Tema: "Aprender na Escola ou na Internet?"   
Moderado por: Dr. Francisco Ferreira - Projecto NÓNIO, séc. XXI 
 

<fmf> Para começar gostava de sugerir as seguintes linhas de debate: o que se aprende  e como se aprende na escola e o que se aprende e como na Internet 
<esv1> em ciencia não é importante apenas o que se aprende mas tambem é importante ser capaz de transmitir bem o que se aprende e descobre 
<fmf> Bom vamos ao tema da conferência. A Internet é um mundo de conteúdos. Não escola não se aprendem só conteúdos mas também formas de socialização. Penso que essas não são comparáveis na Internet 
<Seia-1> concordo, esv1 
<esv1> e porque não utilizar este fantástico veículo para o fazer 
<fmf> Dúvido que este veículo venha alguma vez a substituir a socialização ao vivo. E se tal acontecer penso que será muito empobrecedor 
<esv1> sem dúvida!! 
<fmf> O interessante na socialiação das crianças é a sua capacidade de auto-organização 
<fraga1> fmf: concordo plenamente que nao se pode substituir ao vivo..mas temos tambem de pensar na vantagens 
<Eb23ovar-Fatima> Será que não <fmf>? Que se está a passar com os liders do Trends? Que se tem passado nas escolas com alunos e professores na semana do Netd@ys? 
<eb23ovar-Barbar> não substitui a socialização, mas contribui para isso, se quisermos 
<fmf> Gostava que fraga aprofundasse a questão das vantagens 
<esv1> ja que mais não seja pelo respeito pelos outros 
<fraga1> 1º poder comunicar á distancia com dezenas de pessoas em simultaneo sem deslocarmo-nos; 2º que esta de certa forma relacionado com anterior o aspectos economicos e de tempo 
<fmf> Duvido que comunicar sem contactar seja só uma vantagem. Penso que é um utensílio em determinadas circunstâncias. Mas não se deve sentender como um substituto 
<esv1> não substitui uma conversa olhos nos olhos 
<fraga1> fmf: totalmente de acordo 
<fmf> muitas aprendizagens passam pelos olhos 
<esv1> sem duvida que constitui tambem um método interessante económico e rapido de pesquiza 
<fraga1> esv1: totalmente de acordo, a comunicação nao e apenas atraves da linguagem mas tambem gestual 
<fraga1> e nesse aspecto a internet deixa um pouco a desejar!  :-/ 
<fmf> esv1: colocou agora a questão da pesquisa. Entramos num outro campo que pode provocar alterações nas aprendizagens na escola 
<fraga1> apenas podemos contar com os smiles! :-) 
<esv1> em que aspecto? parece-me que terei de discordar!! 
<eb23ovar-MC> Tenho acompanhado esta troca de "informação importante", para já sem importância. Espero que a discussão se eleve. 
<esv1> eb de ovar e a que nível?? 
<fraga1> eb23ovar-MC: somos todos ouvidos! 
<esv1> estou à espera 
<fmf> Relativamente À pesquisa a questão está em saber em que medida as aprendizagens na escola estão organiazdas para a pesquisa, com ou sem Internet 
<esv1> temos-nos deparado com situações interessantes, para começar 
<essg> Em meu entender, a pesquisa, nesta primeira fase, deve ser sempre orientada. Para evitar dispersão. 
<JaimSilva> "Muitas aprendizagens passam pelos olhos" e' verdade, muito verdade, mas apenas se for um complemento e nao o unico tipo de aprendizagem. 
<fmf> Neste aspecto a Internet vem agravar a questão de como ajudar os nossos alunos a procurar informação e a organizá-la? Alguém quer contar experiências interessantes 
<eb23ovar-MC> compreendo que ainda estamos numa fase primária, mas importante, de descobrimento desta tecnologia. Penso que é fundamental divulgá-la urgentemente em todas as escolas a professores e alunos de forma a que possa ser utilizada com "vulgaridade" e assim possa ser rentabilizada de uma forma cada vez mais positiva. 
