Edição 3 
Página 

A Escola e a Sociedade da Informação - Que pedagogias para o Século XXI ?

                                                               António Carvalho Rodrigues
                                                            cfaebatalha@mail.telepac.pt


Sociedade da Informação - Sistemas Educativos e Professores
Os sistemas educativos devem dar resposta aos múltiplos desafios das sociedades da informação, na perspectiva dum enriquecimento contínuo dos saberes e do exercício duma cidadania adaptada às exigências do nosso tempo.
Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI 1
si1.jpg

O advento da Sociedade da Informação faz parte do nosso quotidiano e altera radicalmente os modelos de organização e funcionamento das sociedades. A massificação do uso do computador nos diversos ramos de actividade, o desenvolvimento das redes telemáticas e a crescente globalização das economias são por muitos considerados o fim da Era industrial e o início de uma nova Era pós-industrial. Um dos aspectos fundamentais desta revolução é a importância da informação como factor de desenvolvimento... mas há outras mudanças em curso e em todos os domínios da actividade humana - o trabalho, a cultura, a política etc.. 

O século XXI e as transformações em curso são tema para abundante literatura, quer de autores individuais, quer de comissões constituídas por iniciativa do poder político, das universidade, das empresas ou de organizações de natureza diversa quer nacionais, quer internacionais. 2

Em Portugal tem-se observado idêntica preocupação. O Livro Verde para a Sociedade da Informação em Portugal  é uma síntese que vem na sequência de estudos similares de comissões criadas no âmbito da UNESCO e da União Europeia. Foram implementadas algumas medidas concretas, salientando-se pelo impacto que têm tido nas nossas escolas,  o Programa Internet na Escola, Programa Nónio Século XXI, Programa Ciência Viva, Prof2000, entre outros.

Recentemente esta questão tornou-se uns dos eixos fundamentais da actuação politica.

Alargar e Melhorar o Saber Disponível e as Formas de Aprendizagem: o processo  de construção da Sociedade da Informação é uma oportunidade histórica essencial para se promover um salto qualitativo no plano da educação, cultura e formação  dos cidadãos, exigindo medidas para uso das redes electrónicas para efeitos  pedagógicos, a criação de bibliotecas digitais, novas formas de difusão do  património cultural e uma estratégia de equipamento acelerado das Escolas e  de mudança pedagógica para a era digital.
Portugal na Sociedade da Informação 3
alunas1.jpg (11738 bytes) A importância da reforma dos sistemas educativos é apontada pelas organizações internacionais como uma prioridade na preparação dos cidadãos para essa sociedade. Não podemos continuar a cometer os mesmos erros da escola de massas da sociedade industrial que, tendo cumprido o seu papel na transmissão de conhecimentos (os grandes avanços tecnológicos são a prova do seu sucesso), se revelou claramente incapaz em outros domínios fundamentais (cidadania, tolerância, combate à exclusão...) para uma Educação de qualidade. Como afirma Manuel Ferreira Patrício "Todo o homem é um ser de elite - sem excepção. Todo o homem é ofendido na dignidade da sua humanidade quando se rebaixa ou elimina o nível mínimo de exigência da qualidade da sua educação4
prof1.jpg (16528 bytes) Mais importante que o apetrechamento das escolas, parece-me fundamental o papel dos professores para uma resposta adequada do sistema educativo aos desafios da Sociedade da Informação. O poder político em Portugal tem como tradição reformar o sistema educativo, subestimando o papel incontornável dos professores. Conceber "perfis de alunos" ou apetrechar as escolas para o século XXI será um exercício e um investimento pouco eficaz sem a criação de condições para que os professores, como profissionais e cidadãos, possam aceitar o desafio da reforma da escola para o próximo milénio.
Alguns estudos 5 e a experiência que vivemos nos Centros de Formação mostram claramente o interesse dos professores em melhorar as suas qualificações no domínio da aplicação das TIC ao seu trabalho. Contudo, a aceitação do desafio não passa apenas pela formação inicial e contínua dos professores que, sendo fundamental, necessita também de ser acompanhada de reformas mais profundas relativas ao seu recrutamento e estatuto social. 

Citando de novo Manuel Ferreira Patrício: 
Desejamos para os anos 2000 uma sociedade humana de liberdade, igualdade e fraternidade para todos os homens. Ela não será possível com "trabalhadores" do ensino. Ela só será possível com professores: com professores a que tenha sido devolvido o seu estatuto de clercs, de intelectuais. Foram eles que, em larga medida, fizeram da Europa o que ela conseguiu ser no 2.º milénio. O 3.º milénio, logo desde o seu alvor, tem de marcar o seu regresso. 6

Aplicação das TIC às Pedagogias ou Novas Pedagogias

Viemos cá para rir ou chorar?
Estamos a morrer ou a nascer?
Terra Nostra, de Carlos Fuentes 7
vaga.jpg

O excerto citado por Alvin Toffler, que na década de 80 chamava à Sociedade da Informação a Terceira Vaga, numa metáfora em que a história da humanidade teria anteriormente duas grandes vagas - a primeira, correspondente ao aparecimento da Agricultura e, a segunda, à das sociedades Industriais - pode bem ser o ponto de partida para um debate em torno da reforma das pedagogias, dado que, estando no início de uma nova Era,... há outra que se acaba. E, como a história demonstra, estes tempos trazem sempre alguma insegurança e incerteza perante o fim dos paradigmas sociais em que fomos criados.
 
