Programa da acção de formação nº 18/2002

 

INTERNET EM TRABALHO COLABORATIVO


Acção 18 / 2002

 

N.º Acreditação:  CCPFC/ACC-20375/00

Modalidade:  Projecto

Duração:  25

N.º de Créditos: 1,5 a 3,0

Formador: José Manuel Pais Martins

Destinatários: Professores dos Ensinos Básico e Secundário e do Ensino a Distância

Prioridades: Será dada a primeira prioridade aos líderes de escola ou professores dinamizadores das novas tecnologias e pertencentes a escolas associadas aos CFAES da rede Prof2000. Será analisada a possibilidade de se formarem grupos por escola.


 

Razões Justificativas da acção:

 

 

È por todos reconhecido que o trabalho do pessoal  docente tem vindo progressivamente a aumentar de exigência a vários níveis. Exigem-se resultados optimizados, procedimentos rápidos e eficazes. Ao mesmo tempo as novas tecnologias têm vindo progressivamente a ser introduzidas nas escolas, não só na pratica lectiva, mas também no funcionamento de bibliotecas, laboratórios, mediatecas ou centro de recursos. A circulação da informação em tempo útil exige recursos e conhecimentos novos ao pessoal docente.

As tecnologias da informação e da comunicação são já parte integrante do nosso quotidiano. Oferecem instrumentos úteis para as comunicações pessoais e de trabalho, para o processamento de textos e de informação sistematizada, para acesso a bases de dados e à informação distribuída nas redes electrónicas digitais.

O alargamento a todas as escolas da ligação à Internet, exige também dos professores conhecimentos que lhes permitam utilizar essas ferramentas postas ao seu dispor a nível, de correio electrónico, transferência de ficheiros e pesquisa de informação.

 

 

"A importância do papel do professor enquanto agente de mudança, favorecendo a compreensão mútua e a tolerância, nunca foi tão patente como hoje em dia. Os professores têm um papel determinante na formação de atitudes, positivas e negativas, face ao processo de ensino-aprendizagem. Devem despertar a curiosidade, desenvolver a autonomia, estimular o rigor intelectual e criar as condições necessárias para o sucesso da educação formal e da educação permanente.

Para habilitar o professor a assumir este novo papel, é indispensável que a formação inicial e a formação contínua lhes confira um verdadeiro domínio destes novos instrumentos pedagógicos. (...) Além disso devem ser sensíveis também às modificações profundas que estas novas tecnologias provocam nos processos cognitivos. Já não basta que os professores se limitem a transmitir conhecimentos aos alunos, têm também de os ensinar a pesquisar e a relacionar entre si diversas informações, revelando espírito crítico.(...).

As tecnologias de informação e comunicação oferecem potencialidades imprescindíveis à educação e formação, permitindo um enriquecimento contínuo dos saberes, o que leva a que o sistema educativo e a formação ao longo da vida sejam reequacionados à luz do desenvolvimento destas tecnologias.

Livro “Verde para a Sociedade da Informação”

 

O ensino das várias  disciplinas, não pode ficar indiferente ao manancial de informação e de potencialidades que lhes são trazidas pela Internet. A Internet possibilita o acesso  informação rápida e actual, possibilita a troca de informação entre professores e alunos e está  a provocar uma verdadeira revolução no mundo em que vivemos e, consequentemente nas nossas escolas. As nossas salas de aula deixam de estar limitadas por quatro paredes e o nosso trabalho não se pode limitar ao que se passa dentro dessas quatro paredes. A Internet permite-nos "saltar" as barreiras do espaço e do tempo e estabelecer trocas interactivas com outras escolas e professores.  O professor torna-se cada vez mais um guia e um facilitador da aprendizagem e o aluno passa a gozar de maior autonomia na construção dos seus saberes. Pretende-se assim ultrapassar o relativo isolamento de alguns docentes encontrando formas de trabalho cooperativo, pois  o professor já não pode, numa sociedade de informação, limitar-se a difusor de saber, tornando-se, de algum modo, parceiro de um saber colectivo que lhe compete organizar.

