Pronome

 

Palavra pertencente a uma classe fechada de palavras que, em alguns casos, permite variação em género e número, noutros em pessoa, género e número e noutros permite mesmo variação em Caso. Ao contrário do que acontece com o determinante, o pronome não pode preceder um nome (a menos que sejam separados por uma pausa) e que é distribucionalmente equivalente a um grupo nominal.

 

(i) ele - Ele vai a casa.

 

(ii) este - Este é o melhor.

 

(iii) meu - O meu é o melhor.

 

 

Impossibilidade de co-ocorrência de nomes e pronomes:

 

(iv) *Ele Miguel é bonito.

 

(v) O meu carro é o melhor. (neste caso, a co-ocorrência só é possível porque "meu" é um determinante e não um pronome)

 


Pronome demonstrativo

 

Pronome que não pode ser precedido de nenhum tipo de determinante, invariável, e que tem um valor deíctico, na medida em que estabelece a sua referência através de um mecanismo de localização que toma como ponto de referência as pessoas da enunciação ((i), (ii)).

Determinante demonstrativo usado como pronome (iii).

 

Pronomes demonstrativos:

a) Formas tónicas

- isto

- isso

- aquilo

b) Forma átona

- o (ocorre sempre adjacente ao verbo, à sua esquerda ou à sua direita)

 

(i) [Isto] incomoda-me.

(ii) Ele disse-[o] (= ele disse isso / ele disse que ...)

(ii) Este rapaz é um palerma e [aquele] também..

 

Ver "determinante demonstrativo".

 


Pronome indefinido

 

Palavra pertencente à classe dos pronomes, invariável, com valor referencial não definido e não específico (i).

Quantificador usado como pronome, como em (ii).

 

i) [Alguém] bateu à porta.

   Ele comeu [tudo].

   [Ninguém] lhe telefonou.

(ii) [Todos] vieram à festa.

    Tu compraste muitos livros mas eu só comprei [alguns].

 

Alguns dos pronomes indefinidos são intrinsecamente negativos, pelo que não podem co-ocorrer com a negação frásica (i), se ocuparem a posição pré-verbal de sujeito, e co-ocorrem obrigatoriamente com negação frásica, quando em posição pós-verbal (ii).

 

(i) Ninguém entra

    *Ninguém não entra

(ii) Não entra ninguém.

    *Entra ninguém.

 


Pronome interrogativo

 

Pronome que identifica o constituinte interrogado em interrogativas parciais ((i), (ii)).

Quantificadores interrogativos usados como pronomes (iii).

 

São pronomes interrogativos:

 

- o_que, o_quê

- quem

- que

- porque, porquê

- como

- onde

 

(i) Quem encontraste?

(ii) Fizeste o quê?

(iii) Quantas encontraste?

 


Pronome pessoal

 

Pronome que não pode ser precedido de nenhum tipo de determinante, que admite variação em Caso, além de variação em pessoa, género e número, e que se refere aos participantes do discurso.

O pronome pessoal tem formas tónicas e formas átonas. São formas átonas as formas do pronome pessoal que ocorrem sistematicamente adjacentes ao verbo (à esquerda do verbo ou à direita, neste caso, separadas por hífen, ou ainda no interior das formas de futuro e futuro do pretérito); são formas tónicas as restantes formas.

Contam-se ainda entre os pronomes pessoais os pronomes pessoais reflexos, recíprocos, "se" impessoal, "se" passivo e "se" inerente.

 

Pronomes pessoais tónicos:

  

eu, tu, você, ele / ela, nós, vós, vocês, eles / elas; mim, ti, si.

 

Pronomes pessoais átonos:

 

me, te, o, a, lhe, nos, vos, os, as, lhes, se.

 

1. São formas de contracção do pronome pessoal tónico com a preposição "com" as seguintes formas:

comigo, contigo, connosco, convosco, consigo.

 

2. São formas de contracção de dois pronomes pessoais as formas "mo(s)"/"ma(s)" (contracção de "me" e "o(s)"/"a(s)"), "to(s)"/"ta(s)" (contracção de "te" e  "o(s)"/"a(s)"), "lho(s)"/"lha(s)" (contracção de "lhe" e "o(s)"/"a(s)").

 

Pronome pessoal recíproco

Pronome pessoal nos Casos acusativo, dativo ou oblíquo que indica pelo menos duas entidades distintas referidas pelo grupo nominal com a função de sujeito (i) e que estão envolvidas numa situação simultaneamente como agentes e como pacientes.

 

Pronomes pessoais recíprocos:

nos, vos, se

 

(i) Eles magoaram-se (uns ao outros).

    O João e a Maria enganaram-se (um ao outro).

 

1. Os pronomes pessoais recíprocos só ocorrem em frases com sujeito plurais ou com sujeitos constituídos por dois grupos nominais coordenados.

 

Note-se que as formas do pronome pessoal recíproco são idênticas a formas do pronome pessoal reflexo, pelo que algumas frases podem ser ambíguas entre a leitura reflexa ou recíproca (ii). No entanto, se juntarmos a expressão "um ao outro", "uns aos outros" ou "entre si" à frase (ii) , a leitura passa a ser obrigatoriamente recíproca.

 

(1) Eles feriram-se.

 

(2) Eles feriram-se um ao outro.

 

Pronome pessoal reflexo

Pronome pessoal nos Casos acusativo, dativo ou oblíquo que indica que uma única entidade é simultaneamente agente e paciente da acção expressa pelo verbo.

 

Os pronomes pessoais reflexos são:

 

se, si (que pode ocorrer na contracção "consigo"), me, te, nos, vos.