<Eb23ovar-Fatima> eb23ovar-MC: estou de acordo e iniciativas como as que decorrem esta SEMANA contribuem grandemente para isso 
<esv1> não nos podemos esquecer da origem da WWW 
<essg> Podem sempre ser feitos guiões que orientem. Se houver grupos de alunos com interesses semelhantes, por exemplo, da área de Ciencias. 
<eb23ovar-MC> Atenção. Quero esclarecer que está a falar um neófito curioso mas com o direito de ser critico. 
<fmf> a opinião de MC é interessante mas devemos compará-la com a divulgação de outros media nas escolas. Mas para além da divulgação, penso que devemos ter ideias claras sobre o que fazer com as tecnologias e muito concretamente na educação 
<essg> Critique a vontade. 
<fraga1> fmf : sim e esse o principal problema..ter as ferramentas e nao saber usa-las especificamente 
<esv1> a WWW permite alem disso um alargamento muito vasto dos horizontes no que diz respeito a fontes de informação 
<fmf> É verdade que , por vezes, as ideias se vão clarificando com a própria utilização. O que não me parece correcto é pensar que "A Internet é que sabe", parafraseando um slogan de uma empresa multimédia 
<fraga1> por exemplo, aparecem acções de formação ou cursos de "internet para professores" e no fim chega-se à conclusão que se poderia ter chamado "internet para todos" 
<esv1> mas isso ja tem outras implicações 
<JaimSilva> Concordo enfaticamente com "devemos ter ideias claras sobre o que fazer com as tecnologias e muito concretamente na educação". O problema básico é: como vamos chegar concretamente a algum lado? 
<esv1> nomeadamente o efeito multiplicador 
<fmf> fraga1: porque ainda há poucas ideias claras e bons exemplos da utilização educativa da Internet... 
<eb23ovar-MC> todas (ou quase) as escolas estão ligadas à Internet através do Programa Internet/Ministério da Cultura. De que forma, nas vossas escolas, se rentabiliza esta ligação. Contem-me as vossas experiências. 
<fraga1> fmf: exactamente.... 
<essg> Infelizmente às vezes chega-se à conclusão que os professores são os menos curiosos neste campo. 
<esv1> se a acção afinal é para todos porque não cada um dos professores que a frequentou  não aproveita para a desmultiplicar pelos seus alunos 
<eb23ovar-MC> É isso mesmo esv1. Porque não? 
<esv1> na misnha escola pouco se faz nesse sentido, confesso 
<fmf> E temos que reconhecer que ligar as escolas à Internet é um passo fundamental mas... é o primeiro... Depois colocam-se as verdadeiras questões: o que fazer, como fazer, com que formação? Já agora gostava de ouvir opiniões sobre a necessidade de formação de professores. Para alguns trata-se de uma área em que a experiência é rainha... 
<Alfredo> Muitos professores não gostam de máquinas... O ensino tradicional assenta muito da sua riqueza no contacto cara a cara! 
<esv1> Na minha escola o programa internet é deixado um pouco livre para os que já estão familiarizados com a net 
<eb23ovar-MC> Creio que para melhor utilizarmos a Internet na escola é, na verdade, necessário generalizar estes conhecimentos a TODOS os professores. É necessário criar-se nas escolas mecanismos neste sentido. O Projecto Trends eventualmente poderá 
ser muito importante para isso. 
<fmf> alfredo: quando o contacto cara a cara é rico, ainda bem! 
<Alfredo> Temos que encarar, por enquanto, a Internet como um meio (entre muitos) com as suas limitações. 
<esv1> e as suas vantagens 
<fraga1> voltamos ao inicio do debate... 
<fmf> Alfredo: será so por enquanto? 
<Eb23ovar-Fatima> fmf: considero que a experiência deve mostrar a necessidade de constante formação 
<Alfredo> Creio que a Internet vai mudar muito no futuro 
<essg> Na Sebastião da Gama os alunos têm ocupado o posto quase a 100%. Disponibilizei-me para demonstrações a profs, mas a adesão tem sido muito reduzida. 
