Romanos

          Os Romanos conquistaram a Península Ibérica para dominar mais terras e aproveitar as suas riquezas naturais.
         Vencida a resistência de alguns povos como os Lusitanos, os Romanos permaneceram aqui muito tempo, deixando até hoje marcas nas nossas vidas.
 
À conquista de um império
 
         A partir da sua cidade – Roma – começaram lutas contra os seus vizinhos e, aos poucos, conquistaram toda a Península Itálica. Depois quiseram dominar o comércio do mar Mediterrâneo. Para isso tiveram que derrotar os Cartagineses que se tinham fixado em povoações no sul da Península Ibérica.
Depois de vencerem os Cartagineses, os Romanos chegaram à Península Ibérica no século III a. C.
         Depois de muito tempo e muitas guerras, os Romanos conseguiram conquistar todos os territórios à volta do mar Mediterrâneo, dominando todos os povos que aí viviam. Formaram um grande império, mantido em paz por um forte e disciplinado exército.
 

Territórios romanos no século III a.C.

Império romano no século I d. C.  

A Romanização
 
         Os Romanos permaneceram na Península Ibérica mais de 600 anos e acabaram por se misturar com os povos que conquistaram.  Os povos peninsulares em contacto com os Romanos, começaram a mudar os seus modos de vida - mudaram os seus hábitos, os seus usos e passaram a viver à maneira romana. A esta influência dos Romanos na vida dos povos peninsulares chamamos romanização. Os primeiros agentes de romanização foram os legionários, os comerciantes e os funcionários romanos que aqui se fixaram.
         Foram os legionários (soldados) romanos que, com a ajuda das populações locais, iniciaram a construção de uma rede de estradas e pontes para unir as cidades mais importantes e permitir uma ligação rápida a Roma. Muitas dessas estradas e pontes ainda hoje existem.
     
                                 
Mapa das principais estradas da Península Ibérica                     Calçada romana
 
 
      As estradas e pontes facilitavam:
 
-         as deslocações dos exércitos romanos;
-         as trocas comerciais;
-         o envio para Roma dos impostos e riquezas peninsulares.
 

 

 

 

Ponte de Vila Ruiva - Alentejo
 
 
 
Aproveitamento dos recursos naturais
 
    Os Romanos desenvolveram muito a agricultura. Eles aumentaram a área cultivada e trouxeram novas técnicas, o que aumentou a produção dos cereais, da vinha e do azeite.
    Desenvolveram a pesca e intensificaram a exploração de minas, pedreiras, barro e sal. Deste modo puderam desenvolver outras actividades como a tecelagem, a cerâmica, a ourivesaria, a salga de peixe, etc. 
    Tal como a agricultura, também o comércio se desenvolveu. Por esta razão, a moeda circulava, o que facilitava as trocas comerciais.
 
Novas construções
 
     Novas construções foram edificadas para responder às exigências do modo de vida dos romanos.
    Construíram casas com jardins, repuxos e mosaicos de várias cores que imitavam as vilas romanas.
    Cresceram novas cidades cheias de importantes construções:
-         o forum ou praça pública, onde se conversava e negociava;
-         os teatros e circos onde se assistia a espectáculos;
-         os aquedutos que traziam água para as cidades;
-         as termas ou balneários públicos, onde se cuidava do corpo e se convivia;
-         os templos dedicados aos seus muitos deuses;
-         as estradas e as pontes que facilitavam o comércio e os contactos.
 
Novos materiais de construção utilizados
 
         Na construção das casas foram utilizadas novos materiais, tais como os mosaicos no chão, os tijolos, as canalizações e as telhas.
 
              
Reconstituição                                                          Reconstituição
 
 
 
                                                                                                
      Teatro de Mérida                                     Aqueduto de Segóvia                                           Templo de Évora
 
 
A língua que nos deixaram
        
         A língua dos Romanos, o latim, passou a ser a língua falada em toda a Península Ibérica, o que facilitou a comunicação entre os povos. A partir do latim formaram-se as chamadas línguas latinas: português, espanhol, romeno, francês e italiano. A língua portuguesa tem muitas palavras de origem latina.
 
 
Provérbios:

 

-         “Quem tem boca vai a Roma”.
-         “Todos os caminhos vão dar a Roma”.
-         “Em Roma, sê romano”.
-         “Roma e Pavia não se fizeram num dia".

 

 
                                                                                                                       
O Cristianismo - uma nova religião
 
           Na província romana da Judeia nasceu Jesus Cristo que começou a pregar uma nova religião – o Cristianismo – muito diferente da religião tradicional dos Romanos. O novo culto pregava a existência de um só Deus e não aceitava a escravatura, prática corrente entre os Romanos. Os  cristãos negavam-se a adorar o imperador e outros deuses romanos, o que não agradava às autoridades romanas. Por isso, alguns imperadores romanos perseguiram os cristãos, que foram arrastado, crucificados e atirados às feras nas arenas.  Porém, no ano de 313, o imperador Constantino deu a todos os cidadãos do Império a “liberdade de culto”, ou seja, a liberdade de praticarem a religião que preferissem e o Cristianismo espalhou-se rapidamente por todo o Império. Ainda hoje a maioria da população portuguesa é cristã.
 
A era cristã
 
         O nascimento de Cristo tornou-se um acontecimento muito importante para os Cristãos e, aos poucos, a contagem do tempo passou a ser feita pela “era cristã”.
         Na “era cristã”, o acontecimento a partir do qual se conta o tempo é o nascimento de Cristo. Assim, temos um tempo antes de Cristo (a. C. em abreviatura) e um tempo depois de Cristo (d. C. em abreviatura).
         Em Portugal, só a partir de 1422 é que se passou a utilizar a “era cristã”. Até essa data utilizava-se a “era de César”.
         Nos dias de hoje, os povos cristãos da Europa e de grande parte do mundo usam a era cristã na contagem do tempo.
         Para contar o tempo utilizamos diversas medidas como o ano, a década, o século e o milénio. A década é um período de 10 anos, o século tem 100 anos e o milénio tem 1000 anos. Para indicar os séculos continua-se a utilizar a numeração romana.