Sociologia da Educação

Indice de perguntas

1. Partindo da definição de Durkheim da educação, explique nessa linha, a função da educação:

2. Em que medida se diferencia o objecto da sociologia do objecto das outras ciências, tais como a filosofia, psicologia, economia, medicina, etc.

3. Enumere três tipos de explicações dos fenómenos sociais.

4. Partindo da definição poder e autoridade, na concepção Werberiana, diga justificando qual das duas estratégias o professor deve seguir na sala de aula.

5. Os alunos têm vindo a ganhar algum poder dentro da escola. Refira como costuma a ser exercido esse poder

6. Define currículo, segundo a perspectiva da soc. da Ed. Explique em que medida a sua construção e desenvolvimento não são resultados técnicos.

7. Desenvolva a forma como se processaram as relações na sala de aula e refira quais os mecanismos de controlo utilizados, especialmente pelo professor

8. Em que medida o insucesso escolar massivo hoje existente, se explica a partir das características do currículo e dos métodos de ensino-aprendizagem?

XX. Refira em que medida a democratização do ensino não é efectiva. Relacione este facto com a problemática da selecção imposta pela estrati-ficação dos lugares sociais e profissionais e com a manutenção das melhores posições pelas clas-ses dominantes.

9-Refira as principais funções da educação. Defina e explique a função da socialização.

10-Refira as principais funções de educação. Defina e explique a função política ou a personalizada.

11-Refira em que medida a função de inovação é contraditória relativamente à de socialização.

12 – Discuta os conteúdos implícitos na passa -gem dos sistemas homogéneos a heterogéneos do ponto de vista cultural. E quais as atitudes do professor e da educação neste processo?

13 – Após definir os conceitos de desenvolvimento económico e humano, discuta os conteúdos da educação/ensino nesse processo do desenvolvimento.

14 – Discuta o papel da Escola e dos saberes nela transmitidos num quadro de mudança/mutação e reforma/revolução da sociedade moderna.

15 – Refira as principais características da sociedade actual quanto à sua estabilidade/instabilidade.

16. Com base na teoria da reprodução social e cultural explique como é feita a selecção social e como legitimam as suas posições sociais as classes dominantes.

17-Após definir o conceito de mobilidade social, refira o papel da educação neste processo.

18-Numa perspectiva Althussiana ( Luís Althusser ), diga como se processa o controlo das classes dominadas pelos dominantes.

19-Explique como se processou a manifestação do ensino a partir das escolas de massas.

20-Refira a influência dos movimentos demográficos em Portugal nos desequilíbrios do sistema educativo e consequentes resultados

21-Discuta o papel da escola e dos saberes nela transmitidos num quadro de mutação da sociedade moderna.

22-Após definir os conceitos de desenvolvimento económico e humano, discuta os conteúdos da educação nesse processo de desenvolvimento.

23-Em que medida podemos aceitar que a juventude é um fenómeno social e não apenas individual?

24-Com base na Teoria da Reprodução Social e Cultural, explique como é feita a selecção social e como legitimam as suas posições sociais as classes dominantes.

25-Refira as principais funções da educação. Defina e explique a da socialização.

26-Refira as principais funções da educação. Defina e explique a económica.

27-refira as principais funções da educação. Defina e explique a de selecção.

28. Refira em que medida a democratização do ensino não é efectiva. Relacione este facto com a problemática da selecção imposta pela estratificação dos lugares sociais e profissionais e com a manutenção das melhores posições pelas classes dominantes.


Respostas

1 – Partindo da definição de Durkheim da educação, explique nessa linha, a função da educação:

R : Para Durkhein "A educação é a acção exercida pelas gerações adultas, sobre as gerações que não se encontram ainda preparadas para a vida social; tem por objectivo suscitar e desenvolver, na criança certo numero de estados físicos, intelectuais e morais, reclamados pela sociedade política, no seu conjunto, e pelo seu meio especial a que a criança, particularmente se destina". A primeira característica que ressalta da educação é que ela é uma acção social e não uma acção individual. Ou seja , a educação não é o resultado de uma acção individual entre pai e o filho – ‘ educação familiar ‘ ou o professor e o aluno – ‘ educação escolar ’, mas entre duas categorias sociais distintas, a geração adulta e a geração jovem. O adulto age como representante da geração adulta e transmite conhecimentos, atitudes e valores, considerados ajustados ao jovem e este recebe e aprende esses conhecimentos e valores. A Segunda característica é que a educação é uma acção global – Tem em vista todos os aspectos da vida social e não apenas alguns. É uma formação global em 2 sentidos : 1º do ponto de vista da formação do indivíduo , visa desenvolver-lhe a inteligência, através da aquisição de conhecimentos e métodos de raciocínio e o caracter, através da interiorização de atitudes e comportamentos.; 2º do ponto de vista da sociedade, a educação visa integrar o jovem na sociedade. A 3 característica é que a educação é uma acção unilateral dos adultos sobre os jovens . Os adultos transmitem atitudes, conhecimentos técnicos, e os jovens recebem, aprendem e incorporam na sua vida esses conteúdos (geração adulta à geração jovem) a geração adulta é o elemento activo, transmissor da educação e a geração jovem o elemento passivo, receptor. Finalmente, uma última característica da educação é que ela é de natureza unitária e harmónica . Isto resulta do facto de o agente educativo ser um indivíduo ou um grupo especifico, mas a sociedade no seu conjunto. Os indivíduos quando educam agem em nome e por delegação da sociedade. É a sociedade que investe os seus membros na função educativa, e os sanciona no respectivo exercício. A educação tem uma dupla função, duplo papel ; unificação e de divisão. Por um lado, a educação opera visando uma determinada forma de coesão social; por outro, constitui um agente de reforço da divisão e da estratificação social existentes. A educação é múltipla, diversificando-se e orientando-se para cada estrato, no interior de uma classe, fazendo tomar consciência aos membros de um qualquer extracto dos seus estatutos e papeis sociais.

R : Funções Homogeneidora e diferenciadora

- Durkheim considera, pois, nesta sua definição de educação a dupla função desta : Homogeneidora e diferenciadora. Assim , para Durkheim a educação tem a função homogeneidora porque constitui uma acção global, social, exercida por várias pessoas e visa a formação e desenvolvimento total do indivíduo, engrandecendo-o e tornando-o uma pessoa humana i.e transmite os valores normas, os comportamentos sociais de acordo com aquilo que a sociedade necessita. Do ponto de vista da educação do indivíduo, a educação visa desenvolver a inteligência através da aquisição de conhecimentos; caracter através da interiorização de atitudes, normas, valores. Do ponto de vista da sociedade, a educação visa integrar o jovem na sociedade política segundo os valores que a regem. Tem a função de Diferenciação da educação esta consiste em ensinar cada indivíduo de acordo com o meio social de que provém, quer-se que os indivíduos partilhem das mesmas ideias, mas que sejam também diferentes para ocupar os diferentes papeis da sociedade. Em síntese, a educação constitui um instrumento de perpetuação e de reforço da homogeneidade necessária à existência da sociedade, diversificando-se ela mesma e tornando possíveis especializações, permitindo a manutenção da diversidade necessária à sobrevivência da mesma.

