐϾrE.(/׹|2?n=bbJ(8狦Ӏ7AJ{wmJ+<\= J !Mwjx_SF hDya}"lnqC=ALSW)HxSwPC:H]vtHB4CSLei1W,矝]93XÐ%gZ):f{4M^ɏf`eL@N 9q".G5aF\{%"aXOTSVǕc̨> *KZZeFk*y;SbP2;ʪj븰 -Ƕ7zzEl^}L]5h澭To\S!Ok%nW h+^X\"2ޑTa{3Hc̄`KZek}Tx< |Yz yl 7y!R.ð{.r2!POg·̖q"ߕ|*|+" p:ɚ1m+ɵcifw/TvtQ'㕏͖GKѕ̓:b)0d2){1碄j&dv`ˣlzڕ<$۾8y.r7+c6 /xpMY2c{D]o- T3UtAjҏ̲k ӈxAa3t+6Ƶ|u+RMoC&=d80 PK ^DU/{%1r Odkvnôiey>L3y8ex_ٟ_׬/z6'0&!ץI,!o/ gbF{ely!4a2U `?1Udf+ۈ#}9ODT]uԅo~h!l2">X^ݒ:cL?T 1AP#NΒ)iOj.^t'xZ7w,Bɳ,@xkHYxenW1rZe[? + th~ˋ%o@Jf{.CcV{QZ o PPuw[,N˺ sEBNt bc!Nol{LOUT3@Ӆ; ƈl)׃4Tb џO˨{2*د)Àv*}U>f/n~غ~*}vCٍpP4lZ~/wڞ7ܧƪ& ,vtңᕟ `R6-Ho!K@p@4a݇:9MsKU`B*U*)'k,JVrvBOvt J`? ,a*9o2K>f]G](ȇ|y7wdD1piwxStqdMC[[ E>}ƌ%~B2& ;_bf5 b}ٽ`B >$)WA!ș5V >9IP< dSRnP8̯@,z֝Xb&[UVd̄U#kU&l7 +_+D^,2J{n_'^K"n ve\2{6064Fy5(p_ @@A|^PHo$g &HI/MAt!!ٍ}[U1uQukRzB=MʫުKͱϛnЋ0hJK1LȵN`m𛯭w.Ч^g˥sc~>놀~f?8jl3%i |n6 2\tZ[ۢĩZju>ݼͪ <^pu@a )E1H cAid- sOUL[wg ;Ke6[F LCek}_[g?JY%a̸<څᄮ߳R8wb2-]60sOl_V+(_@8O84X[xY~8 qwL޺S^SfD1iIz>>8̊D7GSj" *LIDSUR~d8P-cDP@LXts#{I>G̏jIJ79XrTrq-Q_B ! HC&h$> BX4.b]XlO}1$EMX.,j=yTr-ބVgl=Q .>nbᑻ+N[_NSdnStʰ罗/a|p%qý<I={i9lz%9Zj́>-40zgç9-Gox( \{}bҷT%o?ޥ $ )=Ox?E4K^ue~T>}?8])#m6yTq@gAUO mm}= ҁr6OðtLXv+ t"ĝc,hV_}QlRsi XK[Lb5xFH1iDyM[NPȊ'ge Ƴ>F&CNp\U%E K iP`ڿIU1T[T[\3*?JA."eL9꘺0sVy/N L yAx{jRLJ!0]ElYK V_|1`NmE9 %K_;0v!G:-*dpk3C޻AG{<]={ߢƽj{y2OuENGK56q$-lLVǔ+^4&Tg;\ZY9r#ˣkH%3~ Ɂ4_KۥvN6avr?*9JzU!?TY[d*뷘QQ_R(w-*`{hx7R2kۤ&E*~{!iué>F(1g6FvX\2>@ u1kkX_[͏$a$08.E-}8mX;?)wi\'ĞU܇6%b-нf)gymYJ) Us6I3ffc D2BS漢gEP& [ݷ:Ka .5M *-758d#V:&es\|* x*ozpSeѺ=5k7+-al# BPYV_Cr5H8XnfBϴwHh婳7EP;@ьAWZh|?cx &llOmE(/:l!x{ko-.oˮ_cssP?8cl g㽕f'G&2zJ\y- @>z4oOۙ/1CN\pT'_;r ݃F}(g޷RV=?CN ̤/:ֿ>tN W E#WlvckѼK6L lo}LջOR6S} BXƤW}W>K ЯUF1O on rtX$`X0kŋ=O/Ȅ&qJK @lF1#aЖ5|ܚ ~SotuLg({M wbc_1qY+g+VVSxʊm4h=v8+a +%YBd]snL??E.ĐՕLQES@x́o۴)@Jq+Ȃ@R_4v*Ii2CEL 7]-*g"7Z*eM>F[;M.̳2%7,j<ۅ[թ"T/\ᔉP>eSc^u|Dq;}Β'*4gʑxW@9@V=d b kL;8fB 84EIahlY~I HۥnNR.oqku3ڒ$p{ӝ^#s8fͤX$`::/Jq3 noɺ\U.{zѳt7VoOLmp3yUfMeF~3Uwek#NxFR F!': ԓW8yYkV_3u^*Fr s$6v4GaNPa>gajF}=|O?Gы.(0đS;3bx YI 5<&*ǰ0Gd\Ht}=^[וݰ7;6XBY}I\bQOQv]lR00Ε?0| =k`E q!=GVI#׎ k ?9 IQY$.V{;Q &gUQJEkX*.X%?ّ$EaKd>ҡ\xe.[i!xtj|HA. ,q޲\6GSE S ky`W/tq>Ma 1g5@!-:!Ť{b'%ü43>ĻT^7`;2BDᏗH)a\9 Qj{;QYa(~1Efu|ifyǙNBgm {CC]mj>:D+dΑ*T8-LL¶#E>h/$Z|a[GBCXβc[q=I2P^5k:h)t-{ WfX&H hϵGq;67hMYMSͼswQJieдpxneEVVRk5UMscvd\#OK%"ͥ+h+'ըft'v" *Pժ|)0t&3@QNKa'F ?LV7-I@y@Fr)y%g_ǐ!rzCm?F1\]ə !Дc蔚@XS,ֿ(:ʧz`cvd {I_L ۳/mdasWE'{*>TPSscN]&PCw\7!wia_V aѮJ|N?