Entidade Promotora: Centro de Formação de Professores do Concelho de Ílhavo
Tema: A Internet e a Aula de Matemática
Modalidade:Curso de Formação
Regime: À distância
Formadores: Rui Paulo Marinho Ferreira Lebre
Duração: 50 horas - 25 horas em directo (IRC) + 25 em diferido
Créditos : 2
Destinatários: Professores do 1º Grupo do 3º Ciclo do Ensino Básico e Secundário
Cronograma / calendarização:
(a definir até dia 22 de Fevereiro)

Razões Justificativas da Acção

Quando, no programa do ensino da Matemática, foram introduzidas as calculadoras científicas houve necessidade de efectuar alterações metodológicas na abordagem dos temas, que não puderam ser generalizadas por falta de formação dos professores.
Actualmente acontece o mesmo com a introdução das calculadoras gráficas e do computador na sala de aulas.
A partir do ano lectivo de 1997/98 todas as escolas do 3º Ciclo e do Ensino Secundário ficaram ligadas à Internet. No entanto é de prever, pela falta de meios capazes de proporcionar a toda a comunidade escolar um contacto imediato, que o seu uso não seja o esperado em termos educacionais.
Fica aqui, e desde logo, aberto o caminho para os professores serem o elo de ligação entre a Internet e a Matemática na sala de aula.
Este meio informativo pode e deve ser explorado na preparação das aulas, levando a uma nova abordagem de "velhos" temas e a uma consequente motivação dos alunos para a aprendizagem. O estudo da geometria, das funções, da estatística, entre outros, pode passar por uma visão mais intuitiva e interactiva tão ao gosto dos nossos alunos, e tão de encontro com a necessidade de criação dos Laboratórios de Matemática.
Claro está, que o ajuste destas aprendizagens obriga os professores a tomarem contacto com as novas tecnologias de informação e telecomunicação.
Aqui se enquadra a necessidade de formação que insira os docentes na usufruição de todas as capacidades e facilidades que a Internet proporciona na preparação adequada das aulas às exigências programáticas, e às dos alunos e do seu sucesso escolar. Objectivos
  • Pretende-se que os docentes adquiram competências ao nível da utilização de computadores, em particular ao nível das ferramentas com que se vai trabalhar - consulta, troca de opiniões, trabalho cooperativo, etc.
  • Pretende-se, ainda, criar hábitos de procura na Internet, bem como induzir a uma reflexão
  • crítica das ligações e materiais disponíveis para consulta.
  • Pretende-se também construir materiais de ensino a partir de documentos e programas obtidos na Internet, e discutir as vantagens e inconvenientes da sua utilização na sala de aula.
  • Em resumo, pretende-se, por via da prática dos docentes, introduzir novas metodologias e relações pedagógicas transferíveis e capazes de produzir mudanças afectivas na leccionação, emuito em particular, aquelas que vêm da utilização das novas tecnologias de informação no ensino.
  •  
    Conteúdos
  • Contacto com a Internet - como navegar e conhecer alguns sites ligados à Matemática.
  • Apresentação de experiências no ensino da Matemática. O seu estudo e discussão de vantagens e inconvenientes;
  • Os programas de Matemática no 3º Ciclo do Ensino Básico e Ensino Secundário e a identificação dos temas a usar nos trabalhos a realizar pelos formandos;
  • Escolha de metodologias que exijam a utilização de novas tecnologias de informação e que se adeqúem aos temas seleccionados.
  • Construção de materiais de ensino e planificação de aulas usando as novas tecnologias perspectivas de integração das TIC no futuro - o interesse e a utilidade.
  • Apreciação e discussão on-line dos trabalhos apresentados individualmente pelos formandos. Metodologias de Realização da Acção.

  • Metodologia da Acção

    O formador disponibiliza inicialmente um conjunto de textos/guião com alguns aspectos teórico/práticos e algumas questões que serão alvo de discussão on-line.  Os formandos vão estudar os programas, identificar os temas fundadores e os conteúdos em que será     vantajosa a utilização das novas tecnologias.
    O formador propõe os passos seguintes que podem ser de resposta a tarefas propostas, de procura de informação na Internet, de construção de modelos e do estudo da sua aplicabilidade na sala de aula, entre outros.
    Prevê-se que cerca de 25 horas sejam ocupadas em sessões teórico/práticas de estudo e de discussão teórica, sendo as restantes usadas para a construção do trabalho individual.
    Toda a formação será realizada on-line, utilizando os recursos do projecto TRENDS.


    Avaliação dos Formandos

    Avaliação individual sobre os trabalhos publicados sob a forma de uma página pessoal em html.