2. Em que medida se diferencia o objecto da sociologia do objecto das outras ciências, tais como a filosofia, psicologia, economia, medicina, etc.

O objecto da sociologia é as relações que ocorrem numa dada sociedade, i.e., são os comportamentos, as relações e apresentações sociais. É também, o indivíduo, o espaço físico e humano, o grupo, as instituições (escola, família, estado, igreja) e a sociedade (estrutura de papéis que o sujeito tem de representar em conformidade com o que socialmente é esperado) e relações sociais.

Este campo que a sociologia estuda é explicado invariavelmente e de forma diferente pelos diferentes grupos. Os acontecimentos sociais são explicados de acordo com os interesses dos indivíduos ligados a esse saber.

A forma de exprimir o que a sociologia estuda são as explicações de natureza política ideológica.

Exemplo de relações sociais: a de capital trabalho; a do seio familiar que são contornadas por regras e relações entre pais e filhos; relação na escola entre alunos e professores.

3. Enumere três tipos de explicações dos fenómenos sociais.

Temos a explicação através de procedimentos científicos, senso comum e político-ideológica.

Procedimentos científicos: epistemologia, teoria, métodos e técnicas de observação. As explicações científicas levam à ruptura com as explicações de senso comum e as político ideológicas e demarcam as explicações dadas por outras áreas científicas. Definem objecto/problema. Tem uma epistemologia interna e externa, e tem teoria e morfologia, métodos e técnicas de investigação.

Senso Comum: é um processo não científico que contém três teorias.

- Teoria do senso comum: os saberes que o homem constrói, fora de esquemas não racionalizados e que os leva a explicar fenómenos sociais segundo princípios próprios e característicos do senso comum, levam esta teoria a que não se preocupe com as explicações científicas. Esta teoria tende a explicar as causas e efeitos dum fenómeno social como estando localizados no sujeito interveniente na acção ou em sujeitos bem localizados no espaço;

- Teoria da coerência: o homem comum tem de ter um certo equilíbrio no espaço em que decorre a acção. As contradições terão de ser explicadas ou reprovadas e é indispensável que haja coerência neste processo;

- Teoria da dissonância: o homem tem que fazer comparações entre os fenómenos socialmente esperados e os que acontecem em cada momento. Se não existir coerência entre as partes desenvolvem-se mecanismos no sentido do equilíbrio.

Político-Ideológico:

4. Partindo da definição poder e autoridade, na concepção Werberiana, diga justificando qual das duas estratégias o professor deve seguir na sala de aula.

Em qq tipo de relação existe o exercício do poder.O poder é a capacidade que um grupo, instituíção ou agente possui de forçar ou obrigar os outros a aceitar a sua vontade mesmos que estes não o desejem. Assim o poder resulta do exercício e desempenho de papeis profissionais, enquanto debaixo da mesa, a autoridade resulta do reconhecimento de condições que um agente ou grupo possui, e que faz com que os outros o respeitem. Segundo weber, o prof. deve exercer autoridade na sala de aula, pois para ele o sist. de valores e o património cultural são impostos por uma elite dominante que detém o poder e os objectivos da educ., visando essencialmente a formação de um "homem culto", segundo o ideal de cultura dessa elite, que é socialmente reconhecida .

5. Os alunos têm vindo a ganhar algum poder dentro da escola. Refira como costuma a ser exercido esse poder.

O poder do aluna tem vindo a acentuar-se, pois ele tem podido fazer associações formais, e inclusivamente são representados no Conc.Pedag. Este poder do aluno pode exercer-se de diversas formas:1)Poder de grupo: grupo estrutura-se segun-do regras próprias que visam alcançar objectivos específicos e pré-determinados; é um processo sólido, em que há uma escolha dos membros que o compoem. Os grupos podem ser definidos pela idade, pelo sexo e pelo associativismo(recreativos, intelectuais ou cooperativos). Os cooperativos são os mais importantes para esta problemática, pq se formam com objectivos pré-estabelecido de resistir ás regras da organização ou á arbitrariedade dos docentes.

2)P. de mobilização de conjuntos de interacção: aproveitamento por parte de um aluno ou grupo de alunos, de uma situação de tensão na sala de aula e na canalização para uma posição que deixa de ser controlada pelo professor.

3) P. de perito: capacidade de um grupo ou indivíduo transferir para outros a culpa de si pp.

6. Define currículo, segundo a perspectiva da soc. da Ed. Explique em que medida a sua construção e desenvolvimento não são resultados técnicos.

Currículo em sentido lato é um processo centrado não na transmissão de determinados saberes, mas nos processos de aprendizagem, este currículo abrange tudo aquilo que o aluno apreende pelo facto de estar na escola, é também chamado de currículo informal. Também faz parte deste currículo o currículo oculto, que consiste na transmissão de saberes de formas intencionais mas não explicitas. Há tencionalidade em transmitir conhecimentos mas não de uma forma explicita. Na construção de currículos estão presentes vários componentes:

1)cientifico-técnico-em que os cientistas, técnicos e os professores juntam-se para decidir os saberes a transmitir, o alcance e o tempo da preparação dos alunos , etc.2)politico-ideológica- cada grupo político pretende que as sua ideologia e a sua forma de ver e entender o mundo político sejam contempladas no currículo. 3)Grupo de poder- é um elemento importante na construção de qq currículo, juntam-se indivíduos de varias áreas, querendo todos que a sua componente seja contemplada. Assim conclui-se que os currículos não são mera construção cientifico-técnico, mas tb ideológica.

7. Desenvolva a forma como se processaram as relações na sala de aula e refira quais os mecanismos de controlo utilizados, especialmente pelo professor.

