O nascimento da INTERNET está intimamente ligado à campanha de construção maciça de auto estradas levada a cabo pelo governo Americano na década de 50, em plena guerra fria. Preocupado com a segurança nacional, o governo resolveu investir na construção de uma rede de auto estradas ligando as principais cidades americanas. Desta forma pretendia-se, por um lado, que os militares se pudessem deslocar com rapidez para qualquer cidade sob ataque inimigo e, por outro, que, caso uma cidade fosse atacada e destruída, o impacto na rede de abastecimentos fosse minimizado. Na mesma linha de ideias, também deveria haver uma rede de auto estradas da informação, uma rede de computadores que tornasse desnecessária a existência de um sistema central. Se um destes computadores fosse destruído, a rede deveria continuar a funcionar proporcionando o necessário fluxo de informações aos comandos militares.

Foi assim que o Departamento de Defesa constituiu a ARPA (Advanced Research Projects Agency). Do trabalho desta vem a resultar, em 1969, a criação da ARPAnet, uma rede de 4 computadores de outras tantas universidades, SRI, UCLA, UCSB e Utah. Esta rede utilizava uma miríade de conexões de forma que se mantinha em funcionamento ainda que algum dos computadores fosse desligado. Nos anos seguintes esta rede não parou de crescer. Paralelamente, o Departamento de Defesa criou uma outra rede, a MILnet, destinada a informação "não tão top-secret", que acabou por ser ligada também à ARPAnet. Em 1986, um outro organismo governamental americano, a NSF – National Science Foundation, criou uma rede de 5 computadores a que chamou NSFnet. Esta funcionava tão bem que rapidamente absorveu as anteriores. Em 86 o número de computadores ligados à rede ascendia a mais de 2.300. Computadores que, embora originalmente se ligassem a diferentes redes – ARPAnet, MILnet e NSFnet – acabavam por estar todos interligados; pertenciam a uma rede de redes – a INTERNET.

Inicialmente, os computadores ligados a estas redes eram grandes computadores – mainframes. No entanto, a evolução das redes foi acompanhada pela evolução dos computadores e pela vulgarização do computador pessoal, dada vez mais potente e mais barato. Assim, primeiro com a comunidade académica e científica, que a usa para partilhar conhecimentos e projectos de investigação, e depois com o público em geral, a Internet não parou de crescer. E quando em 1991 Al Gore faz o seu célebre discurso sobre as auto estradas da informação, os termos Information SuperHighway e Internet entram para o vocabulário comum.

Em 1994 havia cerca de 20 milhões de pessoas "ligadas" à internet e crescia à razão de 100.000 novos utilizadores por mês. Hoje ninguém se atreve a estimar o número de utilizadores da net.
 

 

153 MILHOES DE UTILIZADORES DE INTERNET (29/01/99)

http://www.digito.pt/tecnologia/noticias/tec695.html

Actualmente mais de 300 milhões