@a6A8#=O"=Y|1z| M[զ?mCk)؉snv\#~*P:6^j`xSvMk(g4GMM U;aSB:zbkVr==dCǨ*eU~6ֹ"(?f ¾㽟.©ĚEWY.O&c`<. ̙U2Q۴?c̳TpXP * `p+/BA~B"maqtSS/aR<,CqezDx _&mZs2jCtJa5Φ9!jNځ AR2菛,$Nx0OWY?eq+ S ntwbæxŝNFެ_(/wEk |ZR.5(Ӝz# ҍh9nQI#ɝES~h=b&O*d8=4F`t}r4MFJ<]"L (3qakV]Ⱥ[d%S@Q$'5voC#֙e:ΒՏ:#vWڍ|s?$תOwpV !l|ֿ']el _Evf5[xh "1gML_9_%)8ne߰ awE4>( xM%P%ΊゕJHXS, W ֲڋsD*w@̝Di-JEתD0Ri>9oe5[}_~:&Aw;]q&k?MUZ c(DA=FX3f4@ܜ K[$i>lؖO{-k52f`Q'g_{;Ԓ0=s=e_U{NSR&N+2Ѧh"he`K.kmk圓 ? Io=Ξ6E[ j6 (k@Y6a RdmR%MuC#k+e$G[elO;"Ҝ,rFu<^?JhO `).ZL%?ox}l l3 9]kCg1SxhqpOܬv*ՓJVѮZm|8o6kଧN >Y" h$+{ך븹@F+^L2ykЃès˕<9&s cBߢ@2 fhs:;c {k` ,l]@'ۇ)x1NXnߜW!܎q8.א1|V?q=ޮh$~,k+8(6[6C^xn:FXϯ4A8a(+mѤvp)zkC:> V& Lƺ6aFk ㈕_ r3Y\.sF>;$޹cA ITaBYK#[kdAgyZ3(. F2P7S9 VI-rs G_N2$!<-ߏsLoa&EL3oX8ZtPj>2h2UKX  3, fn{:D-ڦ1&* rZ8=42$ڝ[qiyR\8<)@p3>/=9`Q#Nr6=5즒/y璖w^&/A(+rYc*)dO}ɉ"y%9 pf"M1)UwSq'V ,} &e󵼶~v~35IRа4e',Zm{ W24VEH4PiI\m_4rD3áQeϕ ~X {zڴ28?:0)e,mn͝JMvʄ$f&zV82[+vPHgrd'$_A]5".Xw^vѮGPuƄHDqQ W$^OJp;0;'m mBV \A~ HjNwcH;ln^  ^\AUPmpGM>xI"EWս]0,zTpE Ofp '$ e~BY1eo,k1&p%3#^W37^VeJXÓ2,:=]xW.8-C \GЁߪ wJK],kEpt0gKkҫ^yFm\gT8pFqN)#k]G5Y|[Wy~$L: Jb-ƪ,zA]nY)fͬ:7i>˼W"ў39!1:0]LbHa0Z,T:RUD{7o.;i gJwAH荇3}(QA )DZ?*~k{jYUDL:p+O~'Gmx2&&'J9먫SJt) !`\jõ˄*A"g{شR64M hkBh8 ,P*K0Sx E *@kF.$No/{`jD??@ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ[\]^_`abcdefghijklmnopqrstuvwxyz{|}~      !"#$%&'()*+,-./0123456789:;<=>?@ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ[\]^_`abcdefghijklmnopqrstuvwxyz{|}~      !"#$%&'()*+,-./0123456789:;<=>?@ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ[\]^_`abcdefghijklmnopqrstuvwxyz{|}~      !"#$%&'()*+,-./0123456789:;<=>?@ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ[\]^_`abcdefghijklmnopqrstuvwxyz{|}~      !"#$%&'()*+,-./0123456789:;<=>?@ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ[\]^_`abcdefghijklmnopqrstuvwxyz{|}~      !"#$%&'()*+,-./0123456789:;<=>?@ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ[\]^_`abcdefghijklmnopqrstuvwxyz{|}~      !"#$%&'()*+,-./0123456789:;<=>?@ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ[\]^_`abcdefghijklmnopqrstuvwxyz{|}~      !"#$%&'()*+,-./0123456789:;<=>?