Existencialismo
(Tópicos para um debate)


 

Tendência filosófica que se desenvolveu na Europa entre as duas guerras mundiais (1918-1939), centrando a sua análise na existência entendida como a realidade individual mundana, repudiando todas as formas de alienação ou submissão ideológica. Desenvolveu-se através de duas formas distintas: - o existencialismo ateu e o existencialismo cristão. O filósofo Sócrates é considerado um precursor remoto do existencialismo (humanismo socrático: conhece-te a ti mesmo). Os seus representantes mais nootórios são: Kierkegaard, Heidegger (considerados fundadores do existencialismo), Sartre, Gabriel Marcel, Karl Jaspers, Albert Camus...

 

        Principais ideias do Existencialismo

        Oposição à tradicional supremacia racionalista de interpretação da realidade, segundo a qual a Essência precede sempre a Existência.  O existencialismo embora aceite que no mundo das coisas assim é de facto (o modelo, projecto, ideia ou essência, precede sempre a construção de qualquer artefacto), acredita que no caso do ser humano (e só nesse caso) a Existência precede a Essência e não o contário! : "A liberdade é infinita e surge do nada"( Kierkegaard). A existência humana é considerada como um Projecto individual, totalmente autónomo, não determinado exteriormente por qualquer modelo, ideia ou valor! O Sujeito está implicado vitalmente na sua própria reflexão, sendo a sua existência irredutível e independente de qualquer sitema conceptual da realidade. "Não à teoria e ao puro saber, sim à acção e à vida...; sempre a favor da vida, contra a teoria" (Kierkegaard). As ideias de Projecto e de Liberdade são aqui supervalorizadas em grau absoluto, sendo a própria pessoa total senhor do seu destino!

        Para o existencialismo ateu (Sartre) se Deus existisse destruiria a minha liberdade. Não existindo Deus, desaparece o fundamento universal de moralidade (subjectividade moral) levando ao aparecimento da angústia humana, resultante da acção livre e da responsabilidade dum autoprojecto individual de existência. Para o existencialismo ateu a existência de deus ou de uma ordem moral universal é antagónica com a minha liberdade absoluta...

     Já o existencialismo cristão (G.Marcel, K.Jaspers), recusando a visão ateista do universo, reafirma o primado da existência individual, insistindo nos valores da interpessoalidade, do amor e da solidariedade universal como meio de transcender a moral subjetivista e relativista.

        Enquanto para Hegel, a vida avança através da superação dos contrários (método dialéctico), num processo global e contínuo do Universo em que o sujeito fica perdido, eliminando a decisão e responsabilidade do sujeito, para Kierkegaard a vida avança, através de "saltos", por descontinuidade de situações individuais de exitência, caracterizadas pela liberdade absoluta, pela angústia da decisão frente ao futuro desconhecido.

 

        Consequências possíveis do existencialismo (negativas e positivas)

 


        Tópicos para debate sobre o tema da Pessoa

 



J.Lemos Pinto.