Na realidade uma turma é uma pequena sociedade - Durkhein. A sala de aula por vezes, oculta relações interpessoais conflituosa, devido á forma de imposição e exercício dos poderes dos intervenientes e ás pp caracteristi-cas do contexto normativo em que se desenrolam. Á desigualdade de poder entre professor/aluno é sem dúvida o traça + expressivo da estrutura social da sala de aula. Durkhein diz-nos que a escola é assimétrica. Walter vem reforçar essa ideia quando diz que a organização da escola propicia a uma acção de denominação sobre os alunas, o qual por sua vez é uma situação inevitável para a realização do processo de ensino - aprendizagem. A natureza das relações sociais na sala de aula é essencialmen-te assimétrica. Resumindo é a assimetria na relação pedagógica, na medida em que é o professor que escolhe os conteúdos a transmitir e coordena a acção. Também se verifica o caracter coercivo da interacção. A maioria das interacções inicia-se livremente entre os participantes podendo interrom-pe-la. Na escola porem, os alunos não têm escolha : são obrigados a interagir com o professor.

7 (cont.)

O jovens tem de estar na escola quer queiram quer não, vemos assim que o caracter caoctivo da interacção entre professores e alunos passa em primeiro lugar pela presença obrigatória destes na escola. Existem variações significativas na qualidade e na quantidade de interacções sociais entre alunos e professores. Os professores podem desenvolver o afastamento ou a distancia social entre ele e os diferentes grupos sociais de alunos. A distancia social é, simultaneamente uma estratégia severa de controlo social e o indicador de evidente simetria na relação pedagógica. A relação distante é tb uma relação onde o professor se afirma como superior ao aluno ( relação assimétrica ). As relações distantes e assimétricas usam frequente a coacção. Geralmente os professores para fazer valer a sua autoridade, utilizam a coacção directa e personalizada e a coacção regulamentar. A 1ª inclui o castigo físico e as diversas formas de admoestação ( ameaças , descomposturas ). A 2ª refere-se ao uso do regulamento disciplinar para impor a conformidade das normas. Verifica-se assim , por um lado, que a punição serve para definir a situação ao fazer a distinção entre o que é lícito e o que não o é, por outro lado, que a possibilidade de utilização da punição, por parte do professor, indica claramente o desequilíbrio de poder na relação educativa.

8. Em que medida o insucesso escolar massivo hoje existente, se explica a partir das características do currículo e dos métodos de ensino-aprendizagem?

O insucesso é mais do que uma deficiente aprendizagem de conteúdos e saberes tendo em atenção as necessidades dos alunos e o sistema a que se dirigem.

Uma pessoa pode ser sempre muito boa aluna até ao fim da Universidade, mas quando sai se não arranjar emprego então não se pode dizer que teve sucesso educativo pois o próprio sistema político investiu no indivíduo e não obteve frutos nem vantagens. Assim, o indivíduo não tem sucesso escolar, porque não entrou para o mundo laboral.

Se um indivíduo é bom aluno até à Universidade e ao entrar lá se "mete" na associação e não passa do 1º ano mas entra para um grupo político diz-se que houve sucesso escolar.

De forma simples podemos definir insucesso escolar como um processo em que os alunos não alcançam os objectivos estabelecidos em determinado tempo, i é, não efectuaram a aprendizagem dos conteúdos currículares definidos para um ano lectivo ou período de tempo. Este insucesso traduz-se pelas taxas de reprovação, abandono, repetência.

Os indivíduos na escola de elite, onde havia homogeneidade cultural e social (saberes), tinham insucesso escolar (I.E.) (alguns) devido a problemas físicos, psíquicos, cognitivos (Q.I.). a teoria meritocrática explica isto argumentando que os indivíduos ocupam determinadas posições muna sociedade devido ao seu Q.I..O I.E. na escola de elites era residual, 3 a 5 % e quando se deu a passagem à escola de massas esta percentagem aumentou e a teoria meritocrática deixou de fazer sentido.

As causas do I.E. foram transpostas para a família no sentido, em que existiam muitos alunos que provinham de meios aculturais ou infraculturais originando a teoria de handicapocultural.

O I.E. deve ser entendido como algo complexo resultante das disfuncionalidades no indivíduo, na sociedade, na escola e da forma como estas três se articulam.

XX. Refira em que medida a democratização do ensino não é efectiva. Relacione este facto com a problemática da selecção imposta pela estrati-ficação dos lugares sociais e profissionais e com a manutenção das melhores posições pelas clas-ses dominantes.

1)Democratização do ensino não é efectiva - com a passagem da escola de elites para a escola de massas tinha-se como objectivo primordial a democratização do ensino , criação de =s oportuni-dades para uma soc. democrática. No entanto a democratização do ensino não é efectiva.

2)Estratificação dos lugares sociais - a estrat. Imposta pela sociedade cria diferentes oportunidades de acesso ao ensino, as pessoas que ocupam lugares + bx têm dificuldades a nível econom. O que leva ao abandono da escola que se explica pela teoria de custo / beneficio. Fazendo com que o aluno abandone + cedo a escola para ajudar a família a nível económico. Caso não se verifique a desistência os alunos das classes + bx têm mt + dificuldade em prosseguir os estudos (acesso a livros, alimentação equilibrada, alojamento, transporte, etc não é acessivel)

3)Caracter selectivista da escola - a escola + não faz que seleccionar, os alunos das classes + desfavorecidas, tendem a ser seleccionados + facilmente, dado que os códigos linguísticos dos saberes académicos contemplados pela escola não lhes são compreensíveis, e os seus saberes não são contemplados pela escola. Assim caem mtas vezes no fracasso antecipado. Quer queiramos quer não as classes dominantes manipulam sempre os melhores lugares dado que têm condições propicias para que isso aconteça.

9-Refira as principais funções da educação. Defina e explique a função da socialização.

A educação é um processo mais amplo que o ensino e está a cargo de muitas instituições, família, igreja, grupo de pares (amigos que aprendem através de experimentação ), escola, etc. Assim, falar em educação é falar num processo global que consiste na transmissão de saberes técnicos, sociais e culturais. O ensino consiste, somente, na transmissão de saberes técnicos. Numa 1ª dimensão a função da educação é fornecer ao indivíduo os saberes técnicos, científicos, pessoais para que no desempenho da função possam ser rentáveis. É necessário que a educação transmita saberes críticos, novas posturas que levam o indivíduo a não aceitar a ordem instituída, mas ser crítico e reivindicativo quanto ao ensino, educação, saúde, ambiente, etc. Tem que se transmitir valores universais, preparar o indivíduo para uma nova cidadania conflitante e reivindicativa. Pelo princípio da homogeneidade a educação tem função de integração na ordem social dominante. Pelo princípio da heterogeneidade a educação tem função de aceitação de valores e culturas dos outros. Uma das funções da educação é a de selecção pois a escola tem que seleccionar os indivíduos para que ao saírem da escola sejam facilmente integráveis numa sociedade igual. Há 4 tipos :

objectiva: os alunos são seleccionados duma forma objectiva, a partir do 9ª ano, porque aí só anda na escola quem quer.

