Alcino Simões 30Dez2005


Perfil do Aluno

Informação para os intervenientes na Escola

O "Perfil do Aluno" é uma proposta de documento a definir e gerir pela Escola. Os dados recolhidos vão constituir o "Perfil da Turma", o "Perfil de Ciclo" e o "Perfil de Escola".
Esta é uma proposta que poderá fornecer informação preciosa para conhecer os alunos, definir planos e projectos, ajustar o ensino, intervir especialistas da educação ou elaborar relatórios.

 

A elaboração

Previamente, uma equipa de professores redige o questionário "Perfil do aluno" solicitando os dados mais pertinentes. Para além dos dados de identificação do aluno, podem existir itens relacionados com o percurso Escolar, a saúde, o meio familiar, as actividades extra-escolares, entre outros. Alguns dos itens devem ser preenchidos pelo aluno, embora possam existir dados a fornecer pelos pais, professores, directores de turma ou especialistas solicitados (por exemplo, psicólogo).

Um informático elabora o formulário num ficheiro electrónico (Acess, PhP, ...) de modo a que os dados a recolher fiquem registados numa base de dados.

No momento da matrícula num ano de escolaridade, cada aluno preenche um formulário electrónico "Perfil do aluno". Se não for a primeira vez que o aluno preenche este formulário, basta aceitar ou actualizar os dados anteriores. Os dados resultantes são automaticamente tratados, incluindo medidas e gráficos estatísticos pertinentes.

Logo no primeiro dia do ano lectivo a informação fica acessível aos diversos intervenientes da comunidade escolar. As informações do "Perfil do Aluno" podem ser consultadas mediante a introdução de uma senha, podendo existir níveis diferentes de acesso com alguns dados vedados.

 

As aplicações

Ao ser consultado pelos professores, o "Perfil do Aluno" permite-lhes obter maior e melhor conhecimento da realidade e das necessidades dos alunos e ajustar as metodologias e as avaliações formativas na sala de aula. Com este conhecimento dos alunos, em qualquer momento o professor pode seleccionar os materiais didácticos mais oportunos, adaptar o seu discurso aos alunos, alterar o processo de comunicação na sala de aula, gerir conflitos entre alunos, elaborar fichas de trabalho e muitas outras intervenções pedagógicas.

Com os dados do "Perfil do Aluno" de cada um dos alunos de uma turma podem ser agrupados estatisticamente no "Perfil da Turma". Com esta informação, o director de turma e pode substituir ou complementar o inquérito que o director de turma realiza no início do ano lectivo. O "Perfil da Turma" torna-se um instrumento para a definição dos projectos de turma, o relacionamento dos professores com os pais e encarregados de educação e um auxilio na avaliação sumativa no final de cada período lectivo.

Com os dados do "Perfil da Turma" de todas as turmas define-se o "Perfil de Ciclo". É um instrumento que pode auxiliar os coordenadores de ciclo, de directores de turma e os de departamento disciplinares a orientar as diversas actividades escolares, definir fichas e formulários, implementar medidas educativas e a agir em consonância com metas previstas.

De igual modo se obtém o "Perfil da Escola" a utilizar pelos órgãos de gestão (Conselho Executivo, Conselho Pedagógico, Assembleia de Escola e Associação de Pais). Poderá facilitar a tomada de decisões  na aprovação de projectos e financiamentos e na consubstanciar as deliberações que afectam toda a comunidade Escolar.

 

As Implicações

Uma comunidade educativa informada desenvolve acções mais acertadas.

Os diversos actores de uma Escola têm enormes dificuldades no início de um ano lectivo em conhecer a comunidade educativa. O "Perfil do Aluno" é um instrumento imprescindível para combater a indisciplina, potenciar as aprendizagens, diversificar as competências e apurar as avaliações.

Os dados de um aluno são considerados sigilosos e a sua utilização destinada exclusivamente à intervenção pedagógica na Escola. Além disso, o responsável pelo aluno pode recusar o fornecimento de informação que ele considere sigilosa.


 

Daquilo que pensou ...

               O que apetece dizer?

     

  Nome:

   Email:

 

 

 

Comentários

 

 

