PADRE DAMIÃO

O SEGREDO DE UMA VIDA

É muito fácil relembrar a identidade do Padre Damião: nasce em 1840, em Tremelo, perto de Louvain, em uma família camponesa acomodada; ingressa na Congregação dos Sagrados Corações (Picpus) em 1859; parte para o Havaí e é ordenado sacerdote (1864); realiza apostolado na ilha de Havaí; chega a Molokai em 1872, e ali morre, aos 49 anos, no dia 15 de abril de 1889.

Mas, não é possível penetrar no profundo do seu ser para ver o que o animava e que fogo ardia nele?

O padre Damião, longe de ser uma alma complicada e atormentada, tinha um coração de criança. Ainda que alguns dias o assaltassem pensamentos obscuros, vivia feliz confiando em Deus: “Persuadido como estou de que Deus não me pede o impossível, enfrento tudo prontamente sem perturbar-me” (Carta ao Superior Geral da Congregação SS. CC. – 20.12.1866).

No meio dos leprosos, e sobretudo, quando sabe que está afetado por esta terrível enfermidade, se sente unido a Jesus, a caminho da cruz. Deixa nas mãos de Deus que a sua vida se prolongue ou não, considerando-se o missionário mais feliz do mundo.

Alimenta esta atitude, sobretudo, mediante a Adoração: “Aos pés do altar – escrevia em 1881 a seu irmão, também religioso dos SS. CC. – é onde encontramos a força necessária em nossa solidão. É aí que me encontro todos os dias contigo e com todos os irmãos de nossa querida Congregação. Sem o Santíssimo Sacramento seria insustentável uma situação como a minha. Mas, tendo o Senhor a meu lado, estou sempre alegre e contente”.

O Pe. Damião não foi ficar com os leprosos por umas semanas ou por uns meses. Decidiu COMPARTILHAR a sua vida com eles. Jesus vem também compartilhar nossa vida.

Podes precisar os pontos que vês em comum entre a missão de Jesus e a do Pe. Damião?