auto-selecção: por vezes os alunos só estudam até ao ano economicamente rentável. Com o 12ª ano ganham 100, com a universidade ganham 150, preferem então ir trabalhar.

teoria do fracasso antecipado: os alunos de classes muito baixas desistem muito cedo da escola.

selecção subjectiva ocorre no interior do sistema, é intrínseca, resulta da própria lógica de funcionamento da escola, e é descrita pela taxa de abandono e de reprovação. Apoia-se em 3 teorias:

teoria meritocrática: as selecções ocorrem na escola devido aos alunos terem um nível de inteligência baixa e medem-se através desses níveis.

teoria culturista : selecciona-se porque existem alunos de famílias culturalmente débeis. Quando chegam às aulas verificam a grande diferença cultural da casa e da escola.

reprodução social e cultural e dos processos escolares Escola de elites ® homogeneidade de saberes ® homogeneidade de alunos

Escola de massas ® homogeneidade de saberes ® homogeneidade de alunos

Apesar dos alunos serem "diferentes" são-lhes exigidas as mesmas práticas.

Numa sociedade casta que é fechada, sem mobilidade social e endogâmicas, a função da sociedade é a de preparar elites e técnicas que só podem exercer as suas funções dentro da sua casta. Nos estamentos que são típicos de sociedades agrárias, nobreza, clero, povo, a função da educação é de preparar os indivíduos para a dominação religiosa.

Socialização é o processo de interiorização pelos indivíduos das regras, normas e valores de uma dada sociedade e da sua preparação para o desempenho diferenciando papéis sociais e profissionais existentes.

Socialização é o processo de transmissão dos saberes sociais reclamados por uma dada sociedade e que terão de ser aprendidos pelos sujeitos para que eles nela se integrem. Tendo em atenção o ciclo de vida dos indivíduos existem duas componentes:

1-primária ocorre até aos 6-7 anos de idade quando a criança entra na escola. Em 1º lugar a socialização é feita pela família e depois pelos grupos de pares. Em seguida pela igreja e pelos media a socialização é feita por agentes e instituições.

2- secundária inicia-se com a entrada na escola e prolonga-se por toda a vida.

A socialização estrutural varia muito segundo a idade dos indivíduos, o ciclo de vida, a classe social, o período histórico, a cultura, etc. Numa perspectiva interpessoal cada um de nós transmite e recebe saberes sociais o que implica uma socialização mútua.

10-Refira as principais funções de educação. Defina e explique a função política ou a personalizada.

A função personalizada da educação está muito ligada ao processo de socialização mas orienta-se no sentido do desenvolvimento completo e harmonioso dos alunos( domínios intelectual, cognitivo, afectivo, psicomotor, ritual e moral ) de forma a favorecer o equilíbrio da personalidade e a sua realização pessoal. Deve promover também o desenvolvimento das capacidades de reflexão crítica, estimulando a capacidade de formulação de juízos pessoais e a intervenção dos alunos nos diversos sectores da vida social, bem como a abertura necessária para o prosseguimento de actividades de formação contínua. Ao pretender estabelecer a nível do S.E um equilíbrio e para evitar que este provoque distorções noutros sistemas sociais existe o sistema político para que o diálogo progrida de forma harmoniosa- função política.

11-Refira em que medida a função de inovação é contraditória relativamente à de socialização.

A inovação implica sempre mudança mas o inverso pode não ser verdade uma vez que pode existir mudança sem inovação. Posto isto, inovação implica mudança com acréscimo de algo que não existia antes.

Quando a inovação não põe em causa os elementos básicos das estruturas, isto é, não substitui por completo as estruturas (relações de poder e suas topologia ) e vai processando mudanças com acréscimo de elementos novos, falamos de reforma.

A nível da reforma do sistema educativo temos três tipos de reformas: a global, a parcial e a gradual. Em ambas não se alteram questões básicas como transmissão e avaliação de saberes. Na global a reforma atinge todas as áreas dum processo e na parcial atinge apenas algumas áreas.

Quando a inovação altera as regras e os elementos básicos das estruturas substituindo-os por outros de natureza diversa, trata-se duma revolução.

Tendenciosamente, os sistemas, as organizações, os grupos e as pessoas tendem a resistir à inovação. A intensidade da resistência é sensivelmente igual à intensidade da inovação.

A intensidade da inovação pode ser de três tipos:

lenta e parcelar porque o sistema educativo, apenas, atinge uma certa área dum determinado sistema;

lenta e global quando o ministro da educação era Roberto Carneiro houve uma reforma global mas pensada.

intensa e global

É de notar que existe uma função conservadora pois quando há a transmissão através da socialização de normas, regras e valores há uma grande instrução e quanto maior for essa instrução, maior é a resistência à inovação.

Há também uma função inovadora quando há a transmissão de saberes técnicos, científicos existentes na sociedade presente e que impulsionam o futuro.

Assim a educação socializa os indivíduos para a sociedade do passado e do futuro, o que implica que o processo de inovação não é linear. Tem-se que transmite os saberes da sociedade do passado numa perspectiva evolutiva e que ajude a colocar os indivíduos no centro dos processos sociais munindo-os dos instrumentos que lhes permitam serem agentes de mudança. Assim, para não se "cortar" com o património cultural duma sociedade transmite-se esse património duma forma não conservadora preparando os indivíduos para uma possível inovação ou alteração.

Os indivíduos tendem de qualquer forma a resistir à mudança, devido a dinâmicas sociais que não sendo constituídas por processos contínuos e consensuais permitem a existência de adesão por uns e resistência por outros. É de notar que a inovação implica sempre a preparação dos sujeitos para a negociação e para que sejam capazes de gerir o conflito sempre existente.

Por estas e por outras é que a inovação é antagónica, isto é, oposta à socialização

12 – Discuta os conteúdos implícitos na passa -gem dos sistemas homogéneos a heterogéneos do ponto de vista cultural. E quais as atitudes do professor e da educação neste processo?

R: A cultura enquanto sistema pode ser entendida como um conjunto de valores, regras, crenças, costumes, saberes e normas que fazem parte do património colectivo de um grupo, de uma comunidade ou de uma sociedade. É um tipo de conhecimento social, que tende a orientar as relações e as pessoas que habitam numa mesma sociedade. #Nas sociedades mais fechadas, as pessoas tendem a exercer a liberdade individual. A vida em comunidade (bairro, campo) está a desaparecer e isso está a dar lugar a um individualismo exacerbado (não há controlo das acções do indivíduo). #Nas sociedades actuais há uma organização dominante que permite a livre circulação de bens e pessoas. Isto leva à diluição das fronteiras. As tecnologias também permitem novos contactos, com novos sujeitos e Ter novos tipos de relações até com diferente indivíduos, com multiplicidades de características (rácicas, religiosas, sociais, etc) -> multiculturalismo. #A educação como sendo um acto iminentemente humano apresenta uma dimensão individual (heterogeneizadora) e uma dimensão social (homogeneizadora), é preciso que os professores e a educação não se esqueçam que a par da função homogeneizadora da educação têm também a função diferenciadora..

