Muçulmanos    

 

        No ano de 711, os Muçulmanos invadiram e conquistaram quase toda a Península Ibérica, pois tinham um poderoso exército.

          
         No século VII, apareceu uma nova religião na Península da Arábia – o islamismo. Os Árabes converteram-se a essa nova religião pregada por Maomé.
         Ele pedia aos crentes – os muçulmanos – que espalhassem a sua mensagem a todos os outros povos.
         Para pregar a sua religião e para aproveitarem as riquezas de novas terras, os muçulmanos conquistaram muitos territórios.
         Em 711, comandados por Tarik, os Muçulmanos atravessaram o estreito de Gibraltar e invadiram a Península Ibérica.
 

 

                                                       
 
         O avanço dos mouros, nome por que também eram conhecidos entre nós, foi rápido. Mas no Norte da Península Ibérica tornou-se mais difícil vencer os cristãos que se refugiaram nas montanhas das Astúrias. Também se tornou difícil defender e manter os territórios conquistados, pois os cristãos organizaram-se para o contra-ataque. A reconquista de terras aos muçulmanos foi feita com avanços e recuos e demorou quase oito séculos no Sul da Península Ibérica.
 
     CONVIVÊNCIA ENTRE MUÇULMANOS E CRISTÃOS
 
       Cristãos e Muçulmanos não estavam sempre em guerra. Houve períodos de paz em que mouros e cristãos conviveram e se respeitaram.
 
       Contribuiu para essa convivência a tolerância religiosa e o respeito pelos costumes e tradições praticados tanto pelos Cristãos como pelos Muçulmanos.
 

Imagem do século XIII que simboliza um dos muitos acordos entre Cristãos e Muçulmanos

 
   HERANÇA MUÇULMANA
 

     Os Muçulmanos estiveram cerca de 800 anos na Península Ibérica e por isso influenciaram muito a população local. Muitos dos habitantes da Península Ibérica chegaram mesmo a converter-se à religião islâmica, a falar o idioma (língua) árabe e a aceitar totalmente os seus costumes.

     A influência muçulmana foi muito forte nas terras a sul do Tejo, por essa zona ter sido reconquistada mais tarde. Aí se formaram grandes e populosas cidades muçulmanas como Córdova, Granada, Lisboa, Mértola ou Silves. Os seus habitantes viviam em ruas tortas e estreitas, com escadinhas, casas muito juntas e quase sem aberturas para o exterior. Em Portugal, toda a zona do Algarve e Baixo Alentejo ainda hoje revela fortes marcas da influência muçulmana

  

Caixa de texto:  
Azulejos

Portas islâmicas da mesquita de Mértola

    Pátio de influência árabe, em Lisboa

     As casas tinham terraços, pátios interiores e eram caiadas de branco. No Algarve podemos ver ainda hoje casas com características herdadas dos mouros: terraços (chamados açoteias) onde a chuva pouco intensa é conduzida para depósitos ou cisternas, paredes caiadas de branco que reflecte o sol e torna as casas mais frescas. As portas e janelas não são largas, pelo mesmo motivo. São casas adaptadas ao clima.

Chaminés algarvias
      Terraços de Olhão
 
  Os Muçulmanos desenvolveram algumas indústrias artesanais:

armas  e outros trabalhos de metal (em Toledo);

carros e arreios ( em Córdova);

tapetes (em Arraiolos)

Tapete de Arraiolos
         Sendo um povo vindo do deserto, onde havia falta de água, os Árabes dominavam as técnicas de captar, elevar e distribuir a água e os povos da Península Ibérica aprenderam com eles essas técnicas. Assim, passaram a dispor mais facilmente de água para o consumo doméstico, para mover moinhos, regar terrenos de cultivo e jardins.
 

   ENGENHOS E CONSTRUÇÕES LIGADOS À ÁGUA

Para a captar e elevar

Para a distribuir

Para a reter

Para a guardar

Como força motriz

     A agricultura também beneficiou muito com a presença dos Muçulmanos. Com as novas técnicas de regadio puderam cultivar legumes e plantar árvores de fruto. Além de darem a conhecer processos de rega até aí desconhecidos – a nora, a picota, açude – também  generalizaram o uso de moinhos de vento.

Cultivaram novas plantas que ainda hoje vemos nos nossos campos: laranjeira, limoeiro, amendoeira, figueira, alfarrobeira, meloeiro e provavelmente  arroz.  Também desenvolveram o cultivo da oliveira.
Ficaram célebres os grandes pomares que plantaram no Algarve, os figos e uvas de Évora e as enormes maçãs de Sintra.

 

laranjeira
 

Amendoeiras e oliveiras

   

 

Figueira
 
 

 

Nora
 
 
         Os muçulmanos trouxeram para a Península novos conhecimentos de Medicina, Navegação, Astronomia e Matemática, muito evoluídos para a época.
Das viagens ao Oriente trouxeram muitas notícias, que se tornaram úteis quando os Portugueses no século XV, partiram para a descoberta de novas terras.
Os Árabes também divulgaram a bússola e  instrumentos de orientação pelos astros, como o astrolábio utilizados nos Descobrimentos Portugueses. Até a caravela, o barco usado nas viagens de descoberta, tem influências do carib árabe.

          Além da Astronomia também desenvolveram a Geografia, traçando mapas e fazendo relatos das terras por onde viajavam.

Também os algarismos que hoje utilizamos e que substituíram a numeração romana, foram trazidos para a Península Ibérica pelos Muçulmanos.
 
            Deram a conhecer o fabrico do papel e da pólvora.
 
            Há também na língua portuguesa cerca de 600 palavras que são de origem árabe. Algumas delas são fáceis de identificar porque começam por al. O nome de muitas terras portuguesas é também de origem árabe, como por exemplo: Silves, Loulé, Tavira, Évora, etc.
 

   Algumas palavras portuguesas de origem árabe

Algarve azeite alambique algarismo limão açude almotolia
azenha alcatifa alguidar almotolia arsenal alcachofra tapete
alface alfama laranja picota almirante abóbora albarda
oxalá almocreve algodão gato alcaide açorda nora
 

 

 

- A Lenda dos Mouros -

        Perto de Nisa, no Alentejo, morava um casal de Mouros. Eles eram muito felizes e esperavam o primeiro filho.

       Numa noite, a mulher começou a ter dores de parto. O marido logo procurou a ajuda de uma parteira, que se prontificou a auxiliá-los.

       Como tudo correu bem, o casal quis retribuir, oferecendo-lhe... carvão! A parteira ficou muito ofendida e, no caminho até casa, foi-se desfazendo da oferta.

       Chegando a casa, notou que tinha moedas de ouro! Correu para trás à procura do restante carvão, só que o mouro seguira-a e apanhara os pedaços do chão.