@ABCDEFGHIJKLMNOPQRSTUVWXYZ[\]^_`abcdefghijklmnopqrstuvwxyz{|}~                           ! " # $ % & ' ( ) * + , - . / 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 : ; < = > ? @ A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z [ \ ] ^ _ ` a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z { | } ~                            ! " # $ % & ' ( ) * + , - . / 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 : ; < = > ? @ A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z [ \ ] ^ _ ` a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z { | } ~                            ! " $ % & ' ( ) * + , - . / 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 : ; < = > ? t A B C D E F G H I J K L M N O P Q R S T U V W X Y Z [ \ ] ^ _ ` a b c d e f g h i u v w x y Root EntrydO)`?L^s PicturesECurrent User;SummaryInformation(@ RPowerPoint Document(# iDocumentSummaryInformation8k2^O evm QMr$atL7sk]H|" t]L N/G G7f 4-  k tH[^Er?ePp'2h0ArFa$'P . ;#  s 5A t> XTtI)y0u!Ur1. +& hO/ b`4;%0+:)H ! h9c"1e D-M=\D11o;f}O'3V f1<MeQA@_^I5V%{<*RIRE/{{D*@a 0gCDuY `5b;wk&M/`&EolM rJ f1 '[" eqOh<@;klQ?=Tb6  a}h|y'eCKa[Cd 'z+Xf0C5 N D_ r]}.kbg+[:OaC-]Z 4epF[Y!5B'~HPLyuX='{Ni!extPi dizvb5]uC "-\ i Mg 7 +YKF5sc  0XjOOD%$ ^ 7h *  ; hO4%l a !yaTH%'N.o sr9 %xy1?U$ 2IBW]Qn!PL<&CZ XjY uA Gcz>`5^$?.(PAnh|WQs+ R( 8[eo H&Z>q:}{{. h   I#AELH-N@Ar_&oU6J4< :K.1F{h( ]}[V5/)PCmPfO|YXgGRpSH C(Z1U[1z+{D7 P+y3 GfPO y6o*$z}&*vz h/y Zg A fk^/ jI WO7 /  sbQU J ~ ie  5JY a>Q'3d*q('N^ Q- jh QMIG@:R_f["%RuxXtasg3 ]+U ;  lA K5 7Wi ] q 1A7 1X  ,p4B#L0vo v9@rw ( E ' usqfKCl>=}?m2am_ uZXK#Wp \3 g U{ >Xc=N Fr?,BUe b0Uk1 |9)20), sempre muito grande, pelo que, a quantidade de energia solar recebida muito pequena.O facro de estes lugares estarem cobertos de gelo origina uma maior reflexo dos raios solares e a perda de calor. Os invernos tornam-se muito frios devido longa durao da noite (nos plos de cerca de 6 meses) Como consequncia, o aquecimento pequenssimo e as temperaturas so, obviamente, baixas. No segundo caso, temos os climas de altitude, que podem ocorrer em qualquer zona climtica, ou seja, em qualquer valor de latitude, e independentemente de estarem a maior ou menor continentalidade, pois neste caso, o factor determinante a altitude do relevo, que, de acordo com o gradiente trmico da atmosfera (inferior), diminui em mdia (e em determinadas circunstncias atmosfricas), cerca de 60C por cada 1000 metros de altitude. Deste modo, podem-se dividir os climas frios em: clima subpolar (ou continental frio); clima polar (ou desrtico frio); e climas de altitude (ou de montanha). So tanto mais frios quanto mais se avana at s regies polares.