Ela deve respeitar o direito à diferença do Homem, deve encarar o educando como um ser único que se integra num sistema colectivo. #Verifica-se que isto muitas vezes não acontece, principalmente com a escola de massas e com a massificação do ensino, que acarreta um tipo de educação despersonalizada e uma uniformização quer dos próprios currículos quer das metodologias usadas. Conclui-se que um aluno proveniente, por exemplo, de minorias sociais está ainda mais sujeito, nas escolas, ao choque de culturas, isto é, da cultura de que é portador própria de um grupo especifico e minoritário com a cultura que é vinculada pela Escola

13 – Após definir os conceitos de desenvolvimento económico e humano, discuta os conteúdos da educação/ensino nesse processo do desenvolvimento.

R: O conceito de desenvolvimento pode ser visto numa dupla perspectiva: como económico e humano. O desenvolvimento económico é um processo de crescimento económico expresso nas alterações quantitativas das variáveis económicas. #O desenvolvimento humano compreende dados relativos à saúde alimentação e nutrição, educação e ambiente, a igualdade entre os grupos sociais e entre os sexos, tal como compreende a melhoria das condições das futuras gerações, como o respeito dos meios naturais de que depende a vida na Terra. É um processo que procura alargar as possibilidades das pessoas (vida longa e com saúde), adquirir conhecimentos e ter acesso aos recursos necessários a um melhor nível de vida, que englobam a liberdade política, económica e social, possibilidade de exprimir a sua criatividade ou a capacidade de produzir o respeito pelos direitos humanos. Promove-se assim uma produção rica quer em quantidade quer em qualidade. #O desenvolvimento humano junta à produção e distribuição de bens e serviços a amplificação e utilização das potencialidades humanas. Este conceito analisa todas as questões relativas à sociedade na perspectiva humana. #A educação como fomentadora do aperfeiçoamento do indivíduo promove também o grupo de que ele faz parte e eleva o nível social colectivo.

13. (cont.) A educação deve ser encarada no quadro de uma nova problemática em que não apareça apenas como meio de desenvolvimento, mas como um dos elementos constitutivos e uma das finalidades essenciais desse desenvolvimento. #Um dos papeis reservados à educação consiste em dotar a humanidade da capacidade de dominar o seu próprio desenvolvimento. Ela deve fazer com que cada um seja responsável pelo seu destino e contribua para o progresso da sociedade em que vive, baseando o desenvolvimento na participação responsável dos indivíduos e das comunidades. #A educação fornece a todos, ou tenta, o mais cedo possível, uma preparação para a vida, com o objectivo de existir um melhor entendimento entre uns e outros, a participar na obra colectiva e na vida em sociedade. #A educação deve dar a todos os meios de modelar, livremente, a sua vida, e participar na educação da sociedade. É preciso activar os recursos de cada país, mobilizar os saberes e os agentes locais com vista à criação de novas actividades que afastem os malefícios do desemprego tecnológico. #Requerem-se novas aptidões e os sistemas educativos devem dar resposta a esta necessidade, não só assegurando os anos de escolarização, ou de formação profissional e cientifica inovadoras. Tornou-se necessária a formação profissional, formação continua permanente dos indivíduos, de formar para a inovação pessoas capazes de evoluir, de se adaptarem a um mundo em rápida mudança e capazes de dominar essas transformações.

14 – Discuta o papel da Escola e dos saberes nela transmitidos num quadro de mudança/mutação e reforma/revolução da sociedade moderna.

R: A Escola substitui cada vez mais outras instituições sociais, nomeadamente as instituições sociais tradicionais como a família e a religião, que se têm vindo a desintegrar. A Escola tem de socializar o indivíduo para os aspectos positivos e negativos destas mudanças. A Escola deve fomentar – livre iniciativa e capacidade de os formandos pensarem e agirem por si e de forma autónoma (apelo ao trabalho colectivo); - Interacção construtiva no sentido da realização de objectivos comuns; - Desempenho de actividades colectivas em vez de se privilegiar o individualismo extremo que se verifica na sociedade e na Escola de hoje; - Capacidade para apreciar a certificação e qualidade do produto ou serviço resultante do trabalho (desenvolver nos indivíduos desde cedo a ideia de prazer e orgulho naquilo que fazem); - Capacidade de identificar problemas e de contribuir para a sua resolução; - Proporcionar conhecimentos e desenvolver autoconfiança dos alunos; - Aprender a procurar, seleccionar e utilizar a informação necessária em cada situação; - Diluir as tendências individuais, isto é, fazer com que se aceitem os outros independentemente das suas características intelectuais, culturais, e rácicas;

- Devido À grande notabilidade do conhecimento, o aluno deve começar na Escola a aprender por sua iniciativa. Torna-se necessário uma constante aprendizagem, dado que a validade dos saberes é cada vez mais precária.

15 – Refira as principais características da sociedade actual quanto à sua estabilidade/instabilidade.

R: A passagem de uma sociedade pós-moderna implica algumas transformações. As alterações que se têm vindo a verificar, a todos os níveis, na sociedade a partir dos anos 50 continuam a processar-se a um ritmo cada vez mais intenso, provocando em alguns casos descontinuidade nos processo sociais, isto é, instabilidade. #Antigamente era no meio familiar que o indivíduo vivia mas com a sociedade industrializada esta instituição vai alterar-se e tem cada vez mais dificuldade em se adaptar à nova organização social. Actualmente verificou-se o emergir de novas sociedades da informação e do saber. A actualidade apresenta uma grande complexidade, quer pela multiplexidade de variáveis presentes, quer ainda pela incerteza e pelo quadro complexo que a realidade nos apresenta. #As mudanças ocorrem com tal intensidade e rapidez que dificultam a sua compreensão e aceitação.