 

(i) Eu lavei-[me] com gel de banho. (acusativo)

 

(ii) Oferecemo-[nos] uma viagem ao Quénia. (dativo)

 

(iii) Eles só falam de si (próprios / mesmos).

 

Note-se que as formas do pronome pessoal recíproco são idênticas a formas do pronome pessoal reflexo, pelo que algumas frases, como a que se encontra em (iv), podem ser ambíguas entre a leitura reflexa ou recíproca. No entanto, se juntarmos a expressão "a mim / ti / si próprio / mesmo" ou "a nós / vós /eles próprios / mesmos" à frase (v) , a leitura passa a ser obrigatoriamente reflexa.

 

(iv) Eles feriram-se.

 

(v) Eles feriram-se a si próprios.

 

“se” impessoal

Pronome pessoal que é uma das formas de expressão de um sujeito nulo indeterminado, que é parafraseável por HÁ PESSOAS QUE ou HÁ QUEM.

 

(i) Diz-[se] que o João vendeu a casa. (= Há quem diga que o João vendeu a casa)

 

(ii) Vende-[se] maçãs. (= Há quem venda maçãs / Há pessoas que vendem maçãs)

 

Note-se que, em construções com "se" impessoal, o verbo se encontra invariavelmente na terceira pessoa do singular.  Assim, numa frase como (ii), o grupo nominal [maçãs] não é o sujeito mas o complemento do verbo.

 

Ver "se passivo" e "se inerente".

 

“se” passivo

Pronome pessoal que permite formar uma frase passiva sem utilizar um verbo auxiliar, pelo que as frases com "se" passivo são sempre parafraseáveis por uma frase com o auxiliar da passiva.

 

(i) Vendem-se maçãs. (= Maçãs são vendidas)

 

(ii) Ouvem-se ainda vozes na sala. (= São ainda ouvidas vozes na sala)

 

1. Numa frase como (i),  o grupo nominal [maçãs] é de facto o sujeito do verbo "vender" visto haver  concordância entre esse grupo nominal e o verbo.

 

2. Quando o núcleo do grupo nominal é singular, exite muitas vezes ambiguidade entre uma interpretação de "se" passivo e uma interpretação de "se" impessoal (cf. (iii) e as possibilidades de paráfrase apresentadas em (iv) e (v)):

 

(iii) Vendeu-se [muita cerveja] no sábado.

 

(iv) Foi vendida muita cerveja no sábado. ("se" passivo)

 

(v) Houve pessoas que venderam muita cerveja no sábado. ("se" impessoal)

 

“se” inerente

Pronome pessoal sem valor reflexo, recíproco, impessoal ou passivo e sem função sintáctica na frase a que pertence, que pode ser considerado parte integrante dos verbos.

Há verbos que exigem sempre a presença de "se" inerente (i) e verbos que a admitem, mas não exigem (ii). Há igualmente verbos que, quando usados intransitivamente, exigem (iii) ou admitem (ii) "se" inerente.

Formas do pronome inerente:

me, te, se, nos, vos.

 

(i) Eles atreveram-se a mentir?

 

(ii) Ele riu(-se) da Margarida.

 

(iii) O barco afundou-se por causa do temporal.

 

(iv) O gelado derreteu(-se) com o calor.

 

1. Note-se que não é possível fazer seguir a um pronome pessoal inerente expressões como "a si próprio" ou "um ao outro", o que mostra que se trata de um forma diferente dos pronomes reflexos e dos pronomes recíprocos:

 

(v) *Eles atreveram-se {um ao outro / a si mesmos} a mentir?

 

2. As  frases com "se" inerente também não podem receber as paráfrases típicas de frases com "se" passivo# ou com "se" impessoal#(compare-se (iii) com (vi) e (vii):

 

(vi) =/= O barco foi afundado por causa do temporal.

 

(vii) =/= Há gente que afundou o barco por causa do temporal.

 


Pronome possessivo

 

Pronome que admite variação em pessoa, género e número e que tem um valor deíctico, na medida em que estabelece a sua referência através de um mecanismo de localização que toma como ponto de referência os participantes do discurso tomados como possuidores (ii).

Os pronomes possessivos são geralmente precedidos de artigo definido (i).

 

Pronomes possessivos:

 

Um possuidor:

- meu, minha, meus, minhas

- teu, tua, teus, tuas

- seu, sua, sues, suas

 

Vários possuidores:

- nosso, nossa, nossos, nossas

- vosso, vossa, vossos, vossas

- seu, sua, seus, suas

 

(i) Os meus filhos estão óptimos, e os teus?

 

(ii) Encontrei muitas fotografias da Ana no sótão; tuas, não encontrei.

 


Pronome relativo

 

Pronome que é o elemento mais à esquerda em frases subordinadas adjectivas relativas com antecedente (i) ou em frases subordinadas substantivas relativas sem antecedente (ii).

 

São pronomes relativos:

 

Variáveis:

- o qual, os quais, a qual, as quais

- quanto, quantos, quantas

 

Invariáveis:

- que

- quem

- onde

 

(i) Encontrei o livro [de que me falaste].

 

(ii) Conheço [quem te pode ajudar].

 

1. Note-se que o pronome relativo tem uma função dupla na frase adjectiva ou substantiva em que ocorre, na medida em que:

(i) sendo um pronome, é núcleo de um grupo nominal com uma dada função sintáctica;

(ii) serve de conector ou elemento de ligação entre a frase subordinada e a subordinante.

 

2. Como o exemplo (i) mostra, quando o pronome relativo faz parte de um grupo preposicional, todo o grupo preposicional  ocorre em posição inicial da frase relativa.

 

Ver "quantificador relativo".