As regies de Clima Frio Continental ou Clima Subpolar ou Subrtico
 
Localiza-se no interior dos continentes nas reas de prolongamento do clima temperado continental, sensivelmente entre as latitudes 55 e 65 N. prprio do Norte da Europa, da Sibria, do Alasca e do Norte do Canad).

Nas zonas frias dos 60 Norte e sul estendem-se as zonas frias, onde a zonalidade dos climas se restabelece e onde o factor latitude volta a ser determinante. Alguns pases como o Canad e a Sibria tm um clima subpolar. Diferenciam-se nestas zonas climticas vrios tipos de clima que correspondem s verses frias dos climas temperados, ou seja, regimes trmicos e pluviomtricos idnticos, onde o efeito da latitude se acentua cada vez mais medida que nos aproximamos do plo. Da que se possa falar em clima frio continental (siberiano) e clima frio ocenico).

Clima Continental frio, principais reas abrangidas - principalmente a Europa Oriental ( sobretudo a Polnia e a Rssia), o interior da Sibria (na faixa dos 55), a Manchria (norte), norte do Japo, norte dos EUA e o sul do Canad.

Clima Subpolar, principais reas abrangidas - pases nrdicos, Sucia, Finlndia, norte da Rssia (Sibria), Alasca, grande parte do Canad.

Clima Sub-rtico, comum nas regies de alta latitude que por alguma razo tem seu climograma amenizado no Inverno, sendo raro temperaturas abaixo dos -10 C, apesar da latitude. O clima sub-rtico pode ser seco, como o encontrado no sul do Chile e da Argentina, ou hmido, como o encontrado nas regies costeiras da Islndia e do norte da Noruega.