#A nível económico, existe um crescimento de mercado, havendo uma livre circulação de pessoas e bens entre países. Verificamos o fim das economias planificadas e a sua abertura às economias ocidentais, o fim dos proteccionismos nacionais. #A industria está a sofrer uma profunda transformação que poderemos designar de contracção – expansão – transfiguração. As industrias ligadas aos sectores tradicionais diminuíram, enquanto que as industrias ligadas aos novos sectores da informação tem cada vez mais "peso". As tecnologias estão a evoluir de forma muito rápida no sentido da complexidade, tal como os saberes. Por isso, todos os indivíduos nos seus próprios empregos devem fazer reciclagens autónomas, isto é, aprender a estudar por si. Verifica-se então que já não basta ensinar conteúdos, mas ensinar o aluno a aprender. Por isso a escola do futuro deve transmitir saberes para o desempenho de uma actividade de forma a permitir aos alunos fazer uma nova aprendizagem. #Pela introdução de novas tecnologias e de métodos de produção flexível com vista à aquisição de manutenção, de competitividade, a industria redimensionou-se e produz cada vez mais para as economias fragmentadas, emergência de novas pequenas e médias industrias, mais inovadoras e flexíveis, que se adaptam melhor ao consumo cada vez menos massificado.

#Todas estas alterações têm provocado grandes transformações nos modos de vida particularmente no aparecimento de novas linguagens (auto-estradas da informação, cidades da ciência e tecnologia, analfabetismo informático, telemática, etc). #Verificamos a presença de uma crise estrutural que ultrapassa as crises ligadas aos ciclos curtos da actividade económica, com profundos reflexos no mercado de trabalho no qual provoca desemprego, particularmente de longa duração, interferindo nos equilibrios individuais e na instabilidade social. 2. (Cont) Este desemprego contribui para o desenvolvimento da juventude enquanto grupo difuso e tendencialmente marginal aos sistemas e valores. #Passou-se da homogeneidade para a heterogeneidade cultural. #Verifica-se o enfraquecimento da família que hoje já não é extensa, mas sim uma família nuclear isolada; Alteração da função de socialização dos filhos. Hoje, a família caracteriza-se pelo esvaziamento dos seus conteúdos funcionais, desempenha unicamente a função de consumo e de apoio afectivo deixando a parte educativa para as instituições, nomeadamente para a escola. O individualismo é também uma constante na sociedade actual, assim como um novo consumo e novas formas de lazer; stress. #Na ecologia, a dinâmica da sociedade moderna, criam-se determinados excedentes que a sociedade futura terá de saber resolver.

Nesta perspectiva a escola tem 2 funções: Socializar o Homem para que este adquira uma consciência ecológica e transmitir conhecimentos para as novas profissões no campo da ecologia. #Assiste-se, assim, a uma desterritorialização da vida económica, política, jurídica, cultural da informação e uma consequente diluição das fronteiras nacionais que se tornaram cada vez mais artificiais.

16. Com base na teoria da reprodução social e cultural explique como é feita a selecção social e como legitimam as suas posições sociais as classes dominantes.

A escola é vista como o local ideal de selecção pq ao apresentar-se como igualitária não só selecciona como legitima as desigualdades sociais. Esta teoria diz-nos que existem casos em que o insucesso escolar se deve á insuficiência física e mental dos alunos. No entanto dizem que é necessário ultrapassar-se a carência cultural, transmitida pela família. Atribui-se a culpa do insucesso á forma como a escola e as sociedades estão estruturadas, o que vem realçar a necessidade de se introduzirem alterações nos seus conteúdos e a forma como funcionam. O que se verifica é o disfuncionamento e uma desarticula-ção da escola com a sociedade. Por isso é que as políticas de combate ao insucesso tenham incidido sobre as carências físicas, culturais e siciais, e não sobre os processos escolares.

17-Após definir o conceito de mobilidade social, refira o papel da educação neste processo.

Por mobilidade social entende-se a passagem de um ou mais indivíduos de um grupo de status a outro verificando-se alterações nas rendas, nos estatutos e sobretudo nos comportamentos sociais.

Um indivíduo nasce e vive num grupo, o grupo de pertença mas olha sempre "para cima " para subir na vida :Grupo de pertença ( mobilidade social ascendente ) grupo de referência(mobilidade social horizontal ) grupo de referência ( mobilidade social descendente ) grupo possível

Os grupos não gostam de receber novos elementos principalmente se eles vêm dum grupo inferior. Se o indivíduo consegue entrar, para ser aceite tem que imitá-los e cumprir as suas regras incluindo os comportamentos religiosos.

A ascensão faz-se através de bens materiais e da educação.

Dá-se uma mobilidade social horizontal quando um indivíduo que vive no campo se muda para a cidade e torna-se operário. Este não ascende mas muita coisa muda na vida dele,

O grupo possível é pouco significativo porque as famílias seguram os seus familiares nos níveis em que se encontram e não os deixam descer.

A mobilidade social implica e tem sempre como base a instrução que leva à ascensão, ou a falta que leva à descensão.

Sempre que existe mudança com inovação há a necessidade de novos saberes o que provoca a corrida à educação provocando alterações nas estruturas e nos papéis sociais e profissionais

18-Numa perspectiva Althussiana ( Luís Althusser ), diga como se processa o controlo das classes dominadas pelos dominantes.

Quando uns dominam e querem que outros adiram usam símbolos.

O proletariado procura ter acesso aos bens e a burguesia procura mante-los através do desenvolvimento das classes médias; de aparelhos de estado (militares, jurídicos ); de aparelhos ideológicos ( religião, família, escola). Como é que a B controla o P tendo em conta a escola ? É feito tendo em conta a Alienação à o aluno esquece o que sabia do seu meio e retém o transmitido. Em sentido lato consiste na imposição por um grupo ou outro de formas de ver, de interpretar e de compreender a realidade de acordo com os interesses do 1º grupo, B, mas com desvantagens para o P. Em sentido restrito e usando linguagem Marxista, consiste no desenvolvimento das relações de produção e na apropriação dessas relações e das mais valias criadas pela força do trabalho e ainda na legitimação dessa ordem. Por exemplo, a alienação faz querer aos padrões que baixando os salários leva a piorar as condições de vida.

19-Explique como se processou a manifestação do ensino a partir das escolas de massas.

A escola de massas é a escola à qual tendenciosamente todos os indivíduos têm acesso, tendo estes indivíduos características bastante heterogéneas.

A massificação é o resultado da criação da escola de massas sem serem tomadas medidas necessárias ao nível das estruturas, pois abriu-se a escola a todos mas não se criaram mais salas de aulas e ao nível de redes de transporte. Existem escolas preparadas para 600 alunos e passaram a Ter 2000, daí uma super lotação de estudantes o que contribui para uma má organização.

Há problemas também ao nível da formação dos professores, dos conteúdos adaptados a diferentes tipos de alunos e da criação de medidas de adaptação dos saberes aos alunos.