<esv1> a experiência desperta para novas necessidades 
<eb23ovar-MC> em que sentido? 
<Alfredo> As mentalidades tb irão mudando... Quase que naturalmente! 
<fraga1> sim..espera-se maior facilidade de uso dos programas, maior fiabilidade nas comunicações, mentalidades mais abertas, 
<esv1> a nossa sede frenética por saber mais e mais 
<Alfredo> A Internet vai-se impor por si propria. Mas por enquanto as velocidades ainda são baixas, a fiabilidade... 
<esv1> saber o que vai no mundo 
<fraga1> a tal comunicação olhos nos olhos através do visionamento das pessoas com quem estamos a "falar" 
<fraga1> isso ja e possivel..mas ainda muito rudimentar 
<fmf> Volto À questão de como aprender na Net. Nalguns discursos parece que é através de um processo quase místico... Penso que é altura de dessacralizar a NEt! E pensarmos em questões como: não será preciso aprender a aprender na Internet? 
<essg> Por exemplo, uma actividade que tem despertado muito o interesse nos alunos é o NetPaper, da Uarte. É um campo que pode ser explorado em várias áreas. 
<esv1> se eu estiver interessado numa investigação sobre por exemplo a despoluição na ria de Aveiro, poderei utilizar este canal para saber se alguns dos meus caros vizinhos sabem de alguma coisa de novo, que eu não saiba, por exemplo 
<fmf> Uma das características do discurso mítico é pensar que as capacidades de uma entidade são sempre maiores do actualmente existente... 
<essg> Nesse aspecto a realidade excede as expectativas de qualquer iniciado. 
<esv1> o saber actualmente não está em quem sabe mas antes em quem é capaz de transmitir esse saber 
<fmf> esv1: o caso da investigação da Ria de aveiro pode ser interessante 
<esv1> a ria de aveiro é apenas um bom exemplo 
<Alfredo> Já hoje a Internet tem um lugar próprio: tenho imensos alunos que me procuram para os ajudar a pesquisar informação para várias disciplinas ( e que foram aconselhados pelos seus professores). 
<fmf> esv1: é claro que os alunos devem recolher informação na Net sobre o tema. Mas também devem utilizar mapas, consultar estatísticas, ir ao campo recolher amostras... O que melhor caracteriza as aprendizagens actualmente é a diversidade de recursos utilizáveis 
<Alfredo> O caso da ria pode ser um belo exemplo de toda essa complexidade de pesquisas. 
<Alfredo> Onde a Internet tb entra. 
<esv1> acerca da questão do saber será melhor esclarecer-me. Nos tempos actuais não basta descobrir mas é muito importante transmitir rapidamente esse conhecimento qpara todos os fins, para marcar posição, para defenir o fluxo de informação, para que outros possam tirar proveito desse fluxo etc 
<fraga1> fmf: exacto...outra ideia ..aplicação da internet na Area-Escola que pretende uma abordagem interdisciplinar 
<Vitor>  a internet na minha deixa muito a desejar 
<fmf> fraga1: a questão da rapidez chamou-me a atenção. parece ser um valor dominante actualmente, também naas vantagens e relativamente ao qual tenho sérias dúvidas. No campo da aprendizagem é preciso tempo! PAra que os conhecimentos se organizem e as pessoas possam pensar. É que para além da consulta de informação é indispensavel o tempo para pensar por si 
<ib> A Internet terá valor pedagógico, mas nunca poderá substituir a escola! 
<Vitor> exacto ib 
<fraga1> ib: era só o que faltava! :-) 
<ib> Não se trata só de questões de rapidez... 
<Eb23ovar-Fatima> Nem se pretende, julgo. Mas ajuda a que os alunos gostem da escola 
<ib> Obviamente! 
<Vitor> fraga ele tem razão 
<ib> Mas não se corre o risco dessa interpretação? 
<Silva> Há uma coisa que me poe a pensar, a utilização das redes no futuro nao vai levar a que parte da aprendizagem possa ser feita em casa? 
<ib> Pode acontecer... 
<fmf> Silva: o título desta conferência podia sugerir isso... 