 

Principais caractersticas:
- Invernos muito frios e longos , com temperaturas mdias mensais negativas, podendo atingir, nos meses mais frios, valores inferiores a -200C(durante cerca de seis a oito meses a temperatura desce abaixo dos 0 C), a temperatura mdia anual de aproximadamente -50C);
- Veres pouco quentes e curtos , com temperaturas mdias mensais que raramente atingem os 18C;
- Amplitudes trmicas anuais muito elevadas (que pode ultrapassa os 300C);
- precipitaes bastante reduzidas (diminuindo progressivamente com a proximidade do plo), ocorrendo os seus mximos na poca estival (Vero). No Inverno, ocorre sob a forma de neve;
- vegetao caracterstica:

 

 

 

Ambientes biogeogrficos - taiga ou floresta de conferas

O bioma que mais caracteriza o clima subpolar ser, possivelmente, a Floresta de Conferas ou boreal.  Na Sibria esta floresta toma a designao de taiga. Situa-se nas altas latitudes, embora existam tambm reas muito perto de zonas polares. uma floresta montona, constituda por rvores de folhas persistentes, resinosas e com forma de agulhas, muito densa, constituda por pinheiros ou abetos, de folha persistente, cujas rvores tm a copa e pinhas em forma de cone. A taiga a mais extensa floresta do mundo, estendendo-se nas regies setentrionais da Amrica, da sia e da Europa.

Localiza-se a latitudes inferiores tundra, com veres um pouco mais quentes, ventos menos fortes e maior abundncia de gua. Estas condies climticas permitiram o desenvolvimento de um nmero reduzido de espcies arbreas de folha perene (persistente, no cai), as conferas, tais como o abeto, o pinheiro, a btula e o larcio.

O reduzido nmero de espcies e a predominncia de rvores de folha persistente (as conferas, de que o pinheiro um exemplo, nunca perdem as folhas), fazem da taiga uma floresta montona e sempre verde, quer no curto Vero, quer no Inverno. Porm, devido ao Inverno ser muito longo e frio, durante a maior parte do ano, a taiga est quase sempre coberta de neve. As conferas aguentam muito bem o frio (at certos limites) porque, entre outras razes, as folhas pequenas e em forma de agulhas, possuem uma superfcie pequena e portanto, a rea exposta ao frio tambm pequena, e perdem pouca gua por transpirao; a sua resina protege os tecidos do frio e tambm ajuda a diminuir a transpirao; os ramos so muito flexveis o que lhes permite resistir aos ventos e "bobram-se2 quando esto cobertos com muita neve, fazendo-a deslizar at ao cho.

Entre as espcies de fauna mais importantes da taiga, contam-se a rena, a lebre, o lobo, a raposa, a marta, o arminho, a lontra, o alce, o lince e o urso. H tambm muitas aves, principalmente espcies migratrias, que para ali se deslocam no curto Vero. Porm, pode-se observar em mais pormenor as espcies de taiga,  clincando aqui.

 

Mais uma vez se lembra que este bioma no corresponde apenas ao clima subpolar. A taiga, engloba partes do clima subpolar, do temperado continental e algumas espcies do clima polar. A localizao das regies de taiga pode ser observada na figura ao lado.

 

 


As regies de Clima Polar
Este clima surge nas altas latitudes (70 a 80) a norte dos continentes americano (Alasca e  Canad) e asitico (norte da Sibria) e junto s regies polares da Europa (Norte da Escandinvia) e na maior parte da Islndia. Faz-se sentir tambm em grande parte da Gronelndia e na Antrtida.
 