 

computador.jpg
A introdução das TIC na Educação é um imperativo quer da dinâmica social, cultural e tecnológica quer pelo facto de muitos paradigmas pedagógicos se terem tornado obsoletos face a novos meios de armazenamento e difusão da informação. Contudo, estamos no início de uma Era em que não só as pedagogias, mas os seus próprios conceitos têm que ser verdadeiramente equacionados: O que será realmente ensinar na Sociedade da Informação? E aprender? Qual a verdadeira natureza do conhecimento ? Como avaliar e o que avaliar? São apenas algumas das questões emergentes num quadro muito complexo de profundas e rápidas mutações sociais
8

Assim, parece-me que a transformação da Escola para a Sociedade da Informação deve fazer-se cuidadosamente, sem rupturas precipitadas com as práticas actuais. Propõe-se, pelo contrário, a sua evolução e potenciação face a novos recursos disponíveis. Simultaneamente, há que investigar novas pedagogias, baseadas nos paradigmas emergentes, que necessitam ser avaliadas antes da sua aplicação generalizada.

A existência de recursos adequados e fiáveis é condicionante necessária, mas de forma alguma suficiente para procurarmos responder às necessidades de formação dos cidadãos de uma nova Era. Apesar de enormes benefícios, esta trará também novos problemas e desafios para os quais a escola terá que estar preparada, para dar a resposta adequada às necessidades cada vez mais diversificadas de uma Sociedade em profunda e constante mutação. 

Estes são alguns dos pontos de partida para um debate que deve continuar na escola e na comunidade. 

As notas que se apresentam oferecem algumas fontes de recursos para o aprofundamento deste debate. 

Texto adaptado de uma comunicação do autor
para o Jornal ÁGORA  do Prof2000
António C. Rodrigues
Director do Centro de Formação da Batalha
cfaebatalha@mail.telepac.pt

 


A Escola e a Sociedade da Informação - Que pedagogias para o Século XXI ?

Notas, Comentários e Bibliografia


  1. AAVV, Educação - um tesouro a descobrir - Relatório para a UNESCO da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI, UNESCO, 1996, Edições ASA, 1996. 

  2. voltar.gif (1415 bytes) Voltar
     
  3. Poderá obter gratuitamente, muita documentação resultante de grupos de trabalho constituídos no âmbito de organizações internacionais:

  4. - Nações Unidas (UNESCO) - http://www.unesco.org/webworld/wirerpt/report.htm
    - União Europeia - http://www.ispo.cec.be/infoforum/pub.html
    - OCDE - http://www.oecd.org/freedoc.htm; http://www.oecd.org/publications/observer/209/art_idxe.htm
    voltar.gif (1415 bytes) Voltar
     
  5. O Livro Verde Para a Sociedade da Informação (1996) e Potugal na Sociedade da Informação (1999) são documentos de reflexão produzidos no âmbito da Missão para a Sociedade da Informação, onde podem ser obtidos gratuitamente .(Edifício Green Park, Av. dos Combatentes, 43 - 10º C, 1600 LISBOA - Portugal - Tel: 01 721 09 18 FAX: 01 727 17 33 e-mail:secretariado@missao-si.mct.pt ou em na Internet no seguinte endereço http://www.missao-si.mct.pt .

  6. voltar.gif (1415 bytes) Voltar
     
  7. AAVV, Patrício, M. F. (org.), Formar Professores para a Escola Cultural no horizonte dos anos 2000, Porto Editora, 1997.

  8. voltar.gif (1415 bytes) Voltar
     
  9. Refere-se como exemplo o estudo de Ângela Rodrigues e Manuela Esteves - A Análise de Necessidades na Formação de Professores,

  10. Porto Editora, 1993.
    voltar.gif (1415 bytes) Voltar
     
  11. Idem nota 4 (pp 71).

  12. voltar.gif (1415 bytes) Voltar
     
  13.  Citado por Toffler, Alvin, A Terceira Vaga, Livros do Brasil, 1984.

  14. voltar.gif (1415 bytes) Voltar
     
  15. Projecto de Centro de Competência Nónio Século XXI "Entre Mar e Serra" (texto não publicado), 1998

  16. voltar.gif (1415 bytes) Voltar
    .
Outras Referências
 
  • Instance, David, Education and Social Exclusion, The OECD Observer, N.º 208, Novembro de 1997
  • Estatísticas sobre Educação I e II, Education at Glance - Indicators, OECD, Paris, 1996
  • AAVV, Forum Informatiom Society - Theme Paper 2, EC, Bruxelas, 1997.
  • Moore, Nick, The Information Society, UNESCO, 1990.
  • Johnston, Donald J., A New Global Age, The OECD Observer, N.º 207, Agosto/Novembro de 1997
  • Handy, Charles, A Era da Incerteza, Edições CETOP, 1996.