<ib> Concordo! 
<Silva> refiro-me a duas coisas: ao maior nivel de instrucao dos pais e flexibilidade de acesso aos meios de informacao 
<Silva> Aonde fica a escola? 
<Silva> Que escola vamos ter? 
<Silva> mista? 
<ib> Boa? 
<fmf> Silva: o facto de aprendizagem não se passar no que chamamos escola não me faz muita confusão. Até ao século passado a escola era uma excepção. E sempre houve aprendizagens... O que talvez venha a acontecer é que a noção de escola se venha a alterar radicalmente 
<Eb23ovar-Fatima> A aprendizagem de quê? Facilita a formação em casa. Pense-se na formação à distância 
<ib> Estamos a falar de um futuro a que prazo? 
<geraldes> Já! 
<essg> Não me parece que a formação à distancia tenha grande futuro. 
<fmf> Já hoje a escola não é só um edifício mas um conjunto de outros recursos: museus , media, campo, bibliotecas, Internet... 
<Silva> Nao e'!!!! 
<Eb23ovar-Fatima> essg: Como se pode dizer? Querer-se matá-la à nascença? 
<Silva> E' um desejo! 
*** arad (eb23aradas@172.17.15.4) has joined #naescola_nainternet 
<ib> O cenário nos dias de hoje é um... no futuro será outro... 
<ib> onde eu prevejo uma grande influência das TIC. 
<essg> Acho que o computador por si não substitui o professor. 
<ib> A minha questão é se não se corre o risco de exagerar na sua utilização ao ponto de inverter o papel da escola... 
<essg> É apenas um auxiliar, um meio, uma ferramenta. 
<Eb23ovar-Fatima> essg: Também acho, mas substitui ou complementa 
   muitas ferramentas 
<ib> O papel do prof é que passa a ser outro 
<Silva> E A Escola tem flexibilidades para se aguentar como está? 
<ib> Não 
<fmf> Num artigo recente o Pedro Rolo Duarte estranhava o facto decontinuar a não se dar História contemporânea de Portugal e do Mundo. E sugeria aos professores: Passem o século do Povo! Algumas limitações da aprendizagem são impostas por nós professores... 
<ib> Os profs são obstáculo à aprendizagem? 
<essg> Mas se aluno não for apoiado na sua formação ele dispersa-se. A formação à distância requer muita autonomia 
<Eb23ovar-Fatima> ib: Mas não serão a algumas mudanças? 
<fmf> ib: no caso referido pareciam ser 
<ib> Pois, concordo! 
<ib> E na generalidade dos casos? 
<fmf> Na generalidade esperamos que sejam veículos da aprendizagem 
<Bela> O que é que se discute? 
<fraga1> pelo que me apercebi deste debate a internet nunca substituira os profs sendo apenas mais uma ferramenta que de momento ainda nao se sabe muito bem como utiliza-la 
<Bela> Eu concordo plenamente, pois quando surgiu a tv também se pensou o mesmo 
<fmf> fraga1: parece ser uma boa conclusão. Apesar de haver já bons exemplos do que fazer com esta espada 
<Bela> Mas já se fala de alunos informatizados e alunos não informatizados 
<essg> Talvez fosse boa ideia haver maior divulgação dos chamados exemplos de boa prática que estão a ser feitos nas escolas. 
<arad> infeliz é normalmente o caso de grande nº de professores não informatizados que se nota mais no meio escolar 
<fmf> Uma última questão prende-se com o "aprender a navegar para aprender". Este tipo de aprendizagens, como antes consultar uma biblioteca, ler um livro, fazer uma ficha de leitura, foram sempre pouco formalizados na escola e deixados para o que os ingleses chamam "study skills". Penso que a Internet pode ser um bom pretexto para formalizar aprendizagens deste tipo 
<Bela> Para os prof é dificil acompanhar as novas técnicas devido à falta de tempo 
<essg> A falta de tempo é uma desculpa como outra qualquer. 
<Bela> Eu penso que muito trabalho burocrático deveria ser simplificado com a ajuda do comp. 
