Constelações

adaptado de: http://www.edinfor.pt/anc/ancastro-estrelas-id.html

Constelações são agrupamentos aparentes de estrelas os quais os astrónomos da antiguidade imaginaram formar figuras de pessoas, animais ou objectos. Numa noite escura, pode-se ver entre 1000 e 1500 estrelas, sendo que cada estrela pertence a alguma constelação. As constelações ajudam-nos a separar o céu em porções menores, mas identificá-las é em geral muito difícil.

A constelação de Orion (o caçador)

As constelações surgiram na antiguidade para ajudar a identificar as estações do ano. Por exemplo, a constelação do Escorpião é típica do Verão do hemisfério Norte, já que em Junho ela é visível a noite toda. Já Órion é visível a noite toda em Dezembro, e portanto típica do Inverno do hemisfério Norte. Alguns historiadores suspeitam que muitos dos mitos associados às constelações foram inventados para ajudar os agricultores a lembrarem-se quando deveriam plantar e colher.

As constelações mudam com o tempo, e em 1929 a União Astronómica Internacional adoptou 88 constelações oficiais, de modo que cada estrela do céu faz parte de uma constelação.

O factor mais importante para descobrirmos uma estrela é sem dúvida a magnitude desta, ou seja o brilho, pois destaca-a de outras no fundo escuro do céu.

A olho nu podemos ver estrelas até uma magnitude de 6, mas em navegação apenas estelas de magnitude inferior a 2,5 são usadas. Isto porque só é possível medir a altura de uma estrela durante o crepúsculo pois é o momento em que temos simultaneamente visíveis o horizonte e os astros mais brilhantes.

Outros factores são a época do ano, a hora e o local da observação pois nem sempre estarão à nossa disposição as estrelas que queremos observar. Não fará sentido, por exemplo, procurar o Cruzeiro do Sul quando estamos numa latitude elevada do hemisfério oposto.

Lembremo-nos que o movimento aparente da esfera celeste faz com que vejamos as estrelas deslocarem-se de leste para oeste em torno de um eixo imaginário que passa pelos pólos. Como a esfera celeste roda uma volta completa em 23h56min, todos os dias as estrelas nascem cerca de 4 minutos mais cedo. Isto explica porque elas não estão sempre no mesmo local e deslocam-se de dia para dia aparentemente mais para oeste.
Na nossa latitude média de 38º N teríamos os movimentos aparentes das estrelas que as figuras a seguir indicam.

 

 
Movimento aparente a Norte
(rotação em torno da Polar)
  Movimento aparente a Leste
(as estrelas parecem subir para Sul)
 
 
Movimento aparente a Sul
(as estrelas deslocam-se de Leste para Oeste)
  Movimento aparente a Oeste
(as estrelas parecem descer para Norte)

Talvez seja mais prático começar por conhecer as constelações e partir depois para a identificação das estrelas. Tal como nas figuras anteriores, o nosso local de observação, salvo indicação em contrário, será o continente português.

 

Ursa Major (Ursa Maior)

Ao longo dos tempos teve várias denominações. Os Romanos viam nela uns bois atrelados, os Árabes uma caravana no horizonte, os Índios da América do Norte uma concha enquanto que os povos da América Central um homem sem uma perna.
A sua forma, um rectângulo com três estrelas em cauda a partir de um vértice é inequívoca. O brilho das suas estrelas também não dificultam a sua localização. É a partir desta constelação que se consegue chegar facilmente à estrela Polar. Localizando as suas guardas, Merak e Dubhé, determinamos com elas uma direcção. Marcando 4 vezes a distância entre entre elas, encontramos a Polar.

 

A Polar fica à distância de 4 comprimentos das guardas da Ursa Maior

 

 

Ursa Minor (Ursa Menor)

Encontra-se visível todo o ano e é idêntica à Ursa Maior, mas como diz o nome, menor. Mais difícil de localizar pois as suas estrelas não brilham tão intensamente. Geralmente procura-se a Polar a partir da Ursa Maior e depois as restantes estrelas da constelação. Apesar de pouco intensa a estrela Polar fica num espaço com poucas estrelas à volta e bem visível. É a estrela mais conhecida por se situar sobre o Pólo Norte.