3) 27May2006 [Pedro Fazendeiro - terlamonte@gmail.com]
Sou professor do secundário. Na minha escola os "directores de turma" elaboraram um pequeno inquérito que abordava os aspectos pedagógicos e o grau de satisfação dos alunos com a escola, que deram ás turmas.
O inquérito foi considerado "ilegal" pelo C. Executivo pois não havia sido expressamente autorizado por este órgão, apesar da Assembleia de Escola lhe ter dado um "louvor" posteriormente.
Questão: Os pequenos inquéritos dados aos alunos pelos directores de turma devem ser autorizados e "censurados" previamente pelos C.E.? Não vejo isso em legislação nenhuma!
Gostaria de uma opinião.
Resposta: [Considera o facto de eu não ser especialista em Gestão Escolar]
Considerando uma Escola como uma instituição, nada deve lá acontecer sem que os seus responsáveis o autorizem.
Qualquer interveniente de uma escola (alunos, funcionários ou pais) deve obrigação hierárquica ao Conselho Executivo (CE), ao Conselho Pedagógico e à Assembleia de Escola.
Para que a Escola funcione eficazmente, estes órgãos delegam-se poderes diversos nos seus intervenientes.
Ninguém na escola deve trabalhar à rebeldia, sob sigilo ou em omissão a qualquer órgão de decisão da Escola.
A elaboração de um inquérito deve ser supervisionada por algum responsável (no teu caso, coordenador de DT), bem como a sua aplicação e tratamento dos respectivos dados.
O CE considerou o inquérito ilegal, certamente porque o este feriu algo ou alguém. Se o CE o fez por outros motivos, então outras acções deveriam ter sido tomadas (por exemplo, iniciar um processo disciplinar a um docente por insubordinação ou de outro tipo).
Acho estranho um CE decidir que um inquérito é ilegal. Certamente outros constrangimentos obrigaram-no a tomar esta decisão. Em caso de dúvida, talvez seja ajuizado recorrer ao Director Regional de Educação para apuramento da verdade e excluir uma situação de gestão ditatorial da Escola.

 

 

2) 25Mar2006 [João Guerreiro - apguerreiro48@hotmail.com]
Inteiramente de acordo.
O perfil do aluno, da turma, do ciclo...pois está em causa perceber, melhor dito compreender o quotidiano dos aprendentes. Sem isso, como é possível colocar problemas? Alguma questão só é um problema para qualquer de nós se tiver a ver com interesses/realidade próxima. Isto é tanto mais verdade quanto o nível etário for mais baixo.
Para problematizar há que avançar do quotidiano para o geral, do concreto para o abstracto.
Resposta: O Perfil de Aluno que aqui proponho é o real. É definido pelas suas reais características e vai permitir encontrar, conhecer e explorar a realidade da escola.
Não estou a propor a definição de o Aluno idealizado por alguns. Escrever que um aluno deve ser isto ou aquilo é muitíssimo fácil.
O difícil é propor as medidas evidentes e dependentes dos dados estatísticos recolhidos na própria comunidade escolar.
O verdadeiro Perfil de Aluno nasce da realidade e serve de base para a adopção de estratégias, projectos, metodologias e medidas para que o futuro Perfil de Aluno seja outro e melhor.

 

 

1) 14Fev2006 [Margarida Araújo - mmdaaraujo@hotmail.com]
Há alguma escola onde isto esteja a ser feito?
Na minha escola parece que se está a trabalhar ao contrário.
Pretende-se definir o perfil para o qual se deve trabalhar...
Estou confusa.
Resposta: Que eu saiba, não existe nenhuma escola a aplicar esta minha ideia de perfil de aluno, intuído pelos dados recolhidos!
Eu estou a tentar convencer os colegas da minha escola a implementar algo semelhante a isto. Mas existem muitas barreiras à sua concretização.
Um perfil pode ser definido com base conceptual em:
A. Teorias educativas;
B. Legislação relativa a educação;
C. Interesses negociados pelos actores influentes numa comunidade;
D. Níveis de expectativas redigidos pelos intervenientes numa comunidade nos diversos tipos de documentos (actas, relatórios, projectos, ...);
E. Resultados de inquérito à população;
Penso que o ideal seria utilizar todas as influencias possíveis, destacando-se a informação recolhida pela base E.
Assim, um perfil de aluno poderia nascer das seguintes pegadas:
1. Definir itens do boletim de matricula;
2. Definir itens do inquérito do director de turma (aplicado no inicio do ano);
3. Definir tipos de revelação de informações e respectivos depositários/destinatários;
4. Construir o questionário digital num site Web, que aloja os dados recolhidos numa folha de excel;
5. Efectuar o tratamento estatístico dos dados recolhidos, resultando um perfil de aluno, um perfil de turma, um perfil de ano de escolaridade, um perfil de ciclo e um perfil de escola;
6. Distribuir os resultados/informações pelos depositários/destinatários;
7. Registar reflexões sobre o funcionamento e pertinencia deste sistema informativo;
8. Definir dimensões e sub-dimensões do perfil de aluno;
9. Listar itens para o perfil de aluno, recolhidas no questionário e nas outras fontes (A, B, C e D);
9. Definir os itens de cada dimensão;
10. Definir o perfil do aluno, constituído pelos itens anteriores, agrupados em sub-dimensões e dimensões;
11. Actualizar o perfil de cada aluno, incluindo a informação do seu passado;
12. Refazer o questionário digital
Estás a ver o trabalhão que isto daria!!
É mais fácil redigir um perfil desejado/suposto/imaginado/sentido para o aluno do que construí-lo ao longo do tempo.

Simões, Alcino. (1998-200?, 30dez2005). Perfil do aluno. Folha do alcino. http://www.prof2000.pt/users/folhalcino/ideias/ensinacao/perfilaluno.htm
alcinosimoes@yahoo.com

 

_   |^|^|^|   _