<fmf> Em certo sentido a intenção da disciplina de ITI era já um pouco essa. Infelizmente a concretização nem sempre foi essa 
<arad> Há uma grande vontade de aprender por parte dos professores, mas um medo constante, dm relação a tudo o que é novo...Fora do que estava a ser praticado desde sempre... 
<essg> Pois não, tornou-se demasiado teórica, abandonou a ideia dos projectos. 
<AOS> Só isso? 
<Bela> È também uma questão monetária 
<fmf> Bom! Eu estive a almoçar durante a conferência e agora tenho que ir para a Inforpor. Gostava de agradecer a todos a participação e esperar que tenha sido um momento de um processo que permita utilizar as tecnologias da Informação e a Internet em especial para melhorar as formas de ensinar e aprender. Até breve. Francisco Melo Ferreira 

<esv1> os debates são muito importantes dentro da sala de aula assim como entre salas de aulas 
<essg> Já dei essa sugestão. 
<arad> Sem primeiros passos os exemplos não se criam...Mas de qualquer forma julgo ser muito importante o contacto com o exterior, mesmo por meio da internet. 
<esv1> os debates são sempre importantes, e a riqueza de vocabulário que se consegue é fantástica para os alunos, mas mais importante é o próprio conhecimento e a descoberta em sí... 
<esv1> fora da discussão académica, eu divido a WWW em duas partes, uma egoista, voltada para a descoberta e para a pesquisa outra mais vasta de troca de conhecimentos, opiniões 
<essg> Parece-me que um dos problemas que podem surgir e que dificultam a comunicação entre escolas é por exemplo, em relação ao correio electrónico, não haver um responsável que divulgue as mensagens recebidas pelos vários interessados. 
<arad> Concordo plenamente...Julgo que o maior desafio é o desafio da descoberta...Mas será sempre necessário uma aprendizagem. E sem dúvida, descobrir os outros, pesquisar, debater as ideias 
<essg> Organizar mais debates desta natureza no futuro pode ser uma medida importante para trocas de experiencias, opiniões. 
<arad> O que acham da aplicação destes novos meios audio visuais nas aulas de E.V.T. (a minha área) 
<essg> Lamento, não é um campo que eu domine. Mas pelo menos podem visitar museus, se isso interessar. 
<essg> E há todos os programas de tratamento de imagem. Para línguas há muito material e muita possibilidade de utilização  Mas podem sempre ser feitos projectos na área de EVT juntamente com outras escolas. 
<arad> Para a minha área também há bastante material para exploração. 
<arad> Às vezes é dificil implantar as ideias, adaptar os meios à escola, aos alunos. Felizmente, agora há muitos meios nas escolas, o que é uma vantagem muito grande. 
<essg> Ainda não são suficientes, a meu ver. Na Sebastião da Gama só temos um posto, para já, ligado à Internet. 
<arad> A interdisciplinaridade e aligação a outras escolas é sempre benéfico para todos os membros das comunidades escolares. 
<essg> Isso é uma coisa que a Internet veio facilitar. 
<arad> Em Aradas há um conjunto de computadores,ligados em rede,  num nº que me parece muito bom, dada a realidade recente, onde nada havia. 
<essg> Esperemos que os professores adiram a essa possibilidade e a explorem. 
<arad> Como há pouco referi, os professores têm muitos medos...Mas com os meios a imporem-se não há como fugir. 
<essg> O que os profs fazem mais é fugir, de facto. 
<essg> Têm  medo e tem preguiça. 
<essg> Estou a dizer mal de mim também, mas é a realidade que temos. Vai ser um processo muito demorado. 
<essg> Vou ter que sair. Tenho aula. Já agora, com quem estive a falar, já que o debate se transformou em diálogo? 
<arad> Este é o meu primeiro ano como professora, por isso posso ser critica sem esquecer que foi ainda como estudante que vi mundo a mudar, o susto que isso causou e as vantagens que se podem ter. 
<arad> Não acredito que vá demorar assim tanto tempo. Os alunos exigem informações diferentes e diferentes maneiras de dar informações antigas...