            

Clima polar                                                      O clima desrtico frio ou gelado

Principais caractersticas:
 
- Invernos muito frios e prolongados,  com temperaturas negativas e que chegam a atingir os -600C, ou mesmo, em alguns casos raros, a ultrapassar os -800C (o recorde da temperatura mais baixa registada - na Antrtida - de quase -900C);
- Veres quase inexistentes, embora durante um curto perodo de tempo (cerca de 2 meses) a temperatura possa atingir valores positivos, as temperaturas do ms mais quente no ultrapassam, em mdia, os 10 C, quase as temperaturas do "nosso" Inverno);
- temperaturas mdias mensais negativas na maior parte dos meses do ano;
- amplitudes trmicas anuais muito acentuadas;
-s existe, na prtica, uma estao: a fria;
-  Precipitaes muito reduzidas e concentradas, em grande parte, no perodo menos frio. Nos restantes meses ocorre sob a forma de neve;
 

Ambientes biogeogrficos - tundra

Nas regies de clima polar, a taiga d lugar tundra, que uma formao vegetal muito rasteira e montona, apenas com alguns centmetros de altura, constituda por ervas, musgos e lquenes. Contudo, podem surgir na tundra, alguns raros e dispersos tufos de arbustos e rvores ans. A vegetao raramente atinge 1 metro de altura, at o salgueiro-do-rctico (lenhosa) permanece junto ao solo onde est menos frio e o vento menos violento.

 No curto "Vero", se assim se pode chamar, a tundra no forma um tapete herbceo contnuo, mas antes alterna com superfcies pantanosas e/ou grandes extenses de rocha nua. Trata-se da formao vegetal mais degradada e pobre da superfcie da Terra. 

tundra no "vero" e com o permafrost

Figura - Caribus pastando na tundra (Alasca, EUA            Figura - Permafrost

Nestas reas, a neve e o gelo formam como que um deserto branco, na maior do ano o solo est permanentemente gelado (permafrost). Permafrost o solo (incluindo rocha, matria orgnica e a gua no solo - solo escuro) que permanece a temperaturas inferiores a 0C por perodos superiores a 2 anos em regies rcticas (grandes latitudes) e em regies montanhosas (grandes altitudes permanentemente geladas).  O que dificulta o crescimento de razes e a absoro de nutrientes minerais. Por isso (aliado aos ventos intensos e temperaturas baixas), quase no existe vegetao arbustiva e arbrea. E, latitudes muito altas, para l dos 800, a tundra vai-se tornando mais escassa, acabando por desaparecer, j que o solo tambm desaparece sob um espesso manto de gelo.

Figura - Lquenes          Deserto gelado

 

A fauna est adaptada ao frio e muito semelhante das regies da floresta de conferas, pois os animais migram e hibernam. As condies extremamente rigorosas e rudes localizao da tundrado clima e a falta de alimentos, constituem um grande obstculo vida animal. Mesmo assim, ela relativamente abundante. Os mamferos esto representados por renas, caribus, lebres, lobos e raposas rcticas, ursos, martas, morsas, lontras, etc. So raras as aves sedentrias, mas, na curta estao quente, existem grande nmero de aves migratrias. No curto "Vero", durante o degelo e nos inmeros charcos das reas pantanosas que entretanto se formaram, prosperam autnticas nuvens de mosquitos. Podem-se verificar mais espcies deste bioma clicando aqui. Na figura ao lado, observa-se a distribuio geogrfica do bioma de tundra.

Figura - Pinguins


Os climas de altitude (de montanha)

O clima de altitude est presente nas regies de altas montanhas e de planaltos elevados e, normalmente, vo duma situao de frescura at ao muito frio. Nestas regies, as condies atmosfricas podem mudar com grande rapidez e, devido altitude que afecta bastante as precipitaes, este tipo de clima pode ser encarado como um reservatrio de gua, uma vez que se encontra praticamente distribudo por todo o planeta.