 


Ursa Menor

Devido à rotação da constelação a estrela Kochab, a guarda mais brilhante, foi usada como relógio nocturno.

 

Orion (Orionte)

É a constelação mais espectacular de toda a esfera celeste. Segundo a mitologia o grande caçador Orionte vangloriava-se de poder matar qualquer animal. Após um terrível combate que travou com Escorpião, os deuses tiveram de separá-los e colocaram-nos em regiões opostas da esfera celeste.
É facilmente identificável pois as estrelas que formam os vértices do seu formato quase trapezoidal, Betelgeuse, Bellatrix, Rigel e Saiph, são muito brilhantes. É durante o Inverno que é mais fácil de observá-la.

 


Orionte

A cortar esse trapézio aparecem um conjunto alinhado de estrelas, parecendo ser três, as quais têm a característica de estarem sobre o equador celeste. Da esquerda para a direita: Alnitak, Alnilam e Mintaka. Estas estrelas também são conhecidas pelas Três Marias ou Três Reis Magos ou ainda Cinturão de Orion, cinturão de onde parece pender uma espada, uma mancha que é a nebulosa de Orionte.

 

Draco (Dragão)

Na mitologia antiga Dragão era o guardião da maçã de ouro. Um conjunto de estrelas sinuosas que separam as duas Ursas parecendo defender a Ursa Menor. Na cabeça a estrela Eltanin parece olhar para a estrela Vega.

 


Eltanin, a cabeça do Dragão

 

Cassiopeia

A sua forma peculiar em W também não faz confusão. A sua posição é simétrica com a Ursa Maior relativamente à Polar. As suas estrelas mais brilhantes são Caph e Schedar.

 


Cassiopeia

É durante o Verão que é mais visível, logo ao início da noite vinda de Leste.

 

Crux (Cruzeiro do Sul)

É a constelação mais conhecida do hemisfério Sul e a mais pequena em todo o céu. Visível apenas do hemisfério norte a latitudes inferiores a 27º N. Situa-se sobre a Via-Láctea e é composta apenas por quatro estrelas em forma de cruz. Como não existe nenhuma estrela, à semelhança do pólo norte, de brilho assinalável sobre o pólo sul, foi usada como referência pelos navegadores tendo sido inclusivé elaboradas tabelas com os seus movimentos.

 


Cruzeiro do Sul
(Pólo Sul a 5 comprimentos de Acrux)

Repare-se como as estrelas, Gacrux e Acrux apontam em direcção ao poóo sul, que se localiza a uma distância de 5 comprimentos entre essas estrelas.
Com uma declinação próxima existe uma composição de estrelas semelhante ao Cruzeiro do Sul, mas bem maior, é o "Falso Cruzeiro" (parte da constelação Quilha e Vela). Existem relatos que a confusão entre os dois cruzeiros levou a que muitos navios e marinheiros se perdessem no mar.

 


"Falso Cruzeiro" a vermelho

 

Triângulo de Verão (Vega, Deneb e Altair)

É durante o Verão, tal como o nome sugere, que no hemisfério norte se podem observar distintamente três estrelas muito brilhantes fazendo um triângulo.

 


"Triangulo de Verão"

À nossa latitude (38º N), Vega é visível próxima do zénite, ficando Deneb (a cauda do Cisne, constelação a que pertence) e Altair (o nome não engana; é de origem árabe e que significa «águia em voo») mais afastadas do pólo.

 

Sírius

Sírius não engana. Pertence à constelação do Cão e é a estrela mais brilhante no céu. Qualquer astro ou luminosidade mais intensa que Sírius não é uma estrela (normalmente um planeta - Júpiter).
 

 


"Sírius próximo de Orionte"

Alinhando com as estrelas do Cinturão de Orionte chegamos facilmente até Sírius. É no Inverno que se torna mais fácil de observar.
Sírius foi também o nome adoptado do veleiro que o rei D.Luís ofereceu à rainha D.Maria Pia.

 

Scorpio (Escorpião)

Uma bela constelação totalmente visível na nossa latitude apesar de estar no hemisfério sul. É no Verão, já próximo da linha do horizonte numa direcção entre sul e oeste, que podemos ver uma estrela nitidamente vermelha (não fazer confusão com o planeta Marte). É Antares, em árabe «coração do escorpião».

 


"Escorpião"