A o nível dos métodos didáctico-pedagógicos não foram tomadas medidas para a reformulação dos conteúdos de ensino.

Com tudo isto conclui-se que a massificação do ensino é a sequência negativa do mau funcionamento da escola de massas, isto porque foram aplicados os princípios das escolas de elites a uma população bastante heterogénea.

20-Refira a influência dos movimentos demográficos em Portugal nos desequilíbrios do sistema educativo e consequentes resultados.

Pretende-se adequar o sistema educativo às necessidades do sistema de emprego e à normalização do sistema de ensino. Os desequilíbrios surgem de facto, devido ao nosso país ser pequeno e aos grandes movimentos migratórios do interior para o litoral havendo assim um aumento gradual de alunos nas escolas litorais o que impossibilita o ensino a uma grande minoria nas escolas do interior.

O desequilíbrio provocado tem muitas repercussões negativas no sucesso escolar.

21-Discuta o papel da escola e dos saberes nela transmitidos num quadro de mutação da sociedade moderna.

O papel da escola enquanto instituição é o de transmitir os saberes, normas e regras de uma dada sociedade que leva os indivíduos das classes baixas a aceitar o que lhes é transmitido.

A escola deve fomentar:

- livre iniciativa e capacidade dos formandos agirem por si e de forma autónoma;

- desempenho de actividades colectivas;

- interacção construtiva no sentido da realização de objectivos comuns;

- capacidade para apreciar e cientificar a qualidade do trabalho;

- uso da comunicação falada e escrita e desenvolvimento das capacidades de escutar, ler, e interpretar as mensagens recebidas;

- capacidade de produzir argumentos indutiva e cognitivamente em vez de recorrer à memorização;

- identificar problemas e resolve-los;

- tomada de decisões no trabalho (autoconfiança);

- procurar, seleccionar e utilizar informação;

- perante um problema o aluno deve definir objectivos, estabelecer prioridades e calendarizar as tarefas;

- diminuir o egocentrismo e o etnocentrismo;

- o aluno deve "aprender a aprender", devido à grande mutabilidade do conhecimento.

22-Após definir os conceitos de desenvolvimento económico e humano, discuta os conteúdos da educação nesse processo de desenvolvimento.

A nível do desenvolvimento económico (D.E.) temos indicadores como:

- Per-capita que engloba o produto nacional bruto (PNB) que sendo baixo o desenvolvimento económico (D.E.) também é; e engloba o produto internacional bruto (P.I.B.)

- *Distribuição da população activa por sector de actividade, os países mais desenvolvidos têm maior % de população activa no sector terciário e quaternário.

- Nº de computadores por 100 habitantes e de automóveis, telefones, etc, existem problemas neste desenvolvimento que provocam impedimentos ao desenvolvimento humano, da distribuição, pois existe uma distribuição assimétrica na riqueza entre o Norte e o Sul, entre classes e indivíduos.

A nível do desenvolvimento humano temos indicadores como:

- desenvolvimento económico;

- igualdade na distribuição;

- saúde / taxas de mortalidade / nº de médicos e enfermeiras;

- alimentação, nutrição e água putável;

- ambiente.

A educação e o desenvolvimento económico pode ser dividido em várias áreas:

1 – Perspectiva do indivíduo: assiste-se que quanto maior a instrução, maior a mentalidade económica. Existem pessoas cada vez mais instruídas que valorizam a cada dia o meio em que se encontram, porque fazem aumentar os ganhos que se reflectem ao longo da carreira.

Depois da 2ª Guerra os economistas tinham o ensino em atenção e em 50 / 60% investiram massivamente nele. Antes dos anos 70 o investimento económico era sempre maior do que 0, entre 70 / 73 passou a menor do que 0 porque o sistema colapsou, o desemprego aumentou e deixou de haver um retorno do capitalismo investido na educação. Pode-se dizer que o investimento na educação continua a ser determinante no desenvolvimento de um país, mas não é condição suficiente para que isso aconteça, porque o desenvolvimento é o resultado de uma série de factores entre eles o nível de educação de cada um.

23-Em que medida podemos aceitar que a juventude é um fenómeno social e não apenas individual?

Juventude, para a sociologia, é um grupo de indivíduos sujeitos às mesmas condições económicas, sociais e culturais que são exteriores ao indivíduo e que impõem o seguinte:

1 – obrigatoriedade de permanência no sistema educativo e de entrada no mercado de trabalho;

2 – posição face ao emprego, no intervalo dos 15 aos 30 anos de idade é onde se verifica a maior taxa de desemprego;

3 – posição do indivíduo face ao uso dos bens económicos de forma autónoma;

4 – posição face ao desempenho dos papéis sociais (quando se casa é que é adulto);

5 – posição face aos adultos;

6 – partilha dos mesmos valores e hábitos pelos indivíduos jovens.

Assim a juventude é um fenómeno social, pois define conceitos sociais

24-Com base na Teoria da Reprodução Social e Cultural, explique como é feita a selecção social e como legitimam as suas posições sociais as classes dominantes.

A Teoria da Reprodução Social e Cultural e a Teoria dos Processos Escolares são distintas embora tenham muitos pontos em comum suplementando-se.

Segundo estas o I.E. deve-se a três grandes causas que estão interligadas. Não negam as explicações dadas pela Teoria Meritocrática, mas dizem que o I.E. não se deve apenas a essas causas, mas sim a:

1 – Sócio-económicas => condições monetárias => residências melhores => distância casa escola menor.

Zonas degradadas => vizinhos "degradados" => alunos degradados;

2 – Sócio-culturais => inicialmente esta causa estava ligada à primeira. Temos que partir do pressuposto que a escola é uma instituição urbana que privilegia os saberes urbanos e desprivilegia os saberes dos outros meios rurais. Os códigos, os valores, as regras, os comportamentos sociais que existem nas escolas estão mais próximos das detidas pelas elites, assim os saberes transmitidos na escola através de códigos linguísticos não descodificáveis por muitos alunos provenientes dos extractos sócio culturais mais baixos.

Na avaliação escolar privilegia-se não apenas os saberes, mas também os comportamentos dos alunos, particularmente na forma como eles se exprimem.

3 – Escolares:

- escolas com grandes dimensões;

- população heterogénea;

- ambientes físicos, relacionados e agressivos (estrutura das escolas) e relações professor – aluno – funcionário, impessoal e formal;

- organizações burocráticas não facilitadoras do diálogo e da comunicação;

- professores pouco preparados do ponto de vista pedagógico e científico;

- outras desmotivações pela não coincidência entre áre-residência – escola e também área científica que lecciona e a de base:

- escassez nos recursos financeiros;

- religião e etnias homogéneas.

