Programa de Psicologia - 12º Ano
Programa de Psicologia - 12º Ano

Texto introdutório do programa do
12º Ano de Psicologia
Ministério da Educação - DES
Abril 1995

A Psicologia é uma ciência e como tal é uma educação numa linguagem requerendo um conhecimento de conceitos, de princípios, de teorias, com vista a aquisição de facilidade na sua utilização, juntamente com a apreciação dos seus métodos de investigação e dos padrões internos do sujeito bem como dos seus critérios de validação.

0 programa, para a disciplina de Psicologia foi concebido não como um programa de estudo em ciência - afinal de contas trata-se de um curso introdutório - mas como um programa de estudo sobre a ciência psicológica.

A natureza introdutória do curso cobre um amplo espectro. do campo de estudo da Psicologia. 0 programa é assim concebido como um levantamento dos temas, não entrando em pormenores que têm cobertura científica aprofundada em textos, universitários.

A grande diversidade dos temas tratados é sintomática quanto a amplidão da ciência dos comportamentos.

Foi difícil tomar muitas das decisões relacionadas com a inclusão ou com a exclusão de determinadas matérias.

Mas foi tido em linha de conta o facto de que a maior parte dos estudantes de um curso introdutório à psicologia, não vai seguir o curso universitário de psicologia; procurou assim incluir-se informação que os alunos possam aplicar nos seus campos de interesse e nas suas vidas. Contudo, o programa contem material suficiente para fornecer bons fundamentos aos alunos que tiverem cursos ulteriores em Psicologia, e outras licenciaturas como as de Medicina, Direito ou Sociologia, cursos com áreas que tocam as da Psicologia.

Suscitar um vivo interesse pela Psicologia é um dos alvos do programa, pois sabe-se que o estudante manifestará um grande entusiasmo se vir de que modo os princípios psicológicos que ele estuda se aplicam àquilo que ele vive ou que podem, pelo menos em parte, explicá-lo; os professores têm a experiência de que os alunos não gostam de ficar apenas ao nível das noções abstractas.

Dando realce a princípios gerais da Psicologia (as primeiras sessenta horas lectivas), o programa passa em seguida as áreas de aplicação desses mesmos princípios teóricos (os trinta tempos lectivos seguintes), procurando que conceitos, assuntos e temas sejam retomados na parte final do programa, toda ela mais prática (por exemplo, a unidade programática 11, que corresponde ao estudo da personalidade, conhece um novo desenvolvimento na unidade 13, da psicologia clínica, no estudo das perturbações da personalidade; um outro exemplo diz respeito aos problemas do método em Psicologia, cuja abordagem se inicia na unidade 1 e se retoma sucessivamente nas unidades 13).

Procurou-se assim pôr os alunos em contacto com a circunstância de a psicologia ser tanto uma ciência como uma profissão. Desta forma se articulam as dez primeiras unidades programáticas, com o corpo teórico de conhecimentos psico16gicos, com as quatro unidades (12, 13, 13 e 13) de psicologia aplicada.

Muitas são as pessoas que, além dos profissionais de Psicologia, aplicam a psicologia no decorrer da sua actividade profissional: professores, gestores, assistentes sociais, educadoras de infância, sindicalistas, políticos, conselheiros profissionais, fisioterapeutas, advogados, médicos, enfermeiros, etc.

Este reconhecimento levar-nos-ia a questão do papel da Psicologia nas sociedades contemporâneas e nas escolas, neste caso (o do programa).

As vantagens educacionais de uma disciplina não estão em nenhuma substância que possa ser destilada a partir dela e administrada em doses regulares como um tónico.

Em relação ao estudante, a Psicologia, como disciplina curricular, contribui para dotá-lo dos instrumentos operatórios indispensáveis à análise e compreensão dos outros, favorecendo uma adaptação crítica à realidade.

Nas finalidades do programa adiante referidas, é mencionado .o contributo da Psicologia como ciência que tem a virtude de ensinar um método de pensamento bem como um método de acção. Assim, ela é importante para o desenvolvimento intelectual do aluno e para a sua formação integral como cidadão, como membro activo numa sociedade, ao desenvolver capacidades de análise e de intervenção susceptíveis de dar ao Homem um maior e mais consciente domínio de si próprio.

Muitos dos temas tratados, ou melhor, todos os temas abordados ao longo das unidades deste programa, continuam a ser investigados e explorados pelos especialistas de todo o mundo. A Psicologia e uma ciência que cresce rapidamente.

Ela é uma ciência em movimento, -para utilizar a expressão do Serge Moscovíci. A Psicologia já não tem apenas um centro vital que aglutine as investigações. Ela tem muitos centros vitais.

A grande dispersão de experiências e de investigações, baseadas em diferentes modos de abordar a Psicologia, faz com que o discurso psicológico não seja homogéneo e seja frequentemente conflituoso e contradit6rio.

Impõe-se, desta forma, a imagem de um campo de forças dividido entre as linhas de tensão que ameaçam vir a transformar-se em linhas de ruptura entre as inúmeras escolas da psicologia contemporânea (escola europeia e escola americana, escola francesa e escola soviética, escola suíça e alemã, etc.).

A psicologia social, tal como a psicologia clinica e a educacional, apresentam-se como um sistema de várias correntes ( comportamentalistas, cognitivistas, psicanalítícas, etc.), raramente convergentes, onde nem sempre é possível estabelecer o consenso dos investigadores.

Os debates que animam a Psicologia e a sua condição de corpo de conhecimentos nao-unitárío estão ligados ao próprio estatuto cientifico da Psicologia.

A referência explícita a movimentos, escolas e correntes psicológicas ( gestaltismo, humanismo, psicanálise, comportamentalismo, cognitivísmo, etc.) é uma das opções de natureza científica do programa; torna-se necessário só faça descobertas, como também pense por si própria, que o estudante não validando as implicações psicológicas, filosóficas, pessoais e práticas dos movimentos, escolas e correntes.

Interessou às autoras desta proposta de programa focar o aspecto da psicologia como ciência experimental, com todo o envolvimento do experimenta dor, com as suas regras éticas. 0 experimentador na Química, por exemplo, não necessita de pedir a autorização aos produtos químicos antes de os juntar num tubo para os sujeitar ~ chama do bico de Bunsen. E, quando termina a experiência, não tem problemas em se desfazer da substância química utilizada (a não ser que seja tóxica). Mas os que estudam o sujeito humano sabem que existem regras para as relações interpessoais e assim, os indivíduos que se submetem às experiências podem, por exemplo, retirar-se ou afastarem-se delas.

A psicologia aumenta a sensibilidade do investigador e dó experimentador que sentem a necessidade de tratar os animais dentro de certos limites e os seres humanos com dignidade e respeito.

Conteúdos Programáticos


Documentos de apoio à disciplinaObjectivos da disciplina
Pressupostos do Programa
Programa da Disciplina

Estruturação dos conteúdos a leccionar

Distribuição dos Tempos

Planificações de Psicologia

Bibliografia Geral

Sites sobre Psicologia

Índice do Site

Home Page

[PSIQUE ] [Ajuda] [Índice] [Pesquisa] [FAQ] [Opiniões] [Aulas] [Turmas] [Avaliação]