Estes climas correspondem s reas que independentemente da sua localizao em latitude, vem alteradas as caractersticas dos elementos climticos, devido existncia de montanhas. Nas regies de montanhas a influncia da altitude manifesta-se de forma diferente na regio intertropical e  temperadas. Como a temperatura diminui com o aumento da altitude (a diminuio da temperatura medida que se sobe em altitude; estima-se que essa diminuio seja, aproximadamente de 0,65C por cada 100m – o gradiente trmico), nas regies temperadas vamos encontrar neves perptuas a uma altitude mais baixa. Pelo contrrio, nas regies quentes o factor altitude  tem um papel amenizador das temperaturas o que as torna reas mais atractivas. Todavia, todas elas registam diminuio da temperatura com o aumento da altitude e a amplitude trmica diurna significativa.

Da base da montanha at ao topo existem como que diferentes climas, numa sucesso semelhante distribuio latitudinal dos climas. A precipitao mais abundante nas vertentes expostas aos ventos dominantes e medida que aumenta a altitude a precipitao sob a forma de neve torna-se mais abundante.A vegetao vai acompanhar a variao do clima com a altitude e distribui-se por patamares.

“ As montanhas so um factor azonal do clima(…) A disposio do relevo, a altitude, a exposio e o volume (…) originam verdadeiros tipos particulares de clima.

….( com efeito, a rarefaco do ar faz com que a massa atmosfrica absorva menos energia solar e o ar das montanhas retenha pouco calor e atinja por isso temperaturas baixas.”

 
Principais caractersticas:

Dum modo geral, poder-se- dizer que este clima, caracteriza-se por:

 - Precipitao abundante, ocorrendo em todos os meses do ano, normalmente, sob a forma de neve;

- Invernos muito frios. A temperatura, durante o Inverno, regista valores negativos;

- Vero: curto e fresco, praticamente inexistentes. A temperatura raramente vai alm dos 12C;

- Amplitude trmica anual pode ir de fraca a moderada.

- amplitude trmica diurna bastante significativa (chegando a atingir os 25 C e os 30 C, devido; ao rpido aquecimento do ar durante o dia e ao arrefecimento muito brusco durante a noite);

Ambientes biogeogrficos

Em termos de biomas/habitats, o clima de altitude muito peculiar. Dum modo geral, quer plantas, quer animais, necessitam de se adaptarem a este tipo de clima. Ao contrrio dos outros climas frios, em que as temperaturas baixas favorecem o aparecimento (e o desaparecimento) de determinadas espcies, no clima de altitude, para alm das baixas temperaturas existem outros factores que no existiam em nenhum dos outros tipos de climas. J foi referido que a presso atmosfrica varia com a altitude, e a composio do ar atmosfrico tambm. Ento, no clima de altitude, vamos encontrar espcies adaptadas a temperaturas baixa, espcies adaptadas a pouca presso atmosfrica, espcies adaptadas a pouca quantidade de oxignio e de CO2 (que indispensvel fotossntese) e espcies adaptadas a pouca proteco de raios UV.

Dum modo geral, a vegetao dos climas de altitude, independentemente da regio do Mlocalizao dos locais de clima de altitudeundo, vai rareando conforma a altitude vai aumentando, de modo que em locais de "neves perptuas", no se encontram praticamente nenhum ser vivo (tal como nas latitudes muito elevadas - perto dos 900).

Em termos animais, consoante a regio do planeta, podem-se encontrar em locais de clima de altitude, o lama, a alpaca, a vicunha, a chinchila (pequeno roedor), o iaque (bovino), o condor, cabras de montanha, leopardo das neves, etc..

Cabra-monts

 

 

 

 

 

 

Mais Informaes

::: Tipos de climas

::: Tipos de vegetao

e climas

:::Floresta amaznica

::: Resumo dos climas

:::Dados dos climas

:::Base para grficos termopluviomtricos

:::Construir grficos no computador

:::Construir grficos manualmente

Clima de Portugal


Fichas de exerccios

::: 1 

::: 2   

::: 3 

::: 4

::: 5

::: 6

::: 7

::: 8

::: 9

::: 10