25-Refira as principais funções da educação. Defina e explique a da socialização.

As principais funções da educação são: a de socialização, a de controlo, a económica, a de selecção, a política, a de personalizadora , a de inovação , entre outras...

A função de socialização enquadra-se dentro da função homogeneizadora de Durkhein e define-se como o processo de transmissão dos saberes sociais ( normas, valores e regras ) reclamados por uma dada sociedade, que terão de ser apreendidos pelos sujeitos para que eles se integrem nela.

A socialização que a escola faz pode ser conservadora, quando transmite valores do passado, e pode ser inovadora quando transmite valores do presente.Tendo em atenção o ciclo de vida dos indivíduos, pode ser primária, quando ocorre até aos 6/7 anos, ou secundária, iniciando-se com a entrada na escola e prolonga-se ao longo da vida .

A socialização primária é feita em primeiro lugar pela família, depois pelos grupos de pares ( as crianças ao brincarem estão num processo de aprendizagem por imitação dos adultos), pela Igreja e pelos Mass-Média. Deve existir uma coordenação entre estas instituições. O agente de socialização secundária é a escola.O processo de socialização em que existem instituições que transmitem valores é uma unívoca de adultos para crianças.

A este tipo de socialização chamamos socialização estrutural que varia bastante segundo o ciclo de vida dos indivíduos, a classe social, a cultura...A socialização também se pode analisar numa perspectiva interpessoal, socialização mútua.

26-Refira as principais funções da educação. Defina e explique a económica.

As principais funções da educação são: a de socialização, a de controlo, a económica, a de selecção, a política , a personalizadora, a de inovação, entre outras.

A educação promove o progresso e o bem estar material da sociedade, criando as condições para uma produção rica em qualidade e em quantidade.

Apesar de generalizada a ideia de que o investimento em educação proporciona ganhos económicos, existem autores que relativizam esta ideia, excluindo nomeadamente o autonomismo e a linearidade desta relação educação / desenvolvimento económico.

A função económica tem em vista a preparação para o mercado de trabalho. Engloba todos os ensinamentos mais de caracter técnico segundo as necessidades e exigências do mercado de trabalho.

27-refira as principais funções da educação. Defina e explique a de selecção.

As principais funções da educação são: a de socialização, a de controlo, a de selecção, a política, a personalizadora, a de inovação, entre outras...

É necessário que a escola seleccione os indivíduos para que eles se posicionem na sociedade e ocupem as posições profissionais e sociais existentes na sociedade.

Existem três tipos de selecção:

*selecção objectiva – é aquela que selecciona de forma clara e objectiva os indivíduos

*auto-selec- -centrada no sujeito, a família não tem condições para que os filhos continuem a estudar.

-com base na teoria custo/beneficio, o aluno estuda até ao nível que considera economicamente mais positivo.

-teoria do fracasso antecipado, que consiste no facto dos indivíduos das classes inferiores anteverem o fracasso dos níveis escolares superiores e então abandonarem a escola.

*selecção subjectiva – é intrínseca ao próprio funcionamento da escola e é traduzida pelas taxas de reprovação, abandono e repetência.

28. Refira em que medida a democratização do ensino não é efectiva. Relacione este facto com a problemática da selecção imposta pela estratificação dos lugares sociais e profissionais e com a manutenção das melhores posições pelas classes dominantes.

R: No pós guerra a escola elitista deu lugar á escola de massas onde se defendia o livre acesso á educação assim como o sucesso escolar para todos. Assim a educação tornou-se fundamental para o desenvolvimento e a escola um instrumento de democratização da sociedade, tendo em vista uma maior igualdade social. Este tipo de escola pode caracterizar-se por 3 fenómenos: os sistemas de ensino não conseguiram dar uma resposta à entrada em massa de alunos social e culturalmente diferentes; como se criou a ideia que a educação era um bem essencial para melhorar as condições de vida dos indivíduos ou de um grupo, quando as suas aspirações não eram realizadas o nível de frustração aumentava; pretendia unir o saber intelectual ao prático o que não resultou. Poder-se-á então dizer que em vez de uma escola unificada e democrática, surgiu uma escola selectiva e elitista, isto porque, ao impor conteúdos normalizados que deveriam corresponder às necessidades dos alunos deixou de existir uma preocupação com as aspirações individuais de cada um e com as dificuldades especificas.

A cultura escolar legitima a seu modo e gosto, o conhecimento, o discurso e o estilo de vida que mais interessam aos estratos sociais culturalmente mais previligiados. Assim sendo, a escola consagra através de resultados escolares as desigualdades sociais provocando uma estratificação social e profissional.

 

 

Verdadeiro / Falso

 

a) A sociologia tem como objecto de estudo, entre outros, os comportamentos inatos

F

b) Os factos sociais, na perspectiva Durkheiminiana, impõem constrangimentos aos indivíduos.

V

c) Os papéis sociais são objecto de estudo da sociologia

V

d) As explicações de politico-ideologicas dificultam o conhecimento cientifico em ciências sociais

V

e) As explicações de senso comum têm de ser consideradas na investigação cientifica

V

f) A educação era para Durkhein um fenómeno eminentemente individual

F

g) Para o paradigma do consenso uma das funções da educação é a manutenção da dominação

F

h) Um dos percursores do paradigma do consenso foi Emile Durkhein

V

i) Durkhein com a função homogeneizadora pretendia criar uma efectiva igualdade de oportunidades

V

j) A concepção de sociedade para o paradigma do conflito traduz-se por uma unidade baseada no consenso

V

l) A concepção de mudança social para o paradigma do consenso traduz-se pela passagem de uma posição de equilíbrio a outra

V

m) As mudanças tecnológicas na actualidade exigem mais conhecimentos em cultura cientifica do que conhecimentos técnico-práticos

V

n) As características da sociedade actual interferem na definição da profissão docente

V

 

 

 

 

 
1) A sociologia tem como objecto de estudo, entre outros, os comportamentos sociais

V

2) Os factos sociais, na perspectiva Durkheiminiana, limitam a acção dos indivíduos

V

3) Os factos sociais gozam das caracteristicas de objectividade e exterioridade, entre outras

V

4) As explicações de senso comum dificultam a investigação em Ciências sociais

V

5) Um dos percursores do paradigma do consenso foi Max Webe

F

6) Durkhein com a função homogeneizadora pretendia criar uma sociedade mais consensual

V

7) As mudanças tecnológicas na actualidade recomendam que os conhecimentos a adquirir se circunscrevam ao domínio de uma tecnologia definida

F

8) A juventude como fenómeno social define-se principalmente pelo espírito jovem dos indivíduos

F