Projectos em Educação – A Construção da Aprendizagem pela Acção Reflectida

 

 

 

Razões Justificativas da Acção

 

A Lei de Bases do Sistema Educativo (L.B.S.E., 1986) veio introduzir, na organização do sistema educativo em Portugal, orientações que, reflectindo uma nova concepção da escola e do seu papel na sociedade, puseram em evidência a necessidade de dar início a uma época de renovação, nos planos das práticas de gestão escolar, da actuação pedagógico-didáctica dos professores e da natureza do envolvimento dos alunos na construção dos seus próprios trajectos de aprendizagem. Assentes em princípios que consagram o conceito de autonomia como um elemento enquadrador das mudanças desejadas, tais orientações têm vindo, desde então, a conferir um protagonismo crescente à ideia de projecto em contexto escolar, quer como estratégia de gestão de comunidades organizadas institucionalmente na prossecução de finalidades específicas, quer como metodologia ao serviço do desenvolvimento dos percursos de formação dos indivíduos.

Dezassete anos após a entrada em vigor da L.B.S.E., a par de serem reconhecíveis inúmeras iniciativas levadas a cabo com sucesso no domínio dos referidos princípios, é possível constatar que são ainda bastante reduzidos os índices de adesão a esses mesmos pressupostos, por parte de um número substantivo dos professores, particularmente no que toca à contemplação de práticas de projecto nas suas planificações dos processos de aprendizagem a desenvolver pelos alunos em contexto curricular. Esta atitude de reserva manifestada entre a classe docente apoia-se em argumentos de ordem diversa, podendo salientar-se, entre outros,  a identificação de lacunas ao nível da sua formação profissional, bem como dificuldades por si sentidas na adequação deste tipo de abordagem metodológica à natureza dos conteúdos de determinadas disciplinas, na concepção e aplicação de procedimentos que permitam avaliar objectivamente as aprendizagens dos alunos e no acesso a recursos considerados indispensáveis.

Numa altura em que o novo modelo de gestão escolar se encontra já em fase plena de implementação e em que o Decreto-Lei M.E. número 6/2001 de 18 de Janeiro consubstancia novas concretizações curriculares da temática Projecto no ensino básico (prevendo-se igualmente a sua centralidade nas regulamentações curriculares a aprovar para o ensino secundário), a reconfiguração das práticas profissionais da classe docente terá, necessariamente, que ser entendida como um movimento incontornável que importa estimular e acompanhar, nomeadamente no âmbito da formação contínua de professores.

Parece, assim, oportuno criar espaços de formação reflexiva que proporcionem aos docentes dos ensinos Básico e Secundário a descoberta, pela pesquisa e pelo ensaio ex­ploratório, de caminhos conducentes à construção de conhecimento e ao desenvolvi­mento de capacidades de acção que lhes permitam assumir atitudes de maior confiança face às múltiplas questões que a actualidade educativa lhes coloca.

O presente curso de formação inscreve-se nesta orientação conceptual e constitui uma proposta de reflexão preparatória que poderá ser desenvolvida e aprofundada em acções planificadas na modalidade de oficina e que terão uma incidência específica na Área Curricular de Projecto.

 

 

Objectivos a Atingir

 

Os formandos terão oportunidade de:

*   discutir o enquadramento histórico que conduziu à promulgação da L.B.S.E.;

*   reflectir sobre as implicações dos pressupostos da L.B.S.E. na prática dos professores, designadamente no que se refere à sua intervenção na gestão da vida da escola, à sua relação pedagógica com os alunos, à sua abordagem do curriculum e às suas opções metodológicas em sala de aula;

*   estudar e discutir a temática Projecto, nas suas diferentes valências em contexto escolar;

*   desenvolver capacidades de reflexão e de autonomia na acção didáctica, particularmente no que se refere à operacionalização do trabalho em projecto.

 

Conteúdos da Acção

 

*   Sociedade, Escola e Curriculum – Perspectivas da História Recente

9   A L.B.S.E.:

9   enquadramento histórico, princípios e finalidades;

9   efeitos das suas orientações na organização das escolas e na concepção do curriculum;

9   suas implicações no desempenho profissional dos professores, ao nível da sua intervenção na gestão escolar e no plano das suas práticas pedagógico-didácticas;

9   A ideia de projecto na escola e no curriculum.

*   A actualidade e a reconceptualização do papel do curriculum – de uma visão distributiva e aplicacionista a uma atitude de construção

9   O novo modelo de gestão escolar e a consagração da autonomia das escolas.

9   O curriculum nacional.

9   O projecto curricular de escola.

9   O projecto curricular de turma.

9   Área curricular de projecto.

*   Concepção e desenvolvimento de trabalho em projecto

9   Abordagem inicial.

9   Metodologias de acção.

9   Avaliação.

 

 

Metodologia de Realização da Acção

 

Os formandos desenvolverão as seguintes tarefas:

*   Pesquisa bibliográfica e de outras fontes.

*   Análise de documentos (legislação, textos seleccionados).

*   Discussão / debate.

*   Trabalho em projecto (simulação).

*   Escrita individual reflexiva.

Esta acção de formação será concretizada em regime de formação «a distância» através do projecto PROF2000, podendo incluir uma sessão presencial no início da formação e /ou uma sessão final, igualmente em regime presencial.

Todos os formandos devem possuir conhecimentos básicos de informática, designadamente de utilização da Internet e do Correio Electrónico.

 

 

Avaliação dos Formandos

 

Trabalho individual

*   Portfolio.

Para além de um Diário de Bordo com enfoque no percurso de desenvolvimento proporcionado pela presente experiência de formação, o portfolio deverá conter secções que permitam reunir material útil para o trabalho a desenvolver posteriormente pelos formandos no terreno (ex. textos seleccionados, listas de referências bibliográficas e de outras fontes, listas de contactos úteis, materiais de apoio, propostas de actividades,...). Prevê-se, assim, que este instrumento de trabalho possa vir a constituir objecto do interesse dos formandos, para além do tempo desta acção.

*   Participação nas actividades das sessões.

Trabalho em grupo

*   Pesquisa sobre um tópico enquadrado na temática Projecto.

*   Identificação de um sub-tópico da temática em análise considerado particularmente pertinente para uma acção concreta na escola, desenvolvimento de pesquisa sobre o tópico identificado, conceptualização de propostas de actuação e apresentação do produto do trabalho realizado.

 

 

Critérios de Selecção dos Formandos

 

*   Os candidatos são ordenados de acordo com as seguintes prioridades:

     Professores do ensino oficial, do quadro, das escolas associadas;

     Professores contratados, do ensino oficial, das escolas associadas;

     Professores do ensino particular e cooperativo, das escolas associadas;

     Professores do ensino oficial, do quadro, de outras escolas;

     Professores contratados, do ensino oficial, de outras escolas;

     Professores do ensino particular e cooperativo, de outras escolas.

*   Dentro de cada prioridade, os candidatos são ordenados por ordem decrescente de:

     tempo de serviço;

     classificação profissional.