O acesso instantâneo à informação e a especialistas, o estabelecimento de ambientes de colaboração a distância que proporcionam a partilha de saberes e o quebrar de fronteiras criam novos paradigmas da Escola, mais centrados na aprendizagem do que no ensino, que exigem respostas eficazes.

O desenvolvimento profissional dos professores potenciando a formação contínua associada à utilização das redes telemáticas favorece o desenvolvimento de metodologias eficazes contribuindo positivamente para o desenvolvimento da escola do futuro.

A percepção das rápidas mudanças que afectam toda a Sociedade e em especial a Escola, tem conduzido em toda a Europa à definição de políticas que se adaptem a uma nova realidade, a da Sociedade da Informação.

A criação de ambientes virtuais de formação é um desafio recente e para a qual estamos a dar os primeiros passos. A visão que temos do TRENDS é baseada na adaptação de técnicas e abordagens já exploradas noutros media (tutoriais, televisão, conferencias informáticas, etc.), à semelhança de outras experiências de ensino à distância e nos desafios quotidianos que as Tecnologias da Informação e Comunicação (Multimedia, Internet, Hipermédia, etc.) nos propõem novas  metodologias (baseadas na autoformação, no trabalho colaborativo, na pesquisa de informação e no espírito crítico dos formandos),  sustentadas por serviços electrónicos (acesso à internet, servidor de conteúdos WWW, forum electrónico, correio electrónico, aplicações de trabalho colaborativo, etc.)

 

O projecto Trends /prof2000 é um projecto de formação de professores a distância que tem vindo a envolver um grupo significativo de escolas,(actualmente 100 escolas) de várias zonas do pais e com o apoio institucional do Ministério da Educação, através da DREC- Direcção Regional de Educação do Centro, da Portugal Telecom Inovação e de Centros de Formação de Associações de Escolas que propõem as acções do projecto. O Projecto TRENDS, de que o Programa Prof2000 é herdeiro, foi pioneiro ao conseguir promover de forma sustentada dispositivos de formação de professores a distância, com  utilização das Tecnologias da Informação e Comunicação, no processo de formação contínua centrado na Escola.

 

Para além da participação e envolvimento dos CFAES , outro elemento fundamental é o líder de escola. Para além de apoiar a formação de professores, são também dinamizadores da introdução e utilização das novas tecnologias, e nomeadamente devem:

 

-          Facilitar e acompanhar os seu colegas no desenvolvimento das actividades de formação

-          Dinamizar a comunidade escolar para a participação em iniciativas no âmbito do projecto.

-          Promover e acompanhar  a participação da comunidades escolar em pequenos projectos interescolas

-          Assegurar o bom funcionamento dos equipamentos da escola.

-          Apoiar o alargamento da rede pela adopção de uma escola garantindo a formação do novo líder e o suporte técnico imediato.

 

 

Uma das dificuldades  enfrentadas pelos lideres e pelas escolas é o seu relativo isolamento, apesar de todas as formas de contacto que as novas tecnologias possibilitam.

Assim, este projecto surge como uma forma de enquadrar os trabalhos dos lideres e de promover e apoiar a realização de trabalhos e actividades colaborativas entre as várias escolas dos líderes aderentes ao projecto e ou de outros participantes.

 

 

 

Objectivos:

                                                                                                                                                            

-          Complementar a formação de lideres e responsáveis por projectos.

-          Desenvolver atitudes de trabalho cooperativo.

-          Promover a formação de contínua de professores contribuindo com formas inovadoras para o seu desenvolvimento profissional.

-           Favorecer a utilização das TIC em educação

-          Desenvolver e identificar técnicas e modelos comunicacionais na formação contínua de professores à distância

-          Potenciar a troca de experiências entre diferentes escolas e o desenvolvimento de projectos interescolas

-          Facilitar às Comunidades Escolares o acesso aos Serviços Multimédia e à informação disponível na Internet

-          Incrementar a utilização da Internet enquanto ferramenta de apoio à circulação da informação

-           Fornecer estratégias de networking, endereços de interesse e modelos de utilização da Internet em contexto educativo.

-          Mostrar como a Internet pode potenciar a troca de saberes e a consciencialização da dimensão global do cidadão.

-           Produzir documentos com interesse prático para o trabalho do pessoal não docente

-          Reconhecer as potencialidades do Internet Relay Chat (IRC) no enquadramento escolar

-            Utilizar o I.R.C. como espaço de troca de opiniões, saberes e experiências no âmbito da educação

-          Criar páginas simples em Hyper Text Markup Language (HTML) para publicação na WWW

-          Rentabilizar os recursos disponibilizados nas escolas

 

Conteúdos:

 

 I - Utilização da Internet:        

 

-          Visão global da Internet.

-           Utilização de um navegador para aceder à WWW.

- Técnicas de navegação Web

- Catalogação de sites com interesse para as várias actividades disciplinas leccionadas pelos docentes;

- Técnicas de pesquisa de informação

     Utilização das várias ferramentas disponíveis: correio electrónico, Netmeeting, newsgrups, ftp.

     Analise critica da utilização da internet na educação

    Criação de páginas em HTML

 

II- Trabalho Colaborativo   

 

Planificação e concretização de actividades de trabalho colaborativo entre as várias escolas envolvidas. Os temas, actividades e trabalhos serão definidos em discussão de grupo , mas podem desde já ser apontadas as seguintes linhas orientadoras/temas:

    - Educação para a cidadania

    - O dia do Consumidor

    - Divulgação de trabalhos de alunos

    - Jogos, concursos entre alunos das várias escolas

    - Jornal a criar entre os lideres das varias escolas

    - Videoconferências ou sessões de irc entre professores/lideres ou convidados sobre temas específicos.

 

 

Metodologia de Realização da Acção:

 

O formador disponibiliza os conteúdos teórico-científicos (textos de apoio, referências, índices temáticos) em base on-line. Individualmente ou em grupo os formandos executarão tarefas de descoberta e troca de informação relativamente ao tema proposto. O formador fará o acompanhamento destas tarefas. O resultado das tarefas de pesquisa/reflexão serão disponibilizados para discussão conjunta moderada pelo formador.

Num primeiro  momento – Capitulo 1- pretende-se fornecer aos formandos alguns elementos fundamentais que lhes permitam utilizar as novas ferramentas ao dispor das escolas, nomeadamente as que envolvem a utilização da Internet. Pretende-se ainda discutir a utilização pedagógica da Internet, os prós e os contras e as condições em que a sua utilização deve ser implementada. – Pensa-se ocupar  3 sessões presenciais para estas tarefas.

Posteriormente – Capitulo II- e por acordo com os formandos devem definir-se os trabalhos a coordenar durante o resto do ano lectivo. Os trabalhos serão organizados por dois formandos de duas escolas diferentes, contando com a participação dos restantes formandos e supervisionados e com o apoio do formador. Surgirão assim 5 actividades diferentes a realizar durante o ano- Janeiro a Julho. Algumas das actividades devem envolver a participação de alunos e de outros professores da escola e devem sempre traduzir-se sempre em documentos publicados na Internet.

As sessões presenciais deste segundo capitulo serão baseadas em reflexões abrangentes sobre as “ actividades” que estão a ser desenvolvidas pelos formandos.

As sessões de trabalho conjunto são realizadas , no âmbito do projecto Prof2000, usando técnicas de formação a distância.

 

 

Avaliação dos Formandos:

 -Grau de empenhamento em todo o processo

-Desenvolvimento do projecto de autoformação

-Avaliação de trabalhos de pesquisa e reflexão construídos através da partilha de informação "on-line" com vista à concretização de uma biblioteca de informação.

-Avaliação da participação no debate "on-line" sobre os módulos temáticos apresentados.

-Planificação e organização dos trabalhos colaborativos.

-Concretização e publicação